terça-feira, novembro 29, 2011

Como evitar as portagens na A23 entre Torres Novas e Castelo Branco

 

Como prometido, na continuação do artigo anterior onde apresentei as alternativas à A23 entre Castelo Branco e Guarda (clicar aqui para ler), apresento-vos hoje os mapas de localização dos troços pagos no troço Castelo Branco – Torres Novas.

Não tive ocasião ainda de testar algumas das sugestões de alternativa. Sendo assim, estou receptivo a sugestões que possam ajudar a optimizar o percurso para que este seja efectuado na forma mais económica possível.

Este artigo utiliza os preços de referência que se encontravam afixados junto aos pórticos até há cerca de duas semanas atrás e que a empresa concessionária fez questão de tapar.

Troço 1 - Torres Novas – Abrantes Oeste
Nº de pórticos: 3 – Custo total: 3,30€ (1,20€ + 1,10€ + 1,00€)

Para quem viajar de Torres Novas para Abrantes, a “fuga” à A23 obrigará a passar por algumas localidades, sendo que o mais inconveniente será mesmo a passagem pelo Entroncamento. No resto, saindo da A1, a tal autoestrada que é mais barata que a A23 porque no interior o rendimento per capita é de 60% da média nacional e a riqueza está concentrada no litoral (não fui eu quem inventou esta lógica), é necessário sair logo na primeira saída, a da Zibreira, seguindo depois pela Variante em direcção a Torres Novas, onde se poderá entrar novamente na A23 até ao Entroncamento.

Entrando no Entroncamento (cuidado com os fenómenos!), a opção é atravessa a povoação, rumo a Este, até ao IC3 que leva de novo à A23, no nó de Atalaia. Daqui até ao nó de Constância Centro não se encontram mais portagens.

Entre este último nó e Montalvo há mais um pórtico pelo que se deverá deixar a A23 no nó de Constância Centro e seguir para Oeste, circundando a povoação de Montalvo. De novo na A23, segue-se um curto percurso até Abrantes Oeste onde se deverá novamente deixar a A23, entrando em Abrantes.

 Clicar para abrir o mapa e depois usar o zoom para ver melhor1-TN-MONTALVO

 

Troço 2 - Abrantes Oeste - Envendos
Nº de pórticos: 3 – Custo total: 3,65€ (1,10€ + 1,30€ + 1,25€)

Atravessando Abrantes, deve-se apanhar a N2 para entrar novamente na A23 no nó de Abrantes Oeste, viajando depois até Mouriscas (Quem se lembra dos tempos em que a autoestrada aqui terminava?). Simbolicamente, deve-se sair outra vez em Mouriscas, seguindo a N358 e virando depois no sentido de Alvega-Ortiga, passando pelo Outerinho. A estrada aqui poderá não ser muito boa… O regresso à A23 faz-se no nó de Mação via N3-12, para voltar a sair na saída 13, no nó de Belver / Gavião.

A minha sugestão é seguir pela N3 até Vale de Coelho e, embora no mapa se proponha a EM 597 até ao nó 14 da A23, a escolha mais adequada será talvez seguir pela N3 até Envendos, voltando depois para a A23 pela N359.

Clicar para abrir o mapa e depois usar o zoom para ver melhor

2-MONTALVO-ENVENDOS

 

Troço 3 – Envendos – Perdigão (Sertã)
Nº de pórticos: 1 – Custo total: 1,35

Num troço relativamente “pacífico”, tendo entrado no acesso 14 em Envendos, só será necessário sair no nó de Fratel (17), seguindo depois rumo a Vilar de Boi e depois até ao nó de Perdigão, um pouco mais à frente. Daqui até ao nó de Vila Velha de Ródão é um pulinho… infelizmente. 

3-ENVENDOS-FIGFOZ

 

Troço 4 – Perdigão (Sertã) – Retaxo /Sarnadas
Nº de pórticos: 2 – Custo total: 2,35€ (1,45€ + 0,90€)

A partir de Vila Velha de Ródão, a alternativa mais lógica será a N3 até Castelo Branco, passando perto de Vale do Homem e por Sarnadas, rumo a Castelo Branco. Confesso que não passo por aqui há já muito tempo mas presumo que seja muito melhor que as alternativas anteriores na zona de Envendos.

