sábado, Abril 19, 2014

A imagem do fim-de-semana

Campanário e sepulturas da Capela de São Pedro de Vir a Corça. 

Situada em Monsanto, à volta desta capela do século XII ou XIII abundam vestígios de época romana, o que deixa supor a cristianização de um anterior local sagrado pagão. O facto deste templo cristão estar destacado do templo não é incomum mas não deixa de ser ser curiosa a escolha do local onde foi implantado, como se estivesse em permanente equilíbrio precário.

O sino já desapareceu há muito, como se se quisesse preservar o silêncio e a paz que se sentem neste lugar sagrado, cujas raízes são mais profundas que a memória.

As sepulturas e o campanário

O campanário em destaque

E para uma noção da escala...

A lenda de São Pedro de Vir a Corça

O curioso nome do local é explicado por uma lenda. Diz-se que junto ao campanário viveu em tempos um eremita, de nome Amador, que um dia encontrou um recém-nascido abandonado. Como não tinha forma de alimentar o desafortunado bebé, pediu a Deus que o ajudasse e este enviou-lhe um corça para amamentar a criança. O animal continuou a alimentar o recém-nascido várias vezes por dia até atingir uma idade que lhe permitiu finalmente alimentar-se pela mesma dieta de frutos e vegetais do eremita.

quinta-feira, Abril 17, 2014

E aquelas vacas que têm a mania que a estrada é toda delas?

N-332, algures entre Nave de Haver e Vilar Formoso

quarta-feira, Abril 16, 2014

Destas pontes só há duas em Portugal


Situada no concelho do Sabugal, a Ponte de Sequeiros é um dos dois únicos exemplares de pontes fortificadas que subsistem em território português, correspondendo o outro à ponte de Ucanha, Tarouca.

Embora pouco sobre da torre que outrora se erguia na extremidade pousada na margem direita do rio Côa, a ponte não deixa de ser impressionante pela dimensão e pelo seu bom estado de conservação. Na torre é ainda possível ver os encaixes das duas portas, uma delas de guilhotina.




Sobre a data de construção da ponte é que ninguém se parece entender. Na sinalética encontrada em Vale Longo a ponte é dada como romana, em alguns sites é descrita como "medieval de estilo romano", noutros sites e nos painéis interpretativos a ponte é apontada como sendo do século XIII e sendo ponte de fronteira (o Rio Côa era até ao Tratado de Alcanizes a fronteira entre o reino de Portugal e o reino de Leão e Castela), enquanto que a informação disponibilizada no Sistema de Informação para o Património Arquitectónico afirma que a ponte terá afinal sido construída em 1447, embora pareça ali haver alguma confusão geográfica.

Isto para não falar da discussão em torno da localização da própria ponte já que esta é reclamada de igual forma pelos habitantes da antiga freguesia de Vale Longo, hoje "União das freguesias de Seixo do Côa e Vale Longo", e pelos de Badamalos, hoje "União das freguesias de Aldeia da Ribeira, Vilar Maior e Badamalos".



Esta ponte, à época uma das poucas pontes sobre o Côa, era local de pagamento de portagem sendo a sua cobrança assegurada por uma pequena guarnição instalada na torre. As alternativas à ponte era a passagem a vau ou por barca que não eram isentas de risco, sobretudo quando a corrente do Côa era mais forte. As portagens foram ao longo da Idade Média uma fonte privilegiada de receitas tanto para a nobreza como para o clero. O seu valor, geralmente agravado para os não residentes na zona, podia depender do valor das mercadorias e do número de pessoas da comitiva que pretendia atravessar o rio. 

Embora na altura um qualquer visionário que anunciasse que, um dia, as portagens da província da Beira haveriam de ser concessionadas através de umas tais de PPP e, mais ainda, ousasse dizer que a prosperidade das gentes da dita província da Beira seria tal que as portagens haveriam de ser as mais caras do Reino, provavelmente fosse parar à fogueira por estar a dizer coisas do demo, as portagens são prática que já vem de longe.

terça-feira, Abril 15, 2014

Um pinheiro de alta tecnologia



Embora seja absolutamente contra a utilização de plantas ou mais comummente flores de plástico em espaços públicos, achei piada a este "pinheiro", apesar de já estar algo descascado. A ideia até acaba por ser interessante pois atenua o impacto paisagístico daquilo que está ali disfarçado.

