sexta-feira, Outubro 31, 2014

Grandes mudanças e regresso à escrita!

Há já algum tempo que por aqui não escrevia umas linhas mas a vertigem dos acontecimentos dos últimos meses a isso levou. Em questão de apenas 3 meses, a minha realidade alterou-se radicalmente e fez já de 2014 um ano memorável, embora ainda faltem 2 meses para o seu termo e a publicação dos resultados de uma sondagem dando a maioria absoluta ao Passos Coelho e sus muchachos nas próximas legislativas, assim como o anúncio do regresso de José Sócrates às lides políticas, possam ainda acontecer mas eu duvido. Murphy era apenas um pessimista inveterado e não um sádico extremista.

Assim, já casado, com novo emprego e tio de uma sobrinha ansiosa por trocar os Teletubbies pelo visionamento das gloriosas campanhas do FêCêPê na Europa e no Mundo, tenho finalmente algum tempo para debitar umas quantas linhas e até já sei por onde começar.

Nos próximos artigos vou escrever sobre motoristas desenfreados, encontros com animais selvagens, campos de minas, cenários de guerra e sobre uma base militar abandonada na Europa de Leste. Sim, já adivinharam. Vou falar sobre a minha lua-de-mel. 


quinta-feira, Agosto 28, 2014

Ecos da operação de limpeza na Serra da Estrela

Recordam-se da iniciativa de limpeza do lixo existente no cume da Serra da Estrela, realizada em Abril último, e sobre a qual aqui publiquei um artigo? O Urbi et Orbi, o jornal on-line da UBI (Universidade da Beira Interior), publicou na semana passada um artigo sobre esse evento no qual dá a conhecer mais alguns pormenores e testemunhos dos participantes, para além de trazer mais alguma luz sobre o que é afinal essa coisa do "Geocaching". Cliquem sobre a imagem. Vale a pena ler.


quinta-feira, Agosto 21, 2014

A Procissão ao Mar - Viana do Castelo

A Romaria da Senhora da Agonia já começou! Sendo uma romaria com raízes nas tradições piscatórias da região, tendo começado a ser celebrada a partir do século XVIII, é pois natural que um dos seus momentos altos seja mesmo a Procissão ao Mar, uma procissão na qual os andores são transportados em barcos até ao mar e depois pelo estuário do Lima para finalmente, já novamente em terra, percorrerem as ruas da zona ribeirinha de Viana do Castelo sobre os tapetes de sal construídos durante a noite anterior.


Os espectadores vão-se aglomerando ao longo das margens e pelas praias da foz do Rio Lima.



À hora marcada, enquanto decorre a missa, as embarcações vão-se concentrando à saída do porto de pesca. A estátua que simboliza Viana, junto ao forte de Santiago da Barra (século XVI), parece indicar o caminho que vai ser seguido.


Também a zona à volta do Forte de Santiago se vai enchendo de espectadores para assistir à saída da procissão enquanto vão sendo lançados foguetes assinalando os momentos determinantes como o carregar dos andores para as respectivas embarcações. Na foto avista-se a Torre da Roqueta, a primeira fortificação a ser construída neste local e mais tarde incorporada no novo Forte construído no reinado de D.Sebastião e ampliado durante o domínio filipino. Mais atrás avista-se a torre sineira da Igreja de São Domingos.



Mais e mais embarcações vão chegando, algumas bem carregadas como se pode ver nesta foto...



...e também nesta, junto à torre de vigia na entrada do porto de pesca.



Nem só de barcos de pesca e de recreio se faz a procissão.



À medida que o tempo vai passando, os barcos continuam a chegar.



Alguns aproveitam para acostar e promover um animado convívio.



Finalmente, os barcos mais importantes começam a sair do porto. O esmero com que são decorados diz bem do orgulho que a população tem nas suas tradições, e são símbolos da sua própria identidade.