Chegados a Castelo Branco e rumando para Norte, será muito mais fácil circular pelas alternativas aos troços portajados da A23 do que o foi até aqui.

4-FIGFOZ-RETAXO 

Resumindo:

Não é tão fácil fazer o percurso entre Torres Novas e Castelo Branco como o é entre Castelo Branco e a Guarda, em termos de alternativas. Estradas sinuosas e passagem pelo centro de localidades poderão levar-nos a pensar duas vezes em relação a optar ou não pelas “alternativas”, até porque os preços dos pórticos, quando analisados individualmente, parecem não ser tão relevantes.

No entanto, não se esqueçam que neste percurso se encontram 11 pórticos, para um total de portagens de 10,65€, e isto para veículos de Classe 1! Para um percurso de ida e volta estão em jogo 21,30€, mais combustível!

Sintam-se livres de sugerir alternativas às que foram aqui apresentadas. Serão muito bem-vindas e com certeza preciosas para amenizar a distância a que o Interior se acha novamente do poder central.

Mapa completo

Clicar no mapa para abrir. Em seguida poderá usar a função de zoom
CB_TN
 

Leitura obrigatória:

Os preços das portagens de Abrantes até à Guarda

Como evitar as portagens na A23 entre a Guarda e Castelo Branco

Leiam! Partilhem! Já basta basta de abuso!

segunda-feira, novembro 28, 2011

Madeiro de Penamacor - O maior madeiro de Portugal precisa do vosso voto!

Madeiro da aldeia de Fatela - 2010

Pela Beira Interior, Natal não é Natal se não houver Madeiro. Numa altura em que pelos adros das igrejas e capelas das povoações da Beira Interior, se vão em breve começar a acumular os troncos que iluminarão e aquecerão a noite de Natal daqui a sensivelmente um mês, eis que somos confrontados com a oportunidade de dar ainda mais visibilidade a esta tradição.

O Movimento SIM, criado pela Samsung para premiar a criatividade em Portugal, promoveu uma extensão do concurso para premiar também a tradição de Natal mais criativa. O Madeiro de Penamacor, o maior madeiro do país, surge entre os 3 finalistas onde se incluem também a Saída dos Reis de Vila do Conde e a Festa de Santo Estêvão de Ousilhão. O vencedor merecerá honras de uma curta-metragem realizada por Manuel Pureza.


O processo de voto é simples:
1 - Ir ao site do Movimento SIM em http://www.movimentosim.com/simnatal/
2 - Por baixo da foto do madeiro de Penamacor clicar em VOTAR
3 - Preencher e submeter os campos pedidos (nome, apelido e e-mail)
4 - Confirmar o voto no e-mail enviado para o endereço que referiram atrás



quinta-feira, novembro 24, 2011

Postas em blogosfera alheia

De quando em vez, com uma certa irregularidade, dou uma escapadinha para ir mandar umas "postas" a outras casas ilustres da blogosfera.

Como se trata de espaços que merecem bem uma visita (é favor limpar os sapatos à entrada, apagar o eventual cigarro e não cuspir para o chão), irei doravante deixar aqui o link para esses artigos à medida que os for publicando.

- Um cu que é uma obra de arte (n'A Funda São)
- Eu mileurista me confesso (no Lameira de Junco)


terça-feira, novembro 22, 2011

A verdade sobre as operações STOP e as cópias de CD


De há uns tempos a esta parte tem circulado pela Internet um aviso segundo o qual em operações STOP as forças policiais estariam também a fiscalizar e a apreender cópias de CD de música. Como se não bastasse, diz ainda o aviso que, não satisfeitos com a apreensão dos ditos CDs, a polícia instaura um processo a todos os ocupantes da viatura que vistam roupa contrafeita.

