quinta-feira, maio 01, 2008

Enigma - II

Conclusão do artigo de 24 de Abril último.

Esta carta encontrava-se no sótão de uma antiga casa senhorial em Vicdessos, província francesa de Ariége nos Pirinéus, dentro de uma de várias caixas de charutos, e foi-me apresentada em Agosto último. Por vários elementos encontrados juntamente com a carta dentro das caixas (artigos, recortes, notas manuscritas), é possível datá-la de princípios do Séc XX ou finais do Séc XIX. Para além da carta, dentro das várias caixas encontravam-se vários fósseis e vários instrumentos e lascas de sílex dos quais os meus anfitriões tiveram a amabilidade de me oferecer alguns.

Do texto da carta consegui obter a seguinte tradução:

"Zamerza, 28/11 (1909?)

Caro Senhor

Envio-lhe por este mesmo correio alguns fósseis de ostrea villei. O senhor doutor disse-me que o célebre Coquant (Henri Coquant, geólogo francês do Séc XIX, ndk) lhe tinha dado um nome que não foi mantido. Seja como for são raros e encontrei-os nos pântanos "romianos"(?) na parte superior, sob as rochas laminadas de calcário local.

Encontrei também muitas ostrea (...) na base deste mesmo local, no meio encontrei várias conchas de uma espécie de mexilhão (envio-os igualmente. Dei-me conta de que o Damien possui apenas um fóssil de (...). Na minha próxima visita (...) (à terra do destinatário) levar-lhe-ei algumas pedras.

Está satisfeito com o meu último envio de vermiculitas(?) com vestígios(?) de peixe?

Queira aceitar as minhas mais sinceras saudações.

Assinatura ilegível"



Ao que parece, alguém que viveu na casa ou o antepassado de alguém que aqui habitou, era um apaixonado por paleontologia e arqueologia, como o atesta o documento e os diversos fósseis e instrumentos. Do que me permiti trazer, fazem parte os seguintes exemplares:

Fósseis de ouriços do mar pentaradiados de proveniência desconhecida. Embora estes seres existam desde o Ordovício (488 milhões de anos atrás), estes exemplares em causa poderão datar do Jurássico (200 milhões de anos atrás) ou Cretáceo (cerca de 100 milhões de anos atrás).



Uma lâmina, uma ponta de seta e dois núcleos de sílex (pedaços de onde se extraíam fragmentos para criar instrumentos). Estes vestígios deverão ter cerca de 10.000 a 15.000 anos atrás. Deverão ter sido encontrados no norte de Àfrica (Tunísia) de acordo com outros vestígios da caixa devidamente identificados.

Agradecimentos a Elodie Amorim pela ajuda prestada na tradução do texto

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...