quarta-feira, junho 30, 2010

Resumo da participação de Portugal no Campeonato do Mundo de futebol 2010

terça-feira, junho 29, 2010

Finalmente gosto de uma 1ª página do 24 Horas!

É irónico que agora, quando após tanto tempo começo a gostar do tablóide, ele chegue ao fim...

A BP mostra como lidar com um derrame de café

A BP tem vindo a dar nas vistas pela eficácia com que tem combatido o derrame de crude no Golfo do México, mostrando ser uma empresa multinacional tão íntegra quanto sólida e com planos de contingência extremamente bem elaborados e minuciosos.

Toda essa minúcia e a astúcia da BP estão aliás omnipresentes em todos os aspectos do trabalho diário da empresa, como mostra o vídeo que se segue. Nele, uma reunião de administradores da BP é subitamente interrompida por um derrame de café. Com o tempo a escassear e o café a alastrar pela mesa, os administradores vão usar as mesmas técnicas que fizeram furor no Golfo do México para conter a ameaça. Vale a pena ver! Infelizmente, o vídeo não é legendado.


sexta-feira, junho 25, 2010

T-Shirts Moda Verão 2010 - Chegaram as vuvuzelas!

Graças à preciosa dica do Sorrisos Em Alta , via Facebook, chega-nos esta original sugestão de moda para este Verão (isto é, passe a redundância, se o Verão realmente chegar a chegar). Um toque de humor e, dizem alguns, quiçá alguma malandrice, ideal para um passeio à beira mar ou para beber um copo com os amigos numa esplanada e que promete fazer sucesso!

O lado menos bom é que o portador da t-shirt arrisca-se a passar a ser conhecido como o "Vuvuzelas".

quarta-feira, junho 23, 2010

Sai uma posta de parabenização com amizade sincera!

Soube-se hoje que o crédito mal parado aumentou 18% em Abril último, enquanto, noutro sector, a Telefonica vendeu 8 dos 10% que detém da PT. Noutras paragens, a Selecção francesa se não o fez já, deverá estar a embarcar de regresso a França após uma participação memorável no campeonato do Mundo.

Mas o que é que isto tem a ver com o título deste artigo? Absolutamente nada. Eu é que não estou hoje muito inspirado para fazer abordagens introdutórias, pelo que vou desde já passar ao que interessa.

Para a nossa Sete Luas, uma grande beijoca de parabenização com amizade sincera e na graça do Senhor por mais esta Primavera!!! Parabéns!!!!





Um grande beijinho!

terça-feira, junho 22, 2010

Porque há ruínas que não servem para o Turismo

Portugal tem inúmeros locais de elevado interesse turístico, sejam eles de interesse natural, paisagístico, monumental ou arqueológico.

Determinante na promoção da oferta turística tem sido a acção do Turismo de Portugal, criador de conceitos tão revolucionários como o sui generis Allgarve, reinventando toda uma região para grande orgulho dos allgarvios, ou de roteiros que comparam uma viagem entre Alcobaça e Tomar à saga da Demanda do Graal.

Evidentemente, também é feita a promoção de vários conjuntos de ruínas, como Conímbriga e Briteiros entre outros. Agora, o que poucos sabiam, é que o Turismo de Portugal também faz questão de assinalar as ruínas que não devem ser visitadas. Isso mesmo pôde ser constatado durante uma das últimas chuvadas na distinta vila de Caria, conforme se apresenta nos instantâneos abaixo. Quem, motivado pela obsessão em visitar ruínas, se pudesse sentir tentado a explorar este novo conjunto, depressa era demovido pela mensagem taxativa que rodeava o local.

Quem disse que a minúcia é um dom exclusivo dos germânicos?