Eis o que diz a mensagem:

"Depois de o condutor soprar no balão, qual o nosso espanto quando o polícia pergunta se temos leitor de CD no carro.Tínhamos leitor de CD e logo a seguir pediu-nos para ver os CD's que tínhamos no carro, para ver se eram cópias ! !!! Sobre isto, já eu tinha ouvido falar num mail que recebi recentemente (ver mais abaixo).
O que é incrível é que, depois dos CD's, o polícia manda-nos sair do carro e começa a olhar para a nossa roupa ! Verídico !!!
Nisto, chama uma mulher-polícia para junto das minhas colegas e um outro polícia para junto de nós e... PEDEM-NOS PARA VER A ETIQUETA DAS NOSSAS ROUPAS!
(...)
Um dos meus colegas tinha um casaco Paul & Shark, comprado na feira de Espinho, e as Autoridades identificaram-no e vai ser punido!
O meu colega e todos outros como não conhecem a lei já contactou o advogado e este informou-o de que o que os policias fizeram está dentro da lei!

A GNR-BT, nos auto-stops, começou a fiscalizar os CD's piratas que temos no carro. Se os CDs não forem originais ou então se não possuímos o original que deu origem à cópia, (é permitido por lei efectuar UMA cópia de segurança), a viatura pode ser apreendida e sujeitamo-nos às respectivas sanções.
"

Esta mensagem É FALSA. Não passa de mais um boato posto a circular para provocar alarmismo infundado.

A respeito das cópias, porque é uma área que me diz mais respeito, diz o Código do Direito do Autor e dos Direitos Conexos, na alínea b) do seu artigo 81º, que

"é consentida a reprodução para uso exclusivamente privado, desde que não atinja a exploração normal da obra e não cause prejuízo injustificado dos interesses legítimos do autor, não podendo ser utilizada para quaisquer fins de comunicação pública ou comercialização".

Enquadram-se portanto neste artigo as cópias de CD que possamos ter em nossa posse no nosso carro. Por outro lado, limitar o termo "Cópia de segurança" a apenas um exemplar é atentatório ao próprio conceito de cópia de segurança.

Curiosamente, o aviso em causa, pretende dar a ideia de ter sido emitido por uma pessoa bastante informada da legislação mas em momento algum cita qualquer artigo ou, mais estranho ainda, especifica qualquer tipo de sanção aplicável para além de um "vai ser punido". Com quê? Multa? Prisão? Trabalho comunitário? Escrever 100 vezes num quadro "Não voltarei a ser infiel para com os direitos de autor"?

Por isso já sabem: antes de dar eco a um aviso deste género, validem primeiro a sua origem. Façam uma análise crítica ao mesmo e não deixem o alarmismo sobrepor-se ao vosso bom senso.

sexta-feira, novembro 18, 2011

Míscaros 2011 - Festival do Cogumelo - É hoje!!


A partir de hoje e até Domingo, a aldeia do Alcaide volta a estar no centro das atenções com a realização da 3ª edição do festival "Míscaros - Festival do Cogumelo".


Durante 3 dias, a música, o artesanato e a gastronomia vão tomar conta das ruas da povoação, prometendo muitas e deliciosas surpresas, sempre com os cogumelos como protagonistas principais. Para os interessados, haverá ainda a possibilidade de participar em diversas actividades tais como passeios micológicos pelas cercanias do Alcaide e workshops de cozinha.

Para evitar confusões de trânsito, haverá um serviço contínuo de transporte por autocarro entre o Alcaide e o Fundão.


PROGRAMA

Sexta-Feira, 18 de Novembro

18H00_Live Cooking - Cooking.LAB ( abertura do festival)
19H00_Workshop
- Migas de azeite com rodelas de chouriço - Cooking.LAB
20H00_Live Cooking
- Chef Duarte Batista
21H30_Workshop * - Spaghetti de vinhos licorosos com doce de ovos - Cooking.LAB
22H00_Live Cooking - Chef Igor Martinho
22H30_Live Cooking - Cooking.LAB
23H00_Workshop - Cubanito libre - Cooking.LAB

Animação de Rua
- Bombos Alcaide - Bombos Souto da Casa - Foles da Beira - Acordeonistas - Xaral´s Dixie - Manta de Ourelos - D´bozinon (Esp) - Kumpania algazarra