Trata-se de um grupo de antenas celulares para comunicações móveis, vulgo "antena para telemóveis", e situa-se na localidade fronteiriça de Nave de Haver, no concelho de Almeida. Seria realmente interessante se as operadores se preocupassem em disfarçar aquelas estacas metálicas, sobretudo as situadas em zona rural ou florestal, camuflando-as desta forma e plantando algumas árvores ao seu redor para ajudar ao seu enquadramento.

segunda-feira, Abril 14, 2014

Quando o RSI ajuda mas também é factor de exclusão

-"Isto não está nada fácil, sabe?". Foi com estas palavras que uma senhora, que até há alguns dias era uma perfeita desconhecida, interrompeu o meu trabalho no balcão de atendimento de uma empresa cliente em Castelo Branco. Apesar da interrupção ser inconveniente, resolvi não impedir indelicadamente a continuação do monólogo. Afinal, pensei que seria fácil manter-me concentrado no meu trabalho fingindo que a estava a ouvir. Estava enganado.

-"Vim buscar comida ali à cantina social. Infelizmente tenho de o fazer, não tenho outra hipótese porque não tenho dinheiro para comprar comida. O pior é que a comida nem sempre é boa e há dias ficámos todos doentes lá em casa, eu, o meu marido e a minha filha. As outras pessoas que lá vão também se queixam da qualidade da comida mas temos medo de falar porque, se o fizermos, vão-nos chamar de ingratos.Vamos lá ver o que me calha hoje na sorte."

A minha atenção começou a divergir da minha tarefa e fui ficando cada vez mais interessado naquilo que aquela senhora me dizia. Afinal, há coisas às quais é impossível ficar indiferente, sobretudo por aquilo que, a palavras tantas, ela acabou por dizer:

-"O senhor tem alguém na sua vida? Se tiver, namore! Aproveite! Eu e o meu marido deixámos de dar beijos há já algum tempo. As nossas noites são passadas a chorar. Eu tinha uma loja de trabalhos de costura que sobrevivia com dificuldade e acabei por fechá-la. Maldita a hora em que o fiz. O meu marido foi despedido pouco tempo depois porque o Governo mudou as regras (sic) e ficámos sem nada. Sabe o que é não ter nada? Moro numa cave e isso é tudo o que nos separa de sermos sem-abrigos. Não temos nada. Comida, detergentes, gás, não temos nada disso. É uma sensação horrível. Não o desejo a ninguém, nem à pior pessoa do Mundo."

Pergunto-lhe se não recebe nenhum tipo de apoio.

-"Sim. Recebo 150 euros do Rendimento Social de Inserção. Vai tudo para a renda e ainda assim não é suficiente. Depois falta o resto. No mês passado ainda fiz 30 euros a arranjar umas peças de roupa. Este mês não sei como vai ser. Às vezes venho aqui e esta senhora (recepcionista da clínica) dá-me alguma carne. Estou-lhe grata do fundo do coração."

Nesta altura, senti-me tentado a pegar na carteira para lhe dar algum dinheiro para poder comprar alguma comida. Pareceu adivinhar os meus pensamentos.

-"Sabe de uma coisa? Eu sentir-me-ia muito melhor com 3 euros ganhos a trabalhar do que com 5 euros que o senhor eventualmente me pudesse dar, porque é disso que precisamos, eu e o meu marido. Trabalho. Eu tenho muito jeito para trabalhos de costura e também para restauro. Faço restauro de livros, tapetes, carpetes,.... Imagine que até restauro tapetes de Arraiolos! O pior é que tento divulgar o que faço e não resulta. Tenho um blogue [ver aqui] e já distribuí panfletos. As pessoas até dizem "Você faz tanta coisa? Qualquer dia encomendo-lhe uns trabalhos" mas a campainha nunca toca."