Este autor agradece à sua entidade patronal o gentil fornecimento destes instantâneos, obtidos nitidamente através de uma invulgar mestria e com um enquadramento e uma luminosidade notáveis.

domingo, junho 20, 2010

Saramago - Faleceu o populista extremista e ideólogo anti-religioso mais famoso de Portugal


Nunca li qualquer obra de Saramago tal como nunca assisti a qualquer filme de Manoel de Oliveira. Bom, talvez não seja bem verdade pois, há uns tempos atrás, ainda li algumas linhas de um dos seus livros mas parei na altura em que os cães, sem cordas vocais, começaram a ladrar ao mesmo tempo que alguém a 1.000 km dali riscava o chão com um pau. Depois disso, a minha leitura foi circunstancialmente interrompida até hoje pelo que, em termos de ranking pessoal de leitura, Saramago é batido largamente por exemplo pela Enid Blyton e pelo Destak.

Não será por isso por ser fã da sua obra literária que lamentarei a morte de Saramago. Admirava-o sim, embora consciente do cunho da subjectividade das suas convicções políticas, pelo facto de dizer tudo o que lhe ia na cabeça de forma directa e sem falsas moralidades, afrontando os dogmas instituídos. Saramago era uma pessoa tão atentatória à moral que se atreveu inclusive a dizer que Jesus tinha dado uns valentes amassos a Maria Madalena (ou ao contrário), sendo por isso considerado persona non grata por vários sectores da sociedade portuguesa e pelo próprio Vaticano.

Aliás, este último ponto não é novidade nenhuma. O Vaticano tem esta tendência de condenar à viva voz aqueles que se atrevem a diferir, em termos comportamentais, da generalidade do gado ovino. Quando se fala de comunismo (estou neste momento a benzer-me repetidamente e vou inclusive efectuar já de seguida a aplicação de desinfectante que sobrou da pandemia da Gripe A, nas mãos) então até o tecto da Capela Sistina estala.

É certo que um grupo de homens, todos eles envergando vestidos, que vivem trancados, a maior parte deles já entradotes, e guardados com afinco por jovens de trajes coloridos e sotaque germânico não pode ser um grupo bem disposto e por isso, dou-lhes um desconto. Aliás, estimo que o nível de humor no seio do Vaticano terá melhorado significativamente com a morte, segundo o l' Osservatore Romano, deste populista extremista e ideólogo anti-religioso seguidor das políticas marxistas (estou a benzer-me outra vez repetidamente e vou novamente desinfectar as mãos). Adiante.

Voltando a Saramago, a maior influência que este teve na minha vida foi provavelmente ter-me feito perceber que a palavra Nobel se lê "Nobél" e não "Nóbel" isto para além do orgulho de viver num país que, passados quase 50 anos depois de um médico ter descoberto que retirando parte do cérebro a um indivíduo este ficará muito mais sossegado, voltava a receber o prestigiado galardão sueco.

Fica na retina o reconhecimento do país a Saramago, desde a classe política (nada como morrer para mudar a reputação de um indivíduo) até ao cidadão anónimo, e com um aparato dos media tal que, tendo sido apanhado desprevenido pela transmissão televisiva das exéquias do autor, cheguei a pensar que o Papa estivesse de volta.

Isto poderá parecer muita prosa para quem só leu Saramago até à parte em que os cães, sem cordas vocais, começaram a ladrar ao mesmo tempo que alguém a 1.000 km dali riscava o chão com um pau mas, ao fim e ao cabo, nem precisaria de ter lido absolutamente nada para ter algo a dizer. Que o diga a senhora que falou para a repórter de um canal de televisão dizendo que estava ali para dar o último adeus ao autor, isto apesar de nunca ter lido qualquer livro uma vez que padecia de uma dificuldade que era a seguinte: não sabia ler. Apesar de tudo, tinha uma familiar que tinha muitos livros de Saramago e eram, segundo a senhora e em tom de voz muito sentido e grave "livros lindos".

Até sempre Saramago! Espero que não sejas alvo de bullying, aí desse lado, por parte do Abel e do seu gang, ao serviço do Maior.

sexta-feira, junho 18, 2010

Divulgação: Caminheiros do Fundão - Noite de São João 2010


Recebemos da parte dos Caminheiros da Gardunha o seguinte pedido de divulgação:

Os Caminheiros da Gardunha organizam, no próximo dia 23 de Junho (4ª. Feira), o tradicional arraial popular na Noite de S. João.