Sábado, 19 de Novembro

10H00_Passeio Micológico* - Eng. Gravito Henriques
11H00_Workshop *- Caviares de mel com waffles - Cooking.LAB
12H00_Live Cooking - Cooking.LAB
14H00_Live Cooking - Chef António Nobre

Animação de Rua - Bombos Alcaide - Bombos Donas - Foles da Beira - Acordeonistas - Xaral´s Dixie - Hipotética - organillo (Esp) - Cottas Club Jazz Band

14H30_Workshop - Spaghetti de compota com queijo/requeijão-Cooking.LAB
16H30_Workshop* - Esferas de cogumelos em base de tomate e tosta -Cooking.LAB
18H00_Lançamento/Apresentação - Revista Solisticio - Descobrindo

Animação de Rua -Bombos Alcaide - Bombos Capinha - Acordeonistas - Xaral´s Dixie - Hipotética - Organillo (Esp) - Gambuzinos

19H00_Workshop - Espuma de Cerveja com pop's de leitão - Cooking.LAB
20H00_Live Cooking - Chef Daniel Brito
21H00_Workshop* - Coulis de sumo de fruta com requeijão - Cooking.LAB
22H00_Live Cooking - Chef Augusto Gemelli
22H30_Live Cooking -Cooking.LAB
23H00_Workshop - Caipiroska Jam - Cooking.LAB

Domingo, 20 de Novembro

10H00_Caminhada Cores da Gardunha
10H30_Passeio Micológico* - Chef Valdir Lubave
11H00_Workshop *- lolipops de fruta com mel -Cooking.LAB
11H30_Live Cooking - Cooking.LAB
12H00_Live Cooking - Chef André Correia
13H00_Mega Almoço (Largo da Igreja)

14H00_Live Cooking - Cooking.LAB

Animação de Rua -Banda Filarmonica Peroviseu - Bombos Alcaide - Foles da Beira - Bombos Barroca - Acordeonistas - Xaral´s Dixie - Bombos Alcongosta - D´Bozinon (Esp) - Adufeiras Penha Garcia

15H00_Live Cooking - Chef Valdir Lubave
15H00_Workshop *- Spaghetti de frutas com bola de gelado - Cooking.LAB
16H00_Live Cooking *- Chef Nuno Queiroz Ribeiro
16H30_Workshop *- Esferas de queijo com vinho - Cooking.LAB

Todos os dias -Parque Aventura - Rappel na Torre - Carrossel - contadores de Historias



quinta-feira, novembro 17, 2011

A foto que inspirou a polémica campanha Unhate da Benetton?

A Benetton volta a estar nas bocas do Mundo com mais uma campanha publicitária à qual ninguém ficou indiferente, a campanha Unhate (literalmente "desodiar"). A campanha consiste numa série de fotomontagens nas quais alguns dirigentes políticos e religiosos, proeminentes e antagonistas, aparecem unidos num beijo apaixonado.

A imagem mais polémica do grupo é sem dúvida aquela que mostra o papa Bento XVI a beijar o imã Ahmed Mohamed el-Tayeb. Aliás, o choque desta imagem foi tal que a reacção do Vaticano não se fez esperar e obrigou mesmo a Benetton a retirá-la da campanha, quiçá por atentado à macheza de Sua Santidade.

O papa e o imã


"East meets West"

No entanto, não deixa de ser uma curiosa coincidência que esta campanha surja na semana a seguir à comemoração do 22º aniversário da queda do Muro de Berlim, construção infame na qual existe uma pintura que também retrata um beijo histórico entre dois políticos não menos infames: Erik Honecker e Leonid Brejnev, respectivamente secretário-geral do Partido Comunista da RDA e secretário-geral do Partido Comunista da URSS.

Intitulada "Meu Deus, ajuda-me a sobreviver a este amor mortífero" (embora também seja chamada de "Beijo fraternal"), foi pintada em 1990, no ano seguinte ao da queda do Muro, pelo pintor russo Dmitri Vrubel.