Atrás do primeiro barco, que geralmente transporta as "figuras" da região, seguem as embarcações com os andores que por norma são 4, todos eles de santos ligados à tradição vianense do mar: Senhora de Monserrate, Senhora dos Mares, São Pedro e Senhora da Agonia. Este ano, excepcionalmente e por ocasião do 500º aniversário do seu nascimento, foi incluída a figura de Frei Bartolomeu dos Mártires.



A figura da Senhora da Agonia é sempre a última a sair.



Mal as embarcações que transportam as imagens acabam de passar, são imediatamente seguidas pelas restantes em direcção ao mar. Algumas têm decorações que aludem a um outro tipo de "religião", por assim dizer.



Rumo ao mar! Aparentemente o número de passageiros por embarcação é controlado pelas autoridades. Segundo ouvi, quando os barcos estavam prestes a sair e se abria o acesso às pessoas, havia quem se atirasse para garantir um lugar na procissão, colocando em risco a estabilidade das embarcações pelo elevado número de passageiros.



A procissão segue rumo ao mar, onde um rebocador age como ponto de referência a ser contornado para inflectir rumo ao rio Lima.



Não há icebergues no caminho mas é sempre necessária muita concentração por parte dos pilotos para evitar colisões com outros barcos.



Um dos dois rebocadores da procissão.



A maior ondulação provocada pelo vento diminui quando se entra no Lima.



A falta de um barco a motor não é desculpa para a não participação. Não havendo motor, rema-se! Seja de pé...


...ou sentado.



A visão mais impressionante do porto comercial na entrada do Lima, a corveta NRP Afonso Cerqueira que se fez ouvir à passagem da procissão. Os tripulantes vieram todos à amurada registar o momento para a posteridade.



A ponte Eiffel marcou para nós o fim da procissão. Lançando âncora, aproveitámos para fazer uma simpática merenda ali mesmo no meio do rio Lima.



Para a posteridade fica o registo da tripulação do nosso iate que competiu mano-a-mano com outros iates, catamarãs, traineiras e rebocadores graças ao seu poderoso motor de 8 cavalos pilotado com mestria pelo Capitão Cadilha. Vê-se também quem mais, para além de mim, leva a sério as questões de segurança, apesar de ninguém ter feito a indispensável demonstração inicial das práticas a seguir em caso de emergência.

terça-feira, Agosto 19, 2014

Porque hoje é o dia mundial da fotografia...

...decidi ir fazer o gosto ao dedo esta manhã pelas ruas de Viana do Castelo, juntando ao resultado um ou outro apontamento registado nos últimos dias pelas redondezas. Aqui estão os "bonecos".


Passagem pedonal do Viaduto de Santo António



Antigo mosteiro de Santa Ana (século XVI), adaptado a edifício da Congregação da Caridade após a morte da última freira em 1895.


Capela das Malheiras (século XVIII), mandada construir por D. António Malheiro, bispo do Rio de Janeiro.




A antiga Casa da Câmara e o Chafariz (século XVI) , dois dos elementos dominantes da Praça da República, outrora Campo do Forno, ambos construídos diante da Porta de Santiago das desaparecidas muralhas de Viana do Castelo.



Embora as instalações já mostrem pouco do esplendor de outrora, Mercúrio continua a cumprir com determinação a sua missão de vigiar a rua.


Rosácea entre as flores. A Catedral de Viana do Castelo, construída a partir do século XIV, é a sede da mais recente diocese portuguesa (1977).



Carranca na fachada da Casa dos Arcos ou Casa de João Velho, homem que distinguiu militarmente na Guiné durante o século XV. Nesta casa terá pernoitado o rei D. Manuel I na sua peregrinação a Santiago de Compostela. 



Sim, um cogumelo! Clathus archeri.




Moinho de rodízio junto à ribeira de Portuzelo




A chaminé de uma fábrica abandonada e a vegetação em luta pelas alturas.

sexta-feira, Agosto 15, 2014

A Ponte do Ladrão

Junto à aldeia de Lajeosa do Mondego, no concelho de Celorico da Beira, uma interessante ponte em pedra sobre o rio Mondego quase passa despercebida ao lado do nó de ligação da A25 com o antigo IP5. Trata-se da Ponte do Ladrão, nome curioso mas que, ao contrário do que parece indicar e daquilo que acontece ali bem pertinho, não possui qualquer pórtico de portagem.