A Noite de S. João, no Largo dos Caminheiros da Gardunha, que já faz parte da noite dos fundanenses terá, como habitualmente, para o convívio e a confraternização, a sardinha assada, a febra, a entremeada, o caldo verde, a broa, a salada de tomate, os pimentos assados e o bom vinho do Fundão e muita animação com o grupo musical Duo Musical DRT, o Grupo de Cantares da Senhora do Mosteiro (Freixial – Telhado) e insufláveis para as crianças

quarta-feira, junho 16, 2010

Na festa da Cereja 2010 - Alcongosta, Fundão (com fotografias do certame e tudo!)


A aldeia de Alcongosta encheu-se -e de que maneira!- para mais uma Festa da Cereja, apesar da crise de produção, festa que, de acordo com a organização, superou largamente as expectativas. Como não podia deixar de ser, o Núcleo Duro do Blog do Katano foi averiguar
in loco a qualidade das festividades.

Logo à chegada, deparámo-nos com um tremendo engarrafamento no acesso à aldeia, onde um nosso bem conhecido guarda da GNR procurava desesperadamente disciplinar o condutor idoso de um Aixam que teimava em não encostar para permitir a passagem dos autocarros que saíam da aldeia, alegando que não tinha nada que encostar ali pois morava muito mais "lá para cima". Após muita insistência, a situação foi finalmente desbloqueada e não foi por isso necessário seguir o conselho de uma habitante local indignada que, do alto da sua janela, nos apelou de viva voz que informássemos a GNR que a sua rua constituía a solução ideal para resolver aquele impasse na circulação automóvel.

Finalmente em condições de aderir à festa, encontrámos as ruas de Alcongosta animadas por um verdadeiro mar de gente que conferia uma animação inusitada à localidade.








No palco, instalado diante da interessante igreja de Alcongosta, os Lucky Duckies promoviam uma certa nostalgia evocando o "good old Rock n'Roll" ao qual ninguém ficou indiferente. Grandes vozes!




Do nosso enviado especial no dia anterior, ficam também algumas imagens da actuação da Farra Fanfarra que, pelos vistos, fez sensação.




É claro que isto da música é tudo muito bonito, sim senhor, mas o principal motivo que leva qualquer pessoa à Festa da Cereja é indubitavelmente as tasquin..., perdão, a panóplia de deliciosos produtos regionais derivados da não menos deliciosa cereja do Fundão. Sendo assim, dirigimo-nos aos locais onde toda a verdadeira acção estava a decorrer.


O percurso não foi nada fácil até porque, para além do facto salientado e bem pelo grande Jerónimo, o Bob Dylan português, Alcongosta ser uma localidade cheia de rampas, tanto a subir como a descer, foram frequentes as paragens aqui e ali para atestar a qualidade dos produtos regionais.

Entretanto, um dos elementos da comitiva decidiu divergir um pouco da tendência geral, tendo adquirido um produto da forte tradição da cestaria de Alcongosta. Perante a mais que evidente alegria perante a aquisição do item, não houve coragem para chamar a atenção para o facto de a cestaria de Alcongosta não ser propriamente vocacionada para a protecção craniana. Quem ficou confuso perante a visão foi o indivíduo que se encontra em 2º plano e que observa com ar interrogativo o petisco que tem na mão, como que suspeitando de um possível teor alcoólico do mesmo.


No Salão da Junta de Freguesia, fomos encontrar a nossa bem conhecida D. Etelvina, do Restaurante "As Tílias". Embora vários membros estivessem dispostos a, passe a expressão, "enfardar como se não houvesse amanhã", cedo se viram confrontados com uma preocupante limitação orçamental que restringiu o leque de escolhas a um rissol de leitão ou um pastel de bacalhau. Após uma colecta entre os membros do grupo, e numa atitude de pura ostentação, a escolha recaiu num rissol de leitão. É também possível ver na foto seguinte o desinteresse do nosso fotógrafo oficial relativamente ao campo da alimentação tendo, qual perdigueiro, centrado todas as suas atenções noutro sector da oferta local.