A pintura retrata a fotografia do momento histórico no qual, por ocasião do 30º aniversário da fundação da República Democrática Alemã em 1979, os líderes da RDA e da URSS trocaram o famoso beijo, algo que nada tinha a ver com as conotações preconceituosas que hoje se possam atribuir a um tal gesto.


É claro que a semelhança entre esta foto e as anteriores pode ser só uma coincidência...

quarta-feira, novembro 16, 2011

A Mona Lisa foi pintada por Leonardo... di Caprio!

O país está em crise! A população perde poder de compra, está cada vez mais endividada, os nossos "cérebros" estão a fugir para o estrangeiro, o Triunvirato do FMI já faz deste cantinho à beira mar plantado o seu quintal dos fundos... Para o cidadão comum o cenário não se afigura nada auspicioso.

No entanto, não há motivo para o desespero! Toda uma nova fornada de cidadãos conscientes e instruídos prepara-se para deixar as universidades e para tomar em mãos o destino do país, guiando os portugueses em direcção a um novo futuro, só comparável no seu brilho à luz do primeiro e radiante amanhecer da Primavera.

Ei-los!


Bom, pensando bem, uma manhã invernal com a luz solar filtrada por um espesso e cinzento manto de nuvens, que vai largando uma precipitação digna das cataratas do Niagara, e impelido por uma ventania cuja velocidade excede os 100km/h, também consegue ter o seu interesse.

Um vídeo da Revista Sábado

domingo, novembro 13, 2011

Nokia HumanForm - um smartphone que é como um bocado de borracha


A nanotecnologia abre todo um novo campo de possibilidades na área de dispositivos móveis nesta proposta da Nokia, o HumanForm. Vejam e maravilhem-se:



Se quiserem saber mais, leiam este artigo do Pplware.

sexta-feira, novembro 11, 2011

XI Mostra de Artes e Sabores da Maúnça

Começa já amanhã aquela que é a minha festa de Outono favorita, a Mostra de Artes e Sabores da Maúnça, na simpática e acolhedora aldeia do Açor.

Com a temática da castanha como pano de fundo, entre amanhã e Domingo as portas das casas da aldeia vão estar abertas aos visitantes, propondo mil e um sabores.

PROGRAMA:

Sábado:
11h00 - Bombos Rochas de Cima
14h30 - Workshop “Sabores do Outono” (doce de castanha), apresentado pela tasquinha “À Portela” e coordenado por Isabel Filipe Antunes
(Inscrições: 968 223 124, nº máximo – 10/pax, valor 2,50€)
15h00 - Grupo Cantares da Barroca
17h00 - Magusto Comunitário
Gaita-de-Beiços da Rapoula
21h00 - Concertinas “Desgarradas com o povo”

Domingo
11h00 - Grupo de Bombos Souto da Casa
14h00 - Workshop “À Volta do Pão” , coordenado por Brigite Martins (Inscrições: 962 369 921, nº máximo – 10/pax, valor 2,50€)
14h00 - Passeio pedestre “Rota da Maúnça”
Concentração - Sede da Associação Recreativa e Cultural do Rancho “Os Pastores do Açor” (Características do passeio: tipo - circular; distancia - 6/8 km; dificuldade - média / baixa; inclui reforço alimentar)
14h30 - Workshop “À Descoberta do Queijo Fresco”, apresentado pela tasquinha “Cantinho das Sopas” e coordenado por Daniela Santos
(Inscrições: 933 659 807, nº máximo – 12/pax, valor 2,50€)
15h00 - Grupo de Cantares Santo André
16h00 - Magusto Comunitário
Ecos da Maúnça

Informações e Inscrições (Passeio Pedestre):
Associação Recreativa e Cultural do Rancho “Os Pastores do Açor”
Telm: 936 712 439 | 936 712 440;
E-mail: pastoresacor@iol.pt
Inscrição - 3,00€ (Nib: 003520270000126993064 - enviar comprovativo para pastoresacor@iol.pt)
Data limite - 12 novembro
Apoio: Gardunha Viva - Associação de Montanhismo do Fundão

E para aguçar o apetite...