Diz a tradição local que, junto à ponte, houve em tempos idos uma estalagem que dava guarida aos viajantes e seria com certeza um descanso bem-vindo por parte de quem percorria a estrada. O pior é que o dono dessa estalagem tinha o desagradável hábito de ficar com alguns pertences dos seus hóspedes como recordação. A estalagem já há muito desapareceu mas a ponte continua de pé, embora com as guardas danificadas.



O selo do infortúnio de parar naquela estalagem "colou-se" à ponte e tornou-se um monumento à infelicidade, tanto que havia quem dissesse de quem não tinha sorte na vida que "mais valia atirar-se da Ponte do Ladrão, coitado".


A data de construção da ponte é incerta mas talvez seja do século XVI ou XVII e a matéria-prima necessária foi obtida no local, tendo em conta as marcas visíveis no terreno. Algumas das marcas de canteiro que possui assemelham-se a algumas que existem hoje na muralha de Trancoso.



quarta-feira, Julho 30, 2014

Memórias de Verdun - 100º aniversário do início da I Guerra Mundial

Numa altura em que se assinala o 100 aniversário do início da I Guerra Mundial, recordo a minha visita a Verdun, então palco de uma encarniçada batalha que durou 10 meses e vitimou quase 700.000 soldados mas que hoje enverga o epíteto de "Capital Mundial da Paz". Este é um túmulo colectivo gigantesco no qual estão sepultados não só soldados mas também povoações e os sonhos de várias gerações. 

A Batalha de Verdun

Uma aldeia de Verdun. Antes e depois.
A Batalha de Verdun é o paradigma da irracionalidade de quem decidiu e dirigiu a I Guerra Mundial. Quando a mobilização geral foi decretada em cada país à medida que as declarações de guerra se iam sucedendo, todos os soldados, comandantes e governantes estavam convencidos de terem a razão e a superioridade do seu lado e de que estariam de regresso a casa antes do Natal. Só que a guerra mudou, prolongou-se, tornou-se uma trituradora de corpos e em 1916 não se via o seu fim.

Usando a racionalidade dos números, o general alemão Falkenhein propôs um plano simples pela sua lógica: se os alemães tinham mais soldados que os franceses, então numa batalha de atrito, havendo igual número de baixas em ambos os lados, os vencedores seriam inevitavelmente os alemães. Escolheu-se o palco para pôr em prática este plano: seria Verdun, espinho cravado na frente de batalha e local sagrado do ideário nacional da França, como Guimarães o é para Portugal. 

A 21 de Fevereiro iniciou-se o ataque alemão com fogo concentrado de 1200 peças de artilharia sobre 10km das linhas francesas. Em 2 dias apenas, caíram sobre o estas mais de 2 milhões de projécteis! Decidido a não ceder, o general Pétain ordenou a resistência a todo o preço, celebrizando a frase "Não passarão!", isto apesar de fortalezas-chave da região terem sido tomadas, algumas delas sem resistência, tal era a desorganização.

Fazendo de Verdun um prelúdio de Estalinegrado, reforços foram sendo continuamente enviados para a linha da frente através da única via de comunicação que não tinha sido cortada pelos alemães, a estrada que receberia a partir daí o nome de "Via Sagrada". Um veículo com tropas a 14 segundos, segundo dizem.

10 meses depois, após inúmeros avanços e recuos, tinham sido restabelecidas de grosso modo as posições do início da batalha. Por nada, tinham morrido cerca de 350.000 franceses e 320.000 alemães e várias povoações tinham sido apagadas do mapa para sempre.