A meio do seu Ice-Tea caseiro de cereja, o ar desconfiado parece no entanto indiciar o emergir de um velho trauma. Será que entre os ingredientes não divulgados da bebida se inclui o infame absinto?



À mesa, por generosidade da anfitriã, acabou por chegar um bolo de cereja com óptimo aspecto. Aproveitando um momento em que todos faziam a sua melhor pose para mais um instantâneo, um elemento não identificado da comitiva decidiu, numa clara evocação da honra de Almaceda, apropriar-se do último pedaço do dito bolo, tudo à luz da louvável intenção de evitar conflitos desagradáveis entre os presentes.


No entanto, apesar do bolo ter um óptimo aspecto, a desconfiança é um estado humano natural perante ofertas generosas e, pelo sim pelo não, recorreu-se aos serviços improvisados de provador da primeira pessoa que apareceu que, por acaso, até era a autora da receita.


A confirmação de que a tez e a disposição da provadora não tinham sofrido qualquer alteração foi a luz verde para a deglutição do pedacinho de bolo que, pelos vistos, estava delicioso!


A participação na Festa da Cereja 2010 encerrou-se com mais uma ronda pelas tasquin..., perdão, pela apreciação dos produtos regionais derivados da deliciosa Cereja do Fundão, numa altura em que a circulação pelas ruas começava já a ser mais fácil.

Fica desde já marcado o encontro para a Festa da Cereja 2011 com a perspectiva de um notável simultâneo Encontra-a-Funda!

Depois dos estabelecimentos livres de fumo, eis os estabelecimentos livres de vuvuzelas

No Fundão há quem leve a sério as questões ambientais. Depois de, por Decreto-Lei, ter sido permitido ao cidadão comum, cioso da sua saúde respiratória, encontrar espaços livres de fumo, eis que surgem agora, por auto-regulamentação, os espaços livres de vuvuzelas.

O aviso torna-se mais interessante ainda pelo facto de um cidadão anónimo, quiçá abespinhado pelo impedimento de bufar na sua vuvuzela de estimação e detentor de um sentimento de certeza do domínio da ortografia acima da média, achar que "vuvuzela" se escreve "vouvuzela" e não se ter coibido de corrigir o neo-substantivo no aviso.

Quem quiser preservar a sua saúde auditiva enquanto degusta um belo prato de caracóis, já sabe. Este é o local certo!

A casa sugere ainda as seguintes leituras relacionadas:

terça-feira, junho 15, 2010

Um alemão terá conseguido (finalmente) silenciar as vuvuzelas

Mais do que pela relva seca, mais do que pelos jornalistas aliviados do seu equipamento, mais do que pelas madeixas do Fábio Coentrão, este Campeonato do Mundo de Futebol será para sempre recordado pelo infame som das vuvuzelas.

Como se não bastasse o irritante "Puééééééé!" que emana dos televisores e se entranha no cérebro dos espectadores durante as transmissões televisivas dos jogos, um certa empresa petrolífera nacional decidiu rivalizar com uma sua congénere britânica, em termos de catástrofes poluentes, e começou a distribuir os ditos instrumentos de tortura nos seus postos de abastecimento.

Ora, quando parecia que nada poderia travar este vil tormento, um tão oportuno quanto genial cidadão de origem alemã de nome Clemence Schlieweis, irrompeu do anonimato para alegadamente, qual Prometeu dos tempos modernos, agraciar a humanidade com aquilo que se pode chamar de "Silenciador de Vuvuzelas" para as transmissões televisivas dos jogos.

Teoricamente, o princípio é simples: gerar um som de amplitude idêntica mas inverso ao das vuvuzelas e reproduzi-lo junto às colunas do televisor. O resultado é um jogo em tudo idêntico ao normal... mas sem aquele irritante som que coloca todos os outros como sons de fundo.