acor11


acor4


acor7



acor8

quarta-feira, novembro 09, 2011

Face Oculta - Armando Vara ouviu das boas de um cidadão (Vídeo)

Armando Vara ouviu hoje das boas à entrada do tribunal no âmbito do julgamento do caso Face Oculta. Um cidadão que nitidamente partilha da indignação nacional, abeirou-se do ex-ministro, que revolucionou as carreiras académicas ao obter uma pós-graduação antes da licenciatura, e disse-lhe, olhos nos olhos, aquilo que todos gostaríamos de dizer à nossa classe política.

terça-feira, novembro 08, 2011

Como evitar as portagens na A23 entre a Guarda e Castelo Branco

Com o início da cobrança das portagens a perspectivar-se (apesar dos sucessivos adiamentos, não creio que haja motivo para cantar vitória pois, mais dia menos dia, entrarão em vigor), comecei a fazer uma análise dos possíveis percursos alternativos que me permitissem evitar os pórticos entre a Guarda e Castelo Branco, localidades entre as quais tenho maior probabilidades de viajar.

Da minha análise, pude concluir que entre o Fundão e Castelo Branco será fácil usar a N18 como alternativa, sem transtorno de maior. No entanto, entre a Covilhã e a Guarda, sobretudo entre esta última e Belmonte, faz-se um regresso ao passado.

Como muitos de vocês poderão achar esta informação útil, partilho-a aqui com vocês. Eis portanto o mapa das alternativas aos troços com portagem da A23 entre Castelo Branco e a Guarda.

Troço Castelo Branco – Castelo Novo

C. Branco - Castelo Novo

Este troço não oferece dificuldades de maior na alternância entre a A23 e a alternativa que, neste caso, será a N18. Como ambas as vias seguem paralelas a uma curta distância uma da outra, é fácil alternar entre elas.

Começando em Castelo Branco, o único troço pago pode ser evitado pela N3, um sucedâneo do antigo IP2. Entrando na A23 em Castelo Branco Norte, deverá depois sair em Alcains para regressar novamente à auto-estrada na Lardosa. Terá de sair depois na Soalheira e fazer o percurso até Castelo Novo, a partir de onde terá A23 grátis até Fundão Norte, podendo utilizar os túneis da Gardunha.

Troço Castelo Novo-Covilhã Norte

Castelo Novo - Covilhã Norte

Como já referi, entrando na A23 em Castelo Novo, pode-se viajar sem pagar até ao nó de Fundão Norte / Zona Industrial, nó após o qual se encontra um pórtico. Seja como for, a N18 encontra-se a uma curta distância deste nó e, até ao nó de Covilhã Sul está sempre em boas condições, sendo que no troço que diz respeito ao Concelho do Fundão, apresenta duas vias de circulação em cada sentido. O pior são as rotundas que se encontram amiúde.

Entrando novamente na A23 no nó Covilhã Sul, a partir da rotunda do Tortosendo, pode-se circular sem pagar até ao nó de Caria (sempre pensei que fossem colocar um pórtico entre Covilhã e Caria mas ainda bem que não aconteceu), nó a partir do qual se deve deixar em definitivo a auto-estrada até à Guarda.

Troço Covilhã Norte – Guarda Sul

Covilhã Sul - Guarda

No nó de Caria, como já referi, termina a alternância entre troços pagos e não pagos, sendo que até à Guarda se encontram 3 pórticos de portagem. A única alternativa é pois sair em Caria e daí seguir para a Guarda. Saindo aqui, há duas possibilidades: ou atravessar a aldeia próxima de Malpique ou seguir na direcção de Caria até à ponte com semáforos, alternativa que é vivamente aconselhável para veículos pesados.

Pessoalmente prefiro passar pela aldeia pois isso reduz o percurso para entrar na N345. Esta estrada está em boas condições até Belmonte. A partir daí, é o regresso à N18 até à Guarda. O pior são os pontuais semáforos e os eventuais camiões na subida para a Guarda a partir do cruzamento da Benespera.

