segunda-feira, janeiro 12, 2009

O Priorado do Cifrão

Adoro ir a uma livraria, mesmo que não tenha intenção de comprar um livro. Cruzar aquela porta, junto à qual pouso momentaneamente todas as preocupações, é com fazer uma viagem instantânea a um universo completamente diferente, cheio de personagens e histórias à espera de serem folheados. Contudo (lá está!) um dos maiores riscos de se estar dentro de uma livraria é o de cair na tentação de comprar um livro.

Anteontem caí novamente em tentação e comprei o último livro de João de Aguiar intitulado sugestivamente de "O Priorado do Cifrão" e editado pela Porto Editora.

Esta compra não foi, apesar de tudo, tão inesperada assim uma vez que, há já algum tempo, queria comprar este romance escrito por um autor que admiro particularmente e a quem pertence também a autoria de excelentes obras de ficção histórica como "Uma deusa na bruma" e "A hora de Sertório".

"O Priorado do Cifrão" é uma obra de ironia e satirização do conhecido "Código da Vinci" e, ao mesmo tempo, um thriller que começa também ele numa misteriosa morte num museu:

"Em Londres, na sala do Museu Britânico onde está exposto o Estandarte de Ur, foi encontrado morto Sir Alastair Hopkins-Smith, um conhecido académico inglês. O corpo estava numa estranha posição, com o polegar da mão direita metido na boca, como se estivesse a chuchar no dedo.

Paralelamente, há outras ocorrências: o desaparecimento misterioso, na Áustria, de outro académico, o Prof. Heinrich Loewe; e a morte, num acidente de viação suspeito, de um escritor português, Alfredo Estria, um velhote excêntrico que escreve e publica obras de cunho esotérico.

Há algo de comum nos três homens: todos eles se preparavam para atacar violentamente um livro que acaba de ser lançado nos Estados Unidos e promete ser um êxito mundial, o romance The Caravaggio Papers, de Ben Browning, que, através de um suspense bem urdido, passa a mensagem de que, na sua origem, a doutrina cristã era de tipo orgiástico…

The Caravaggio Papers foi publicado por um grande grupo editorial de origem americana, a Thoth International, que detém uma editora portuguesa, a Codex 3, onde trabalha Miguel, o jovem protagonista deste romance."



Aqui fica a apresentação do livro pelo próprio João Aguiar.






Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...