terça-feira, junho 22, 2010

Porque há ruínas que não servem para o Turismo

Portugal tem inúmeros locais de elevado interesse turístico, sejam eles de interesse natural, paisagístico, monumental ou arqueológico.

Determinante na promoção da oferta turística tem sido a acção do Turismo de Portugal, criador de conceitos tão revolucionários como o sui generis Allgarve, reinventando toda uma região para grande orgulho dos allgarvios, ou de roteiros que comparam uma viagem entre Alcobaça e Tomar à saga da Demanda do Graal.

Evidentemente, também é feita a promoção de vários conjuntos de ruínas, como Conímbriga e Briteiros entre outros. Agora, o que poucos sabiam, é que o Turismo de Portugal também faz questão de assinalar as ruínas que não devem ser visitadas. Isso mesmo pôde ser constatado durante uma das últimas chuvadas na distinta vila de Caria, conforme se apresenta nos instantâneos abaixo. Quem, motivado pela obsessão em visitar ruínas, se pudesse sentir tentado a explorar este novo conjunto, depressa era demovido pela mensagem taxativa que rodeava o local.

Quem disse que a minúcia é um dom exclusivo dos germânicos?



Este autor agradece à sua entidade patronal o gentil fornecimento destes instantâneos, obtidos nitidamente através de uma invulgar mestria e com um enquadramento e uma luminosidade notáveis.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...