Na Guarda, ainda não confirmei se há pórtico entre os dois nós de acesso à cidade na A23 pelo que pouco posso acrescentar. Fico no entanto com a impressão que os problemas maiores colocam-se a quem queira viajar para Aveiro (nunca é demais recordar este artigo). No pólo oposto, isto é, a partir de Castelo Branco e para quem viaja para Sul, também me parece que se perspectiva uma verdadeira epopeia…

segunda-feira, novembro 07, 2011

Os preços das portagens na A23, de Abrantes até à Guarda

Este fim-de-semana constatei que já foram afixados os preços das portagens virtuais junto aos pórticos na A23, no troço entre a Gardunha e a Guarda. Entretanto, com a preciosa colaboração da Nelly, obtive também a lista de pórticos e respectivos custos até Abrantes. A surpresa não foi nada agradável, sobretudo se tivermos em conta os valores expostos.

Da Gardunha à Guarda

Quem da Gardunha conduza em direcção à Guarda irá deparar-se sucessivamente com os seguintes pórticos e custos:


Fundão Sul - 1,45 €

Caria - 1,55 €

Belmonte - 0,80 €

Guarda-Túnel do Barracão - 1,35 €


No meu caso específico, que me desloco 2 vezes por semana à Guarda, isso representaria um acréscimo de despesa na ordem dos 20,60 € por semana e dos 82,40 € por mês! Digo "representaria" porque não tenho a mínima intenção de circular pela A23 após a entrada em funcionamento das portagens.

São números que dão que pensar, sobretudo se os compararmos com aquilo que é praticado na A1, no troço entre Torres Novas e Alverca. Facilmente se conclui que a A23 parece ser uma auto-estrada de 1ª classe e a A1 uma reles auto-estrada de segunda classe, senão veja-se:


Alverca - Torres Novas: aprox. 90km autoestrada - 5,65 Eur - 0,06 €/km


Fundão - Guarda: aprox. 50km Autoestrada - 5,15 Eur - 0,10 € / km


Perante estes dados coloco duas hipóteses de justificação para a disparidade de valores:


1 - Afinal o sistema de cobrança de portagens da Scutvias não é tão automático quanto parece e, na central de controlo, há à frente de cada monitor um funcionário sinistro que vai anotando, num bloco de notas, os dados das viaturas que transpõem os pórticos sem o dispositivo electrónico de matrícula, sendo que os encargos salariais para com estes funcionários justificam estes valores cobrados.


2 - A Scutvias irá em breve substituir o actual piso da A23 por alcatrão vermelho e refazer as marcações das vias contratando para o efeito especialistas em aplicação de Talha Dourada.


Da Gardunha a Abrantes


Quem no entanto viaja para Sul a partir da Gardunha, depara-se com outro cenário não menos preocupante. Até Abrantes irá cruzar nada mais nada menos que 9 pórticos com os seguintes custos:


Soalheira - 1,20€
Lardosa - 1,10€
Castelo Branco centro/Hospital - 1,05€
Retaxo/Sarnadas - 0,90€
V.V. de Rodão - 1,45€
Fratel - 1,35€
Gavião - 1,25€
Mouriscas - 1,30€
Abrantes - 1,10€


O Fundão fica portanto à distância de 10,70 € de Abrantes! Quem como a Nelly tenha de fazer esta viagem nos dois sentidos uma vez por semana, terá uma despesa acrescida de 20,70 € por semana e de cerca de 83,90 por mês.




De Abrantes a Torres Novas


Não tenho ainda informação detalhada sobre a localização e os preços dos pórticos de portagem. O que posso avançar é que o custo agregado deste troço é de pouco mais de 4€. Se alguém tiver informações concretas, agradeço que as partilhe em comentário.



A CP oferece uma solução... no mínimo original


Curiosamente, numa altura em que a A23 se apresta a tornar-se uma solução de mobilidade muito pouco atractiva para a população, a CP decidiu introduzir uma modificação no serviço Intercidades no mínimo original, substituindo a tradicional composição por uma automotora dos anos 1970, à qual se fez um lifting para parecer mais nova.