O único senão é que esta solução apenas se aplica às transmissões televisivas e não aos vizinhos e transeuntes que encontram no acto de bufar na vuvuzela uma aparente fonte de prazer. Nestes casos continua a ser mais eficaz o uso de sal ou chumbo em forma de projéctil.

A solução já está disponível na web ao preço módico de 3 euros. Será que vai ultrapassar o volume de negócios das vuvuzelas que, actualmente, constitui uma indústria de 6,45 milhões de dólares?

segunda-feira, junho 14, 2010

Funeral à Chuva - um filme que vale a pena ver, F#$%-##!


Na Sexta-feira à noite, um pouco por acaso, acabámos por ir ao cinema. Entre o "Príncipe da Pérsia", o "Sexo e a Cidade 2", "Ex-Mulher Procura-se" e "um Funeral à Chuva", de forma quase natural, a escolha acabou por recair neste último. Para além de haver pouco interesse nos outros, havia ainda, desde há muito, uma enorme curiosidade em ver este filme. Não me levem a mal se disser que foi uma estreia para mim ver um filme português no cinema mas sucede que não sou propriamente o tipo de pessoa que acha que ver a peitaça da Soraia Chaves justifica um bilhete de cinema. Está bem que é uma peitaça bem cuidada mas, daí até pagar para a ver, vai uma grande distância.

Quanto ao Funeral à Chuva, foi sem dúvida uma bela surpresa, começando no interesse que este despertou visto que a sala estava cheia e até alguns "ubianos" fizeram questão de ir assistir envergando o traje académico. A história do filme é tão simples quanto envolvente: um grupo de amigos de faculdade volta a encontrar-se, 10 anos mais tarde, na Covilhã, cidade onde estudaram, por ocasião do funeral de um outro amigo, o João. Procurando eternizar o momento, começam a recordar os seus tempos de estudante na cidade-neve embarcando ao mesmo tempo numa jornada de redescoberta, isto enquanto vão deixando cair as máscaras que a sociedade lentamente lhes foi impondo.

Um dos grandes trunfos do filme é a forma fácil como consegue fazer os espectadores alternar entre sentimentos, sendo capaz tanto de provocar enormes gargalhadas como de comover a plateia, tudo isto enquanto vai despertando um profundo sentimento de saudosismo da saudável loucura dos tempos estudantis.

O facto do João ser o morto mais saudável que já tive a oportunidade de ver no grande ecrã acaba por ser um pormenor de somenos importância. O que fica é um filme muito bem conseguido que, enquanto nos leva numa viagem de revisitação de sentimentos e de lugares, promove ao mesmo tempo uma importante reflexão sobre o real valor da amizade e, também, sobre a forma como as pessoas que vamos conhecendo são capazes de marcar a nossa vida sem que disso nos apercebamos.

Parabéns a todos os que participaram e contribuíram para a realização deste filme e, para quem ainda não viu, há que dizer: F###-##! C######! Vão ver o filme!


domingo, junho 13, 2010

Querida, quitei o GPS!

Ultimamente, ao procurar fazer a actualização do meu aparelho de GPS andorrano já com vista às próximas férias, tenho descoberto alguns pormenores interessantes acerca do mesmo, tendo já conseguido fazer dele um leitor de filmes avi e mpg, por exemplo.

Entretanto, aproveitei também para... "personalizar" alguns dos seus aspectos. Cá entre nós, este ecrã intermédio de espera de sintonização do aparelho com os satélites tem agora muito mais piada do que o insípido ecrã que a Becker tinha originalmente implementado. Tem ou não tem?


sexta-feira, junho 11, 2010

A melhor (e mais mortífera) piada do Mundo

Em profundo espírito de solidariedade para com todos aqueles bravos que, sensibilizados pelo discurso do nosso Presidente da República, abdicaram hoje, em prol da produtividade nacional, do exercício dessa infame figura institucionalizada que é a "ponte", partilho aqui um momento de boa disposição para alívio humorístico e entretenimento dos leitores.

