segunda-feira, abril 30, 2007

Moedas com história - I

Inicio aqui um série de posts dedicados à numismática, e sobre a forma como é possível conhecer um pouco da história através das moedas.

O valor das moedas não reside só no seu valor intrínseco, seja ele pequeno ou elevado, mas reside também na história que cada moeda conta, história essa que alcança a dimensão que a nossa própria curiosidade permite. Quem a cunhou? Quando? Onde? O que significam as suas inscrições? De que é feita?

O primeiro exemplo é uma curiosa moeda palestiniana de