A necrópole e o ossário de Douaumont

Partindo de Douaumont, local dominado pela torre do Ossário, descobre-se a Necrópole Nacional, formada pelo grupo principal de sepulturas individuais e por outros grupos mais pequenos e memoriais que se encontram dispersos um pouco por todo o lado. A torre tem a forma de um projéctil de artilharia e à noite funciona como farol simbólico, sendo visível a muitos quilómetros de distância. Do seu topo domina-se o cenário do antigo campo de batalha

Ao todo e sem distinção de nacionalidades ou religiões encontram-se no ossário restos de cerca de 130.000 soldados recolhidos no campo de batalha até muito depois do fim da Guerra. Sepulturas individuais são mais de 16.000. É difícil explicar o peso que se sente especialmente neste local mas também em cada memorial ou sepultura que se descobre no silêncio da floresta que rodeia o local.

Vista do edifício principal do Ossário para lá do cemitério.


O edifício do Ossário, simbolizando a forma como os soldados franceses deram o peito às balas, formando a barreira que deteve os alemães.


Outra vista do cemitério


Outra ainda


Metade do cemitério vista do alto da torre do Ossário. Há 98 anos atrás todo este cenário era uma paisagem lunar, pintada em cinza e castanho e os bosques tinham desaparecido.

Uma volta pelas redondezas

Partindo do Ossário, sem nenhum objectivo concreto, caminhei pelos bosques dos arredores durante algumas horas. A primeira coisa que notei foi a irregularidade do terreno devido às marcas, já algo esmorecidas, do bombardeamento indiscriminado a que esta zona foi sujeita.
Marcas de crateras sobre uma fortificação subterrânea da qual se avista um respiradouro já bastante exposto.

No meio da vegetação, tropeça-se frequentemente em ferro e betão. É preciso ter em conta que esta era uma região fortificada e que o espaço entre os fortes principais estava preenchido com fortins, abrigos e trincheiras.

A fortificação de Thiaumont é bom um exemplo disso. Situada no ponto máximo do avanço alemão, esta fortificação mudou de mãos mais de 20 vezes antes de ser definitivamente reconquistada em Outubro de 1916. Já pouco sobrava da sua estrutura nessa altura.


Campânula de observação em aço da fortificação de Thiaumont, arrancada da sua base pelo impacto directo de um projéctil de artilharia. 


Outro aspecto da fortificação de Thiaumont, com dois monumentos em memória de soldados que aí perderam a vida.


Um abrigo de infantaria semi-enterrado mostra o resultado do impacto directo de um projéctil de artilharia. A espessa couraça de betão armado foi insuficiente para proteger os soldados que ali estavam abrigados.

Mais à frente um conjunto de 4 respiradouros chamou a minha atenção. Tratava-se do "Abrigo das 4 chaminés", destinado a acolher temporariamente feridos antes de serem enviados para a rectaguarda e a proporcionar abrigo e descanso aos soldados. Não chegou a ser conquistado pelos alemães, pelo menos não inteiramente já que a dada altura, os alemães conseguiram estabelecer uma posição sobre o abrigo que albergava no seu interior muitos soldados franceses.

Os relatos dão conta desse momento delicado. Tendo tomado posição sobre o abrigo, os alemães começaram a lançar granadas e gás pelos respiradouros e tentaram entrar pelas duas entradas do abrigo. Encurralados, os franceses acederam fogueiras sob as chaminés e junto das escadarias para tentar fazer sair o gás pela acção do ar quente e ripostaram com as suas espingardas e metralhadoras às investidas alemãs.

Nem todos tinham infelizmente máscaras de gás e aqueles que as tinham tiveram de ver os seus camaradas agonizar no chão frio das galerias. Os alemães acabaram por ser desalojados pela artilharia francesa que se encontrava no monte oposto e que, ao aperceber-se da situação, disparou sobre o abrigo.


Uma das quatro "chaminés"


Uma das duas entradas do abrigo flanqueadas por sua vez por duas casamatas


Embora o aspecto e os avisos de segurança fossem desencorajadores, a curiosidade foi mais forte e acabei por me aventurar no interior do abrigo


No interior a escuridão é total. Sem lanterna, avancei graças ao flash da máquina fotográfica.


