quinta-feira, abril 12, 2018

Os Moinhos da Serra da Gardunha

Texto publicado no Jornal do Fundão a 5 de Abril de 2018


Sr Raposo, o último moleiro da Gardunha ainda em actividade


Na sua longa história, as comunidades das franjas da Gardunha souberam aproveitar da melhor forma os recursos naturais desta serra para a sua economia, quase sempre, de subsistência. Para lá da sua riqueza florestal, o recurso mais valioso sempre foi a água, um bem de primeira necessidade, aproveitado igualmente para irrigar terrenos agrícolas, conquistados ao flanco da montanha à força de braços nas zonas de maior pendente, e também como fonte de energia motriz para variados equipamentos moageiros que, com o passar dos séculos, foram surgindo ao longo das linhas de água.

Na Gardunha, a distribuição destes equipamento varia em função do caudal dos cursos de água. Nas zonas periféricas mais baixas, onde os ribeiros possuem maior caudal, encontramos os lagares e as azenhas, ao passo que nas zonas mais interiores e elevadas da Serra encontramos equipamentos mais pequenos mas não menos interessantes: os moinhos de rodízio. Na Gardunha, a cota máxima em que se sabe ter existido um destes moinhos é de cerca de 900m. Embora muitas vezes sejam confundidos no nome, os moinhos de rodízio distinguem-se das azenhas pela sua menor dimensão e pela posição das rodas no interior da construção.

Sendo património familiar passado de geração em geração, não se herdava a posse física do moinho mas antes o direito e o tempo de utilização, dividindo-se o número de dias do mês pelo número de herdeiros. Saliente-se no entanto que esta regra não se aplicava apenas aos moinhos mas também a vários outros recursos e equipamentos da comunidade.

Os moinhos de rodízio terão sido introduzidos na Península Ibérica pelos romanos mas a tradição popular conta-nos uma versão distinta e sobrenatural da sua origem. A lenda conta que foram inventados pelo Diabo que, cheio de orgulho, chamou Deus para lhe mostrar aquilo que tinha acabado de criar. Este último felicitou o Diabo mas, para surpresa do inventor, chamou a atenção para o facto de faltar algo muito importante naquela obra, desenhando de seguida uma cruz sobre a mó “para moer grão e bicho não”. A marca deste acto de apropriação de propriedade industrial é ainda hoje bem visível nas mós de todos os moinhos mas a sua função é igualmente utilitária. De facto, a cruz serve de referência da posição de encaixe da mó movente na estrutura do rodízio aquando da sua de manutenção.

Este cunho religioso dos moinhos enquadra-se na ampla ritualidade inerente à produção do pão que vai desde a marcação de cruzes na massa, para garantir que a fermentação corre bem, até às cruzes insculturadas nas mós e às vezes até junto às próprias portas dos moinhos, para manter os males no exterior. Mesmo o produto final, o pão, é alvo de um respeito muito particular pois quando inadvertidamente se deixava cair, era rapidamente apanhado e beijado numa atitude de contrição.

Em relação à sua estrutura, os moinhos de rodízio estão geralmente divididos em dois compartimentos sobrepostos: o espaço da moagem na parte superior e o compartimento inferior popularmente chamado de “inferno”, onde a água faz mover o mecanismo do rodízio. Este consiste numa roda metálica que faz girar um veio vertical sobre o qual, no compartimento superior, encaixa a mó movente. O grau de moagem pode ser ajustado mediante uma alavanca, o aliviadouro, que afasta ou aproxima a as mós. Todo o sistema do rodízio apoia-se e gira sobre um pequeno seixo de quartzite, extremamente polido pela fricção e, por isso, com um mínimo de atrito.

Apesar de actualmente quase todos os equipamentos moageiros estarem abandonados e a maior parte em ruínas, há ainda alguns exemplares que se mantêm em utilização e outros, poucos, foram alvos de restauro para efeitos museológicos. No entanto, sendo o Concelho do Fundão tão rico em equipamentos moageiros de diferentes tipologias e que tiveram tamanha importância na economia das suas gentes, estranha-se que não exista uma oferta museológica que lhes dê a devida atenção. Este será um assunto a discutir num próximo artigo.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...