Não há bar mas há máquinas de vending, menos casas de banho, mas também se espera que as pessoas aliviem as necessidades fisiológicas antes de subir à automotora para facilitar a deslocação da mesma, e o sistema de suspensão traz de volta uma sonoridade que até agora apenas residia nas recordações melancólicas de outras eras.


A justificação dada pela CP para a adopção desta medida foi de que a A23 provocou nos últimos anos o decréscimo dos passageiros na linha da Beira Baixa tornando-a pouco rentável. Portanto, num momento em que se apresenta uma oportunidade de ouro para angariar e fidelizar passageiros, a CP faz exactamente o oposto e desinveste. A justificação perante este evidente contra-senso foi de que, se numa primeira fase, a introdução das portagens iria de facto trazer de volta muitos passageiros, este número entraria inevitavelmente em declínio lá mais para a frente...


Entretanto, estou curioso para saber o que fizeram entretanto os deputados eleitos pelo círculo eleitoral de Castelo Branco que, no seu programa eleitoral, incluíram um parágrafo que garantia que iam procurar fazer com que a A23 tivesse preços de acordo com a realidade sócio-económica da região...


Próximo artigo: O que fazer na A23 para evitar as portagens




quinta-feira, novembro 03, 2011

Covilhã no mapa internacional do Bonsai

Pelo Interior, a excelência pode ser encontrada nas áreas mais improváveis. Um bom exemplo disso é sem dúvida o do meu camarada Márcio Meruje, um verdadeiro mestre na arte milenar do bonsai.

Praticante de bonsai há já alguns anos, membro fundador do Clube Bonsai de Sintra e discípulo de um grande mestre europeu, o belga Jean-Paul Polmans, o Márcio surge este mês como tema de capa da Bonsai Focus 136/113, uma revista bi-mensal que é também uma das publicações periódicas com maior expressão a nível internacional.


Num artigo centrado na estilização de um buxo recolhido há alguns anos no Sul de França, o Márcio vai partilhando em entrevista a sua experiência no trabalho com bonsai, revelando também que o seu percurso começou com um "bonsai" de hipermercado que acabou por morrer. Quem hoje visita a sua colecção tem dificuldade em imaginar isto.


Convém referir que o Márcio tem desde há alguns anos a esta parte um estúdio próprio situado na Covilhã, o Kensho Bonsai Studio, que prima por ser um espaço de partilha de experiências e de aprendizagem, tanto para praticantes de longa data como para todos aqueles que querem iniciar-se nesta arte, em sessões de trabalho onde o convívio e a boa disposição são regra (e onde também há café, convém que se diga!).

Em destaque também no III Congresso Nacional de Bonsai

Outra boa notícia veio também do III Congresso Nacional de Bonsai que no passado fim-de-semana teve lugar na Ericeira, com a organização a atribuir o prémio de mérito a uma das árvores do Márcio, neste caso uma azálea verdadeiramente espantosa.


Um prémio bem merecido, sem dúvida!

Quem quiser saber mais, seja para conhecer a colecção do Márcio ou, -porque não?- começar a participar também das sessões de trabalho, pode obter informações aqui:


Outros links de interesse:


quarta-feira, novembro 02, 2011

Advogado que é advogado, bebe uma cerveja!

Ontem descobri esta pérola publicitária vintage afixada na parede de um restaurante na vila de Silvares. Trata-se de um cartaz publicitário dos anos 50/60, tendo em conta a garrafa de rótulo pirogravado que é apresentada (ver aqui), e exalta o consumo de cerveja como um acto de distinção. Ao lado deste, havia ainda mais dois cartazes. Um deles aludia ao "arquitecto moderno" e o outro ao "banhista moderno".


Beber cerveja, nos anos 50 e 60 era portanto um acto não apenas distinto mas também uma afirmação de modernidade.

Hoje em dia as coisas mudaram substancialmente e estes cartazes caíram em desuso. Não fossem as restrições à publicidade a bebidas alcóolicas e hoje poderíamos sem dúvida encontrar algo como "O ministro moderno toma uma decisão entre duas Cervejas Sagres".

Já agora, passe a publicidade, o restaurante era o "Lagar", local onde somos sempre recebidos com a mesma simpatia e qualidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...