As galerias onde se acumulavam os soldados franceses

O Forte de Douaumont

O forte de Douaumont antes e depois da batalha
Construído para, em conjunto com os fortes próximos de Vaux e Souville servir de ferrolho da região fortificada de Verdun, o caso do forte de Douaumont é bem a prova da desorganização do exército francês perante a ofensiva alemã de 1916, tendo sido tomado sem esforço 4 dias depois do início da ofensiva.

Perante o maciço ataque alemão, o forte que tinha capacidade para 800 homens encontrava-se apenas guarnecido com 60 que, sem conhecimento da situação operacional e sem qualquer comunicação com o restante dispositivo de defesa, se limitavam a disparar os poucos canhões sobre alvos pré-estabelecidos antes dos combates.

Um pequeno grupo de alemães que tinha conseguido escalar a escarpa e chegar ao fosso do forte, percebeu que não havia grande oposição e voltou atrás para chamar reforços. A pequena guarnição foi apanhada de surpresa e rendeu-se sem oposição. 

Em Outubro, o forte voltaria a mudar de mãos sem oferecer resistência quando, após um violento incêndio no seu interior provocados por projécteis de artilharia que tinham conseguido perfurar a sua espessa couraça, os poucos alemães que haviam ficado para trás foram surpreendidos por soldados marroquinos do exército francês e renderam-se por sua vez.


O corpo central do forte em 2007 


A torre eclipsante de canhão de 155mm.


Corredor de acesso ao interior do forte, com chicane de metralhadoras (os dois muros com abertura no centro)


Secção selada após uma explosão provocada por um lança-chamas. Atrás da parede ficaram sepultados quase 700 alemães mortos por essa explosão.

As aldeias "mortas pela França"

Outros monumentos existentes nas redondezas recordam que as vítimas da guerra não são apenas militares. No sector de Verdun a batalha apagou do mapa nada mais nada menos que 9 localidades, 6 das quais nunca voltariam a ser construídas em parte pela dimensão da destruição mas também pela poluição provocada pelas munições utilizadas e pelo risco de existência de projécteis por detonar (ver 1ª imagem deste artigo).

Visitei dois locais onde outrora tinham existido aldeias. A primeira foi Fleury-devant-Douaumont, aldeia que antes da batalha tinha mais de 422 habitantes e que no decurso desta mudou de mãos 16 vezes, tendo por isso ficado em completa ruína. Hoje o local consiste essencialmente numa floresta cujo solo, onde abundam vestígios de materiais de construção, é extremamente irregular devido às crateras resultantes dos constantes bombardeamentos. O único edifício que ali se encontra é a capela de Nossa Senhora da Europa e a povoação continua a ser sede de comuna e tem também um maire (presidente de Câmara), nomeado a título simbólico, embora não tenha qualquer habitante. 


Marco junto à estrada recorda a aldeia desaparecida de Fleury-devant-Douaumont. Este marco foi construído com recurso a restos das casas da aldeia.

No local onde outrora se situavam os principais edifícios da aldeia, encontram-se pequenos marcos a recordar esse facto, neste caso o edifício que servia de câmara municipal e escola. 

 Indicação da orientação da antiga Rua de São Nicolau. No solo irregular são visíveis os restos de materiais de construção daquilo que foi outrora a aldeia.



A outra aldeia que visitei foi a de Douaumont, situada em frente ao forte com o mesmo nome, cuja recordação se fez pela colocação de marcos com os nomes dos habitantes e respectivas profissões ao longo da estrada. Também os edifícios mais importantes e as fontes são evocadas nesta alameda de memórias.

Uma capela, único edifício actualmente existente no local, ergue-se para assinalar o local onde outrora existiu a igreja da aldeia e é aqui que anualmente, no 2º Domingo de Outubro, se realiza uma missa em memória dos caídos à qual assistem os descendentes dos antigos habitantes de Douaumont.


Entrada em Douaumont, outra "aldeia morta pela França"



A rua onde se recordam alguns dos seus 288 habitantes

Em memória do Sr. Théophile Lamorlette, tecelão de profissão.