-"Mas também não é só isso. As pessoas que recebem RSI são discriminadas e chegam até a ser tratadas como criminosas. Eu sinto isso.Nem imagina o quanto é duro."

Para terminar a conversa, fala-me de uma ideia que lhe foi sugerida por uma amiga: contactar a produção de um desses programas de televisão que têm ajudado pessoas em situação semelhante. O único obstáculo que a impede de o fazer é a vergonha. Pergunto-lhe porque não o faz. Afinal, o pior que poderá acontecer é receber um "não". Seja como for, estará sempre a bater a duas portas: a da solidariedade e a da promoção do seu trabalho. Ela fica a pensar durante algum tempo e, antes de se ir embora, remata:

-"O senhor é capaz de ter razão. Vou pensar seriamente nisso. Entretanto, se precisar ou conhecer alguém que precise dos meus serviços, agradeço que me contacte. Obrigado por este bocadinho e desculpe lá pelo tempo que lhe roubei. Mas sabe? Faz-me bem desabafar."

Foi assim que eu conheci a Dª Clara. Fiquei a vê-la ir embora e a pensar em tudo o que me tinha dito, aquilo que aqui reproduzi e outras confidências que seria indelicado partilhar. Perguntei-me quantas pessoas estarão neste momento nas mesmas condições, vivendo de uma solidariedade que chega a ser um factor de exclusão e sonhando com o dia em que a campainha finalmente tocará. Servir-lhes-á de conforto, sabendo que perderam tudo ou quase tudo nos últimos anos, ouvir os nossos governantes afiançar que o país está melhor? 

sábado, Março 22, 2014

O fim do Inverno



Assim se fechou o Inverno sobre a albufeira da barragem de Santa Águeda, popularmente conhecida como Marateca.

quinta-feira, Março 20, 2014

Reflorestação da Gardunha arranca já depois de amanhã!


A associação Descobrindo vai levar a cabo no próximo Sábado, dia 22 de Março, uma acção de reflorestação na Serra da Gardunha que merece um aplauso. 

Após o fiasco das últimas iniciativas, inclusive a na altura tão propalada Epson Biodiversity Iniciative (clicar para ver), espero que esta acção seja o mote para a criação de uma plataforma consistente que contribua para recuperar a floresta da Serra da Gardunha que o desleixo e os sucessivos incêndios destruíram nos últimos anos.

Citando o site da Descobrindo:

"Vamos reflorestar a Gardunha” é o nome da acção a realizar no próximo dia 22 de Março de 2014, na Serra da Gardunha. O ponto de encontro é o local onde foi realizado Solstício - Festival da Natureza , junto às piscinas de São Fiel pelas 9H00, onde existirá transporte até aos locais de plantação.

É com muita satisfação que anunciamos a concretização da iniciativa que nos propusemos realizar no âmbito do Solstício - Festival da Natureza com o objectivo de dar início à reflorestação da Serra da Gardunha. A primeira edição do festival Solstício teve como grande objectivo a plantação de uma árvore por cada entrada no festival.

Nesse sentido, e aproveitando o momento dedicado ao Dia Internacional da Árvore e das Florestas vamos dar início à plantação total de 3500 árvores em diferentes locais desta Serra. Estando já alguma vegetação autóctone a regenerar-se, a iniciativa prevê o plantio de esp espécies que já se podem encontrar nos locais: Bétulas, Castanheiros, Faias, Carvalho Robur e Carvalho Negral, e alguns Freixos.

O regresso, para quem o desejar, será realizado numa caminhada.

A inscrição é obrigatória de forma a garantir o reforço alimentar, o almoço e toda a logística. Os inscritos devem munir-se de uma ferramenta necessária para a plantação (sacho ou enchada)."

Conselhos a seguir na procura de emprego


Há uns tempos atrás fui surpreendido num processo de zapping pelo "28 minutos e 7 segundos de vida", um programa da TVI 24 no qual José Alberto Rodrigues e Manuel Forjaz conversam sobre um tema específico. Embora me pareça que o programa abuse da exploração do facto de Manuel Forjaz sofrer de cancro, achei-o bastante interessante, sobretudo pela forma fluida da conversa, assente na capacidade de comunicação de Manuel Forjaz.