Trata-se de um sketch dos incomparáveis Monty Python no qual se conta a história de uma das mais letais armas de guerra jamais desenvolvidas e mais tarde banida por uma sessão especial da Convenção de Genebra: a piada mais engraçada do Mundo.

Advertem-se todos os leitores germanófonos para os perigos do visionamento deste sketch. Podem insistir em vê-lo, é claro, mas o Blog do Katano não se responsabiliza por qualquer dano pessoal daí decorrente.



PS - O meu alemão está ultimamente algo ferrugento pelo que o significado da piada me escapa mas pelo nível de riso presumo que seja algo como -"Oh Sócrates, tu vais aumentar os impostos?" -"Claro que não! O país está a melhorar a olhos vistos!".

quarta-feira, junho 09, 2010

Festa da Cereja 2010 - Alcongosta, Fundão


Tem início já amanhã a Festa da Cereja na aldeia de Alcongosta, em plena encosta da Serra da Gardunha e centro privilegiado de produção da famosa cereja do Fundão.

Até Domingo, a aldeia irá encher-se de vida, sendo palco de concertos e animação de rua. Os mais de 25.000 visitantes esperados poderão apreciar uma enorme variedade de produtos à base da cereja nas 60 tasquinhas distribuídas pelas ruas da aldeia, este ano organizadas por cores.

Num fim-de-semana para muitos prolongado, não há desculpa para faltar a esta festa até porque, ainda por cima, disponibilizamos um mapa da localização da aldeia para se orientarem:


PROGRAMA

Dia 10

Todo o dia, animação de rua:
Bombos de Alcongosta
Bombos de Souto da Casa
Acordeonistas da Beira Baixa
Grupo de Cantares da Barroca
Grupo de Cantares Senhora do Mosteiro
Grupo de Cantares de Alpedrinha
Grupo de Cantares Ponto e Linha

Dia 11

Todo o dia, animação de rua
Bombos de Alcongosta
Grupo de Cantares da Escola Secundária do Fundão
Grupo de Musica Popular as Sementinhas do Centro de Dia do Castelejo

22H00 | Concerto
Farra fanfarra

Dia 12

Todo o dia, animação de rua
Bombos do Alcaide
Bombos de Lavacolhos
Bombos “Trinta por uma linha”
Grupo de Cavaquinhos “Selectos em dó menor”
Pífaradas do Alvaro
Sacábuxa
Associação de Bombos, Cult. Lazer S. Sebastião (Barco)
Alunos Escola Tecn. Artística e Profissional de Nisa

16H00 | Demonstração de cocktails de cereja pela Esc. Prof. do Fundão

22H00 | Concerto The Lucky Duckies

Dia 13

9h00 | Passeio Pedestre Casas do Benfica na rota da cereja
Concentração: Largo principal - Alcongosta
Inscrições: 961 897 702 / 964 445 640
Organização - Casa do Benfica Fundão / apoio - Caminheiros da Gardunha

9h30 | Passeio motard “Os Trinca Cerejas”
Concentração: Junto ao Tribunal do Fundão
Inscrições: 965 420 172

Todo o dia, animação de rua
Grupo de Bombos da Capinha
Pífaradas do Álvaro
Escola Tecn. Artística e Prof. Nisa

22H00 | Concerto
Banda Filarmónica União de Santa Cruz


Mais imagens e informações sobre a festa e sobre Alcongosta:

terça-feira, junho 08, 2010

E elas lá casaram...!


Ontem, Segunda-feira 7 de Junho de 2010 - um dia que viverá na infâmia - duas senhoras resolveram casar, por intermédio do Registo Civil, sob o olhar atento de um país em estado de choque, habituado que estava a uma vivência recta e em observância dos ditames da mais pura e casta moral.

