quarta-feira, março 28, 2018

O museu subterrâneo de Liège

Praça de São Lamberto, o coração de Liège. Hoje coexistem aqui o impressionante palácio dos Príncipes-Bispos, uma estação de autocarros e, do lado oposto da praça, um centro comercial. No centro, várias colunas metálicas evocam a desaparecida catedral de São Lamberto e sob a praça esconde-se o Archeoforum.



Muitos daqueles que hoje atravessam a Praça de Saint Lambert, situada no centro de Liège e dominada pelo imponente palácio dos Príncipes-Bispos, estão longe de adivinhar que sob o pavimento deste lugar se esconde praticamente toda a história da cidade

Para lá da entrada algo discreta e descendo uma série de degraus, entramos no Archeoforum, um museu subterrâneo que nos conta de maneira singular a história de Liège, desde a Pré-História, quando o espaço da actual cidade era uma larga planície pantanosa, onde o hoje desaparecido rio Legia se encontrava com os múltiplos braços do rio Mosa. Antes de falarmos no Archeoforum convém no entanto conhecer um pouco da história da cidade.


A entrada do Archeoforum


Ao lado da entrada do Archeoforum, encontra-se o memorial das vítimas do atentado no Mercado de Natal de 2011 (ver aqui)



A turbulenta história de Liège



Sabe-se pelos vestígios encontrados no local que houve presença humana desde o Paleolítico. Certamente, grupos de humanos terão aqui vindo para caçar os animais que faziam parte da vasta biodiversidade local.

É no entanto da época romana que se conhecem os vestígios de uma presença humana permanente, embora modesta, na forma de grande edifício rectangular com termas, talvez parte de uma villa. Em torno desta fixaram-se gradualmente mais habitantes, gerando um pequeno aglomerado até que, por volta do ano 700, se deu um evento que iria para sempre marcar o destino de Liège: o assassinato de São Lamberto, bispo de Maastricht.

Vendo que os fiéis vinham em grande número prestar homenagem e rezar no local onde Lamberto fora assassinado, o seu sucessor ordenou a construção de uma igreja no local, para aí serem colocados os restos mortais de Lamberto. Numa prova de que o negócio da fé é um negócio bem rentável, as sistemáticas peregrinações a este local vieram contribuir para que o pequeno núcleo de casas fosse gradualmente crescendo, até se transformar numa grande cidade.

Apesar de ter sido saqueada duas vezes pelos vikings e, como se não bastasse, ainda tivesse sofrido um raide húngaro, a cidade prosperou e tornou-se sede de bispado e um importante centro religioso e cultural, tanto que chegou a ser apelidada de Atenas do Norte. No século X, Liège torna-se capital de um principado independente, governado pelos bispos, mantendo no entanto a sua ligação ao Sacro Império Romano Germânico. A igreja de São Lamberto, agora com o palácio dos príncipes-bispos como vizinho, vai evoluir para uma grande catedral gótica no século XII.

A história do principado não foi sempre pacífica. Um bom exemplo disso foi o que sucedeu no século XV quando, num conflito criado pela sucessão do príncipe-bispo, a população da cidade escorraçou o bispo que tinha sido colocado no trono pelos pouco simpáticos vizinhos Borgonheses. O Duque de Borgonha, Carlos o Temerário, não ficou muito agradado e, por conseguinte, atacou e arrasou a cidade, deixando apenas as igrejas de pé. No entanto, em jeito de compensação, mandou fazer um relicário com a sua imagem, segurando uma cápsula onde foi guardado um osso da mão de São Lamberto. A cidade sobreviveu no entanto a esta tragédia e alguns anos depois voltou a recuperar o seu fulgor.

O principado chegaria ao fim com a Revolução Francesa, com eco em Liège onde a população abraçou de forma entusiástica os ideais revolucionários. No decorrer da chamada Revolução de Liège, a população atacou o palácio dos príncipes-bispos e arrasou a catedral. Liège, com o seu território, foi integrada no novo departamento francês do Ourthe. Após o período napoleónico, Liège passou a fazer parte da Holanda até que, pouco tempo depois, se tornou parte da Bélgica independente.


