terça-feira, novembro 05, 2013

Em Malta, Portugal está em todo o lado!

Se perguntarmos o que têm em comum Malta e Portugal, aos mais desavisados possa ocorrer a resposta "Brucelose!". Embora essa seja uma resposta à qual eu não posso ficar indiferente, uma vez que cheguei a padecer dessa maleita durante alguns segundos (recordar aqui), ela não poderia estar mais longe da realidade. Na verdade, uma das coisas que mais nos surpreendeu em Malta foi a quantidade de alusões a Portugal, fruto da importância do nosso rectângulo na História deste arquipélago, que chegou a ter inclusive alguns governantes de nacionalidade portuguesa.  


Uma história que começa no século XIII

Desde a sua fundação como Ordem dos Cavaleiros Hospitalários em Jerusalém, a Ordem dos Cavaleiros de São João (de Malta) teve "apenas" 79 Grão Mestres. Nesta lista surgem 4 portugueses, sendo o primeiro D.Afonso de Portugal (no séc. XIII quando a sede da Ordem era ainda na Palestina), filho bastardo de D. Afonso Henriques. Desta lista de portugueses, aquele que mais relevância ganhou, sendo ainda hoje recordado na toponímia e em alguns monumentos de Malta, foi D.António Manoel de Vilhena (podem admirá-lo no retrato ao lado), Grão-Mestre entre 1722 e 1736.

Durante a sua governação, fomentou activamente a fortificação de Malta, enquadrando-se na "febre paranóica" que se seguiu ao Grande Cerco de 1565 e que transformou por completo o arquipélago. A ilha Manoel, junto a Valletta, é disso um bom exemplo, tendo herdado o nome do Grão-Mestre. Já agora, convém recordar que a capital maltesa foi também ela construída com um contributo avultado de 30.000 cruzados por parte do "nosso" D.Sebastião.

Vista da fortaleza da Ilha Manoel, junto a Valletta.

Ironicamente, como as pedras pouco valem sem os homens, quando o ainda general Napoleão chegou a Malta no final do século XVIII, a população acolheu-o como libertador, já que os Cavaleiros da Ordem se tinham tornado extremamente impopulares e eram vistos como opressores, e Malta entregou-se praticamente sem resistência. O pior viria depois.

Mas nem só de fortificações se ocupou Manoel de Vilhena. Teve ainda tempo para mandar construir o Teatro que ainda hoje tem o seu nome, o Teatro Manoel, e que é nem mais nem menos o 3º mais antigo teatro da Europa ainda em funcionamento. Realizou ainda várias obras de vocação caridosa. Tendo começado na sua governação a construção do subúrbio de Floriana, mandou que aí se construísse uma casa de acolhimento para mulheres solteiras pobres e outra para doentes incuráveis

Esquina do Teatro Manoel, o 3º mais antigo teatro da Europa ainda em funcionamento.



Sempre prontos a incomodar Napoleão!

No contexto da ocupação napoleónica, tal como aconteceria mais tarde em Portugal, os franceses anunciaram-se à população local em 1798 como libertadores. Bem acolhidos pelos malteses, tomaram o arquipélago praticamente sem resistência mas cedo começaram a mostrar que a promessa de liberdade era apenas uma ilusão.

Ora, sendo por natureza um povo temperamental, os malteses não acharam piada à ideia de trocar um opressor por outro, ainda por cima estrangeiro a viver à grande e à francesa, e revoltaram-se em massa,  depressa circunscrevendo os franceses à zona de Valletta.

Ao apelo maltês por ajuda internacional responderam os ingleses e... Portugal! Uma esquadra portuguesa foi despachada de Lisboa sob o comando de D.Domingos Xavier de Lima, Marquês de Nisa, tendo bloqueado os franceses em Valletta, fornecendo ao mesmo tempo armas e oficiais aos desorganizados revoltosos. A acção do Marquês, ignorando mesmo a dada altura as ordens do regresso da esquadra a Lisboa, foi fundamental para o sucesso da revolta, tendo merecido palavras de elogio dos malteses e ainda do Almirante Nelson. Uma lápide descerrada nos Upper Barrakka Gardens de Valletta, em 2008, é o símbolo desse reconhecimento.

Em Malta ficaram os ingleses, tendo abandonado o arquipélago apenas em 1964! 

Como uma Pedra de Roseta dos tempos modernos, este memorial trilingue recorda o papel dos portugueses na revolução maltesa que resultou na expulsão das forças napoleónicas, abrindo caminho ao estabelecimento da soberania britânica sobre o arquipélago. 


O Albergue de Castela (e Portugal, já agora).

A Ordem dos Cavaleiros Hospitalários era uma organização multinacional. Para harmonizar o seu funcionamento, dividiu-se a sua estrutura em agregações baseada nas línguas faladas pelos seus membros. As Langues (Línguas) como ficaram conhecidas essas agregações, eram inicialmente 8, tantas quanto as pontas da  Cruz de Malta, sendo cada uma delas responsável por um determinado aspecto de gestão da Ordem (Finanças, Justiça, Defesa, etc...). Inicialmente as línguas eram a Língua da Provença (França), a Língua da Alvérnia (Auvergne, em França), a Língua de França, a Língua de Itália, a Língua da Alemanha, a Língua de Aragão, a Língua de Inglaterra e a Língua de Castela e Portugal.

Cada uma destas Línguas tinha a sua própria sede em Valletta, os Albergues, para que aí ficassem alojados os membros da Ordem que não tivessem residência própria em Malta. O mais imponente destes edifícios é precisamente o Albergue de Castela (e Portugal), cuja construção se iniciou em 1574, 6 anos antes da efectivação da união política filipina de Portugal e Espanha. Na fachada vêem-se lado a lado as armas portuguesas e espanholas, sem dúvida uma declaração política que transcendia a própria Ordem de Malta.

O magnífico Albergue de Castela, antiga residência dos Cavaleiros da Língua de Castela e actual residência do Primeiro-Ministro de Malta, ostenta na fachada as armas portuguesas. Vejamos um pouco mais de perto. 


Lado a lado, as armas de Castela de Portugal.

O Albergue de Castela impressionou quem passou (e ainda hoje quem passa) por Malta após a sua construção, tendo sido escolhido para quartel-general das forças francesas e, após a expulsão destas, do governo inglês de Malta. Actualmente é a residência oficial do Primeiro-Ministro maltês.


Elementos dispersos

Para além da toponímia e da monumentalidade, encontrámos outros elementos avulsos que aludem de forma directa ou indirecta a Portugal. Aqui ficam dois exemplos.

Em Malta, existe o hábito generalizado de baptizar as casas, um pouco à semelhança daquilo que por cá se vê esporadicamente por aí. Junto às portas de entrada das casas, é frequente avistar-se uma pequena placa de cerâmica mais ou menos elaborada, com o nome da casa. Neste expositor há um portuguesismo que salta à vista. 


Este é um exemplo perfeitamente tendencioso e só para quem percebe do jogo da bola. Embora indirectamente, ninguém pode dizer que isto não faz parte da História do desporto português, pois não?

Retrato de António Manoel de Vilhena: Wikipédia

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...