Enquanto tomava café, a minha atenção desviou-se do ecrã da televisão, onde o evento estava a ser transmitido, e centrou-se nos indivíduos que, com o músculo pancips encostado ao balcão, observavam siderados o acontecimento e a desfaçatez daquelas moças com idade para ter juízo e que, em vez de mostrarem um ar grave próprio de quem é responsável pelas grandes tragédias da humanidade, aparentavam pelo contrário um inexplicável estado de felicidade.

O gesto de abanar a cabeça em clara reprovação, acompanhado pela frase "Olha-me para aquele espectáculo...", precedida, como mandam as regras, por uma expressão tirada do mais puro vernáculo popular, não deixavam dúvidas. Aqueles indivíduos faziam parte do grosso da população cuja existência estava a partir daquele momento irremediavelmente conspurcada e despojada de motivos que justificassem a sua continuidade, restando-lhes apenas o aguardar da concretização do anunciado pelo Apóstolo João, o Evangelista.

Quanto a mim, consumado que está o casamento entre estas duas senhoras, ainda não descortinei qualquer sinal do início do Apocalipse mas garanto que continuarei atento. Já vi filmes suficientes para saber que, isto do fim do Mundo, acontece quando menos esperamos.


segunda-feira, junho 07, 2010

Sugiram um título para esta foto!

Durante a recente caminhada ao Cabeço das Fráguas, captei este peculiar instantâneo acerca do qual lanço aqui um desafio. Alguém quer sugerir um título para esta foto? Ideias não devem faltar...

Vencedores:
"Bem Me Quer" por Linda Martins
"Desflorar" por Pedro Brito

sexta-feira, junho 04, 2010

Faleceu João Aguiar - A cultura portuguesa ficou mais pobre

Sendo seu grande admirador, foi com grande tristeza que tive ontem conhecimento da morte de João Aguiar, vencido por um cancro aos 66 anos.

Aguiar era um grande defensor da cultura portuguesa sendo, em contraponto, um profundo crítico da facilidade com que a população portuguesa tem tendência a assimilar tudo o que é estrangeirismo em detrimento daquilo que "é nosso".

Magoava-o o desrespeito pela escrita da Língua Portuguesa, progressivamente conspurcada por corpos estranhos e cada vez menos praticada com correcção. Aliás, como disse Alice Vieira, grande amiga de Aguiar, este era uma pessoa extremamente calma e a única coisa que o irritava era os erros de português.

Com publicação em Espanha, França, Itália, Alemanha e Bulgária, Aguiar deixa atrás de si um apreciável rol de obras destacando-se na ficção histórica, através da qual procurou retratar com rigor a realidade da Antiguidade no espaço territorial do Portugal actual. O seu último livro, "O Priorado do Cifrão", é, por outro lado, uma crítica mordaz e irónica aos "best sellers" instantâneos e aos seus sucedâneos, numa alusão clara ao "Código Da Vinci".

Com o seu desaparecimento, a cultura portuguesa fica mais pobre e, ao mesmo tempo, perde um dos seus mais acérrimos defensores.

Artigos relacionados:

terça-feira, junho 01, 2010

Continua a Guerra das Vuvuzelas na Wikipédia

Lembram-se de quando, num artigo anterior, referi a informação sui generis contida na página da Wikipédia dedicada às vuvuzelas? Desde então as posições acerca destes particularmente irritantes instrumentos produtos de ruído parecem extremado e as actualizações dessa página têm-se sucedido de forma bastante animada.

Se há 2 ou 3 dias atrás a informação contida na página era bastante depreciativa, quer para as vuvuzelas, quer para a Galp, a informação hoje apresentada revela um claro cunho de marketing, como se alguém da própria petrolífera se tivesse sentado diante de um computador e inserido essa informação. Teorias da conspiração, eu sei.

Curioso episódio em que se vê envolvida esta empresa que, não contente por ir aos bolsos dos automobilistas, parece agora estar também apostada em atentar contra os tímpanos da população em geral.

Cliquem nas imagens para ampliar:


Anteontem


Hoje

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...