A Trincheira das Baionetas, da lenda à realidade

A certa altura fui parar a um memorial invulgar, a Trincheira das Baionetas. Trata-se de uma estrutura em betão armado construída por iniciativa estado-unidense como memorial em honra dos soldados mortos na I Guerra Mundial neste local como refere a inscrição sobre a entrada.

"Em memória dos soldados franceses que dormem de pé com a espingarda na mão nesta trincheira, (pel)os seus irmãos da América"

Um panfleto que tinha recolhido num museu ali perto conta a história desta trincheira. Os soldados franceses estavam aqui prontos, com a espingarda na mão, para carregarem sobre os alemães quando um tiro certeiro de artilharia alemã os enterrou vivos, deixando apenas as baionetas expostas como marcas de uma sepultura imprevista.

Na verdade a história é muito menos heróica e situa-se num nível diferente de tragédia. Tratava-se afinal de uma vala comum na qual foram enterrados alguns soldados, tendo as espingardas sido usadas para marcar o local de enterramento de cada um deles. A evocação heróica e patriótica da valentia dos soldados franceses encarregou-se depois de dar um tom romântico à história.


As sepulturas da Trincheira das Baionetas. Estas últimas entretanto já desapareceram e apenas se vê a ponta da espingarda perto de cada cruz. Ao todos havia nesta vala 21 soldados. 14 foram trasladados para a necrópole de Douaumont.

O memorial não é só local de morte mas também de vida, tendo em conta a pequena colónia de morcegos que aqui encontrou as condições ideais para se abrigar.

Outros monumentos

Como referi, na região de Verdun abundam os locais de memória dos que tombaram durante a I Guerra Mundial. É claro que Verdun é um local emblemático pelo seu significado na construção da identidade francesa e por isso terá um valor simbólico acrescido mas também é importante referir que não faltam cemitérios e monumentos noutras paragens do Nordeste. Isto para não falar dos monumentos em honra dos mortos da I Guerra que existem em praticamente todas as localidades de França, com maior ou menor modéstia, aos quais foi depois acrescentada a referência aos mortos da II Guerra.

Dos memoriais que encontrei à volta do Ossário, eis os que me pareceram mais interessantes:


Monumento em memória dos 28.000 soldados muçulmanos mortos em combate, principalmente forças coloniais magrebinas e senegalesas. Construído em apenas 3 meses de 2006, foi no entanto necessário proceder previamente à desminagem do terreno. Nesse trabalho foram encontradas 219 munições (balas, obuses e granadas) assim como os restos mortais de um soldado cuja identidade (e religião) se desconhece.



Inaugurado em 1938, o memorial domina a secção do cemitério onde estão sepultados alguns dos muitos soldados judeus caídos no campo de batalha. Judeus e muçulmanos morreram e foram aqui sepultados de igual forma e não constam que se dêem mal.



Monumento a André Thome, deputado que abdicou da possibilidade de não ser incorporado conferida pelo seu estatuto de político para se voluntariar para a frente de combate. Morreu em Verdun a 10 de Março de 1916 com 36 anos de idade.



Monumento a André Maginot, deputado de Bar-le-Duc e ministro, que se alistou voluntariamente como soldado raso tendo sido ferido num joelho em combate. Como Ministro da Guerra, foi grande defensor da construção de uma fronteira fortificada com a Alemanha que viria a ser chamada de Linha Maginot. De pouco serviria durante a II Guerra Mundial (ver aqui artigo sobre a visita ao impressionante forte Hackenberg).


Um covilhanense morto em Verdun

Nos arquivos do Ministério da Defesa de França, é possível encontrar uma relação dos soldados mortos em Verdun. Entre eles encontram-se muitos portugueses mas um deles chamou-me a atenção. Trata-se de um tal de Jean Georges Haudecoeur, cabo do 165º Regimento de Infantaria, falecido no hospital militar de Verdun na sequência de ferimentos sofridos em combate 4 em Setembro de 1914, portanto logo nos primeiros combates da I Guerra. Curiosamente, embora tenha um nome francês, o registo de óbito aponta-o como tendo nascido em Portugal, mais precisamente em "Covilhan". 



Imagem aérea: Fórum AR15.com, Strange Military
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...