O Archeoforum, da Pré-História ao século XX


São os vestígios desta longa história que se encontram no Archeoforum que, para além do museu, que contém um espaço para exposições temporárias e sala de eventos, é também um estaleiro de pesquisas arqueológicas ainda em curso.

As primeiras descobertas foram feitas no início do século XX, durante a abertura de valas para trabalhos de saneamento. Os vestígios foram preservados e, desde então, as investigações ainda não terminaram.



Alguns objectos avulsos junto a uma fotografia das primeiras escavações arqueológicas na Praça. O aspecto de estaleiro do museu salta logo à vista.



Galeria com ilustrações que mostram o desenvolvimento de Liège ao longo do tempo



As estruturas postas a descoberto, os muros do edifício romano, o local onde Lamberto terá sido assassinado e a imponente catedral gótica arrasada em 1789, podem aqui ser admiradas. A baixa altura do tecto, que obriga os visitantes a ter cuidado em algumas passagens, foi aproveitada para aí instalar luzes coloridas que ajudam a distinguir os diferentes muros. Por exemplo, os muros romanos são assinalados a vermelho, enquanto que a catedral gótica está identificada a azul.



As luzes vermelhas seguem e assinalam o alinhamento dos muros romanos. As luzes verdes marcam a localização das construções da catedral românica dos séculos X/XI



Ao longo do percurso, devidamente explicado pelo livro-guia ou iPad entregues na recepção, encontram-se vitrinas com alguns do objectos exumados nesse local.




De forma a transmitir a noção de que a História é algo que não se resume ao estudo do passado, os vestígios expostos vão desde o Paleolítico até ao século XX. Tem-se assim a clara noção de que a musealização da História não se deve restringir de forma redutora a cronologias recuadas mas, pelo contrário, deve pôr em evidência a continuidade temporal que liga aquilo que é hoje a nossa realidade com o passado mais remoto, estabelecendo de forma clara uma ligação identitária.

O preço de entrada é de apenas 7€ e digo apenas porque, para além da visita ao Archeoforum, com um pequeno livro-guia de oferta (não o iPad, infelizmente), o bilhete ainda permite aos visitantes visitar o tesouro da catedral de São Paulo, a igreja que substituiu a catedral de São Lamberto como sede de bispado de Liège. Vale bem a pena.



São Lamberto, o santo guardado em pedaços


Perto daqui, na Catedral actual, a Igreja de São Paulo, cuja torre sineira foi construída no século XIX com materiais da torre destruída da catedral primitiva, encontram-se os restos mortais de São Lamberto dispersos em vários recipientes. Desde a arca que "contém a maior parte" do santo, segundo um guia local, até ao famoso relicário de Carlos o Temerário, que contém uma falange, e o impressionante busto-relicário que contém parte do crânio do santo.

Não é que Lamberto tenha tido uma morte tão violenta que tenha ficado em pedaços. Foi violenta, na medida em que faleceu vítima de um golpe de lança na cabeça desferido a partir do tecto mas, com o correr dos séculos, os seus restos mortais foram sendo distribuídos por relicários.

Em relação ao motivo que levou ao seu assassinato, a tradição diz que São Lamberto morreu por ter recusado reconhecer a relação adúltera do prefeito do palácio, algo equivalente entre um primeiro-ministro e um vice-chefe de estado, do reino franco da Austrásia. Na verdade, morreu porque uma família rival decidiu atentar contra a sua. Sendo Lamberto uma figura importante, tornou-se um alvo privilegiado.


Arca tumular com "maior parte" dos restos mortais de São Lamberto



Relicário de Carlos o Temerário. O duque de Borgonha é representado ajoelhado e segurando a cápsula contendo a falange de São Lamberto, sendo apadrinhado por São Jorge (a figura em pé).



O Busto-Relicário de São Lamberto, feito por um artífice de Aachen antes de 1512. Contém um pedaço do crânio do santo.



Vale a pena visitar:

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...