sexta-feira, julho 13, 2018

Ursos, lobos e zebros

Texto publicado no Jornal do Fundão a 5 de Julho de 2018 

Artigos anteriores: 
   - Os romanos passaram pela Gardunha
   - Os Moinhos da Serra da Gardunha
   - As Secadeiras da Gardunha
   - Serra da Gardunha - Um território de passagem 
   - Lendas da Gardunha


Urso-pardo, lobo ibérico e o misterioso zebro. Créditos das fotos e imagem no fim do artigo


A paisagem que nos rodeia apresenta hoje uma realidade muito diferente daquela que seria possível observar há vários séculos atrás. Se por artes mágicas pudéssemos por exemplo voltar à Idade Média, e a não ser que nos conseguíssemos abstrair de tudo o resto para fixar a nossa atenção no recorte familiar dos montes e vales, teríamos muita dificuldade em reconhecer a paisagem da nossa própria região. Logo à partida, a extensa mancha arbórea que por aqueles tempos cobria o território, feita sobretudo de árvores de folha caduca, era bem diferente das florestas bem mais pequenas da actualidade, ainda por cima constituídas em grande medida pela perniciosa harmonia mono-cultural de pinheiro-bravo que bem conhecemos.

A coberto dessa vegetação, viviam animais que hoje já não encontramos entre nós mas que naquela altura era muito comuns. Falamos do lobo-ibérico, do urso-pardo e do zebro, por exemplo. Se o primeiro conseguiu habitar na nossa região até há relativamente poucos anos, tendo os últimos exemplares da Serra da Gardunha sido avistados no início dos anos 1980 e estando a sua população hoje circunscrita ao Nordeste português, os restantes já há muito que deixaram de percorrer o nosso território. No entanto, de Norte a Sul de Portugal, e inclusive no concelho do Fundão, a sua memória persistiu na toponímia, que não raras vezes é uma fonte importante de pistas para desvendar o passado.

O urso-pardo terá, segundo alguns estudos, desaparecido da nossa região por volta do século XVII, tendo as suas populações sido gradualmente empurradas para Norte do país. Embora haja relatos de avistamentos esporádicos bem mais tardios no Norte de Portugal, a sua presença na Península Ibérica está hoje confinada a regiões montanhosas do Norte e Este de Espanha. Este animal cuja caça, a par da do javali, era muito apreciada pela nobreza portuguesa, foi alvo de várias iniciativas régias de protecção quando se constatou a redução da sua população, iniciativas que esbarraram, no entanto, no inconformismo das populações que viam neste animal uma ameaça às suas propriedades. Um dos objectos preferidos de cobiça dos ursos eram as colmeias e, para as proteger dos ávidos plantígrados, estas foram agrupadas e cercadas por muros altos e espessos de forma geralmente circular, os muros apiários. Estas estruturas eram popularmente chamadas de “muros”, “silhas” ou “malhadas”. 

Ora, como foi referido atrás, a toponímia guardou a memória do urso-pardo. Encontramos essa memória na aldeia de Vale d’Urso, freguesia do Souto da Casa (não confundir com Vale de Urso, Proença-a-Nova), e num local ermo noutra vertente da serra da Maúnça designado como “Vale da Ursa”. Curiosamente, não muito longe dali, situava-se uma Malhada que, por ser já antiga era designada como Velha, e que hoje persiste apenas no nome de uma aldeia. Estes topónimos não são raros em Portugal, e a estes devemos juntar os que incluem os termos “Osso” ou “Ossa”.

Eis alguns topónimos portugueses relacionados com a presença do urso-pardo: Vale d'Urso (Souto da Casa), Vale de Urso (Proença-a-Nova), Vale da Ursa (Serra da Maúnça, Proença-a-Nova e Algarve), Serra de Ossa (Alto Alentejo), Ursa (vários), etc.

Quanto ao zebro, trata-se de um animal que ainda hoje suscita alguma discussão. Que este equídeo existiu e proliferou na nossa região não há dúvidas. Discute-se sim o aspecto que teria, embora a tese que mais força tem seja a de que se tratava de um animal semelhante a um burro, de pêlo cinzento com uma faixa mais escura sobre o dorso e com focinho escuro. A sua pele, muito apreciada, era usada como bem transaccionável, como aliás é referido no foral de Coimbra e no de Pinhel, mas o zebro também era procurado pela sua carne. A pressão humana, materializada na caça abusiva e redução do seu habitat, sobretudo a partir do século XII, acabou por levar este animal à extinção ainda durante a Idade Média. No entanto, mais uma vez, a sua memória persistiu no nome de localidades como Zebras (Fundão) e Zebreira (Idanha-a-Nova).

No resto do território português, há mais ocorrências que recordam este equídeo como Zebral (Vieira do Minho), Zebras (Valpaços), Zebreiros (Gondomar), etc.


Por outro lado, a referência a este animal sobreviveu também no nome dos equídeos que os exploradores portugueses encontraram em abundância nas savanas africanas e que acharam parecidos com o zebro. Falamos das zebras, pois claro.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...