O tema do programa de que falo era a procura de emprego e durante quase uma hora falou-se não só das dificuldades que quem procura emprego tem de enfrentar, como também dos erros mais comuns que se cometem nesse processo. Aqui fica uma síntese das ideias principais enunciadas por Manuel Forjaz:

Quem procura emprego não explora o suficiente as possibilidades de procura que estão ao seu dispor, limitando-se muitas vezes aos tradicionais anúncios de jornal. Na Internet existe uma grande variedade de sites de procura de emprego e, para além disso, há que saber explorar as nossas redes de conhecimentos pessoais (familiares, amigos, antigos professores, etc).

Somos pouco cuidadosos com a nossa presença na Internet. A maioria das pessoas não olha à sua exposição on line fazendo publicações nas redes sociais que podem ser contraproducentes para a sua imagem junto de potenciais empregadores

A rede social LinkedIn é cada vez mais uma ferramenta usada por empregadores para recrutamento mas convém que quem cria o seu perfil nessa plataforma não se limite a criar uma página básica

O Europass foi uma coisa criada pelos eurocratas para os empregadores não empregarem ninguém. É um documento ilegível que não faz nenhuma diferenciação, tornando muito difícil para o empregador encontrar elementos diferenciadores que permitam contratar alguém

O curriculum vitae deve ser elaborado de forma a adequar-se ao empregador, à indústria, à complexidade das funções a desempenhar e de forma a destacar as competências que se querem demonstrar.

Um dos passos mais difíceis na procura de emprego é fazer chegar o curriculum vitae às pessoas certas

É preciso ser inteligente, criativo e experimentador na procura de emprego

Em geral, os candidatos vão às entrevistas de emprego muito mal preparados

Numa entrevista é preciso conhecer o entrevistador, o que é que o move, que tipo de pessoas é que ele emprega, tal como é preciso saber exactamente quais são as exigências do cargo ao qual o entrevistado se está a candidatar. Hoje em dia, em pouco tempo, é fácil obter informação sobre qualquer empresa a qual nos estejamos a candidatar

Nunca mentir é uma regra sacramental das entrevistas de emprego


Vídeo: uma entrevista de emprego na Idade da Pedra:
   


Numa entrevista, o contacto visual e a linguagem corporal são fundamentais.

Convém prepararmo-nos para perguntas difíceis como "Porque é que o hei-de escolher a si e não a outro?" ou "O que é que você vai trazer em termos de valor acrescentado a esta empresa?". Não se pode esperar que as perguntas se cinjam ao percurso profissional do entrevistado

Quando as pessoas não são escolhidas, desistem de continuar a tentar. É fundamental não se fechar a ligação com o entrevistador/potencial empregador no final da entrevista


Vídeo: as respostas pré-concebidas numa entrevista de emprego fora-de-série!

segunda-feira, Março 10, 2014

Uma nova onda de empreendedorismo!


O nosso estimado Sérgio Vieira, que trocou recentemente o bulício urbano de Lisboa pela tranquilidade do Interior (ver aqui), registou este instantâneo que ilustra bem a forma como determinados cidadãos conseguem aliar a criatividade e o espírito de "desenrascanço" ao espírito de empreendedorismo. Após a venda de ar da Guarda e de água de Fátima a retalho, respectivamente em frascos e garrafinhas, eis agora o garrafão de "Água da Onda Gigante da Nazaré" que permite que o comprador consiga sentir-se um verdadeiro Garrett McNamara, seja através da produção de ondulação na banheira, seja através da deglutição do tradicional pirolito.

Será este o início de uma nova onda de empreendedorismo?

sábado, Março 08, 2014

Cemitério Cross Bones, a última morada das indesejáveis prostitutas londrinas


Em Londres, na zona de Southwark, quem percorrer a pequena Redcross Way não ficará indiferente a um portão totalmente coberto com flores, fitas e outros objectos. Trata-se de um memorial ao desaparecido cemitério de Cross Bones, um local que nos transporta para uma época sombria na qual determinadas mulheres eram exploradas e depois descartadas. À entrada, uma placa em bronze recorda-o: "Aos mortos proscritos. RIP".

Pode parecer estranho, a quem actualmente passa pela Redcross Way, encontrar um portão transformado num memorial à frente de um estaleiro do metropolitano de Londres mas a verdade é que até ao século XIX, este era o local onde os proscritos de Londres eram enterrados, no espírito de uma tradição que se iniciou em plena Idade Média.

Desde cedo, todas as actividades que não eram permitidas dentro das muralhas de Londres desenrolavam-se livremente na margem Sul do Tamisa. Entre tabernas, teatros e cervejarias, encontravam-se por aqui os "Gansos de Winchester", nome pelo qual eram popularmente conhecidas as prostitutas desta zona, que se encontrava sob jurisdição directa do bispo de Winchester. Sempre que alguém contraía uma doença venérea, dizia-se que tinha pele de galinha ("goosebumps") ou ainda que tinha sido mordido por um ganso de Winchester ("bitten by a Winchester goose").

Embora em vida estas mulheres gozassem de alguma protecção por parte das autoridades, quando morriam a coisa mudava de figura. Fosse de causas naturais ou doença (a sífilis era uma causa frequente de morte) o seu enterro em solo consagrado era proibido devido à sua vida considerada pecaminosa. Por esse motivo, as prostitutas começaram a ser enterradas num terreno não consagrado que se viria a tornar o cemitério de Cross Bones. Em 1598 o historiador John Stow escreveu:

"Ouvi da parte de homens idosos de bons créditos, relatos de que a estas mulheres solteiras eram negados os rituais da igreja, desde que continuassem a sua vida pecaminosa, e eram excluídas dos funerais cristãos se não se reconciliassem antes da sua morte. Por isso, havia um lote de terreno chamado adro das mulheres solteiras destinado a elas, longe da igreja paroquial."

Embora o seu estilo de vida fosse pecaminoso, a Igreja acabava por tolerá-las já que contribuíam para que os bons cristãos evitassem práticas ainda mais imorais como a masturbação e a sodomia. Para além disso eram também uma fonte de rendimento já que os bordéis pagavam imposto ao próprio bispo de Winchester.

Com a proibição da prostituição, já no século XVII, o local foi transformado num cemitério para indigentes até ao seu definitivo encerramento em 1853, passando ao esquecimento.


A sua memória foi recuperada quando, já no século XX, as obras de extensão do metropolitano de Londres permitiram recuperar ossadas de 148 indivíduos diferentes, um deles uma mulher que teria entre 16 e 19 anos e cujo crânio denotava os terríveis efeitos da sífilis. Para preservar a memória dos infelizes que aqui foram enterrados, estima-se que cerca de 15.000, especialmente essas malogradas mulheres, a população local transformou o portão num memorial diante do qual, no dia 23 de cada mês, é realizada uma vigília em memória dos Gansos de Winchester.


sábado, Fevereiro 15, 2014

Sobre as cartas de amor


Há alguns anos, fui convidado a dar uma aula de processamento de texto num curso de informática na zona da Guarda. O grupo era formado por senhoras com idades entre os 40 e os 50 anos, que se estavam a iniciar nas lides dos computadores, e mostraram ser bastante interessadas e voluntariosas.

Como parte da estratégia de motivação inicial, dei o mote para a discussão das vantagens de escrever textos num computador em relação à escrita manual. Tendo recolhido uma série de ideias interessantes, decidi espicaçá-las um pouco:

-"Claro que a escrita manual tem uma grande vantagem sobre a escrita num computador. Sabem qual é?"

Fez-se silêncio durante alguns segundos, enquanto se entreolhavam com ar intrigado, após o que concluí:

-"É muito mais romântico, não acham?"

Por entre as risadas que se seguiram, uma das senhoras tomou a palavra para me dar razão:

-"É sim senhor! Quando o meu marido andava na tropa fartava-se de me escrever cartas. Eu não era capaz de as ler porque não conseguia perceber a letra dele mas adorava recebê-las!"

Imagem: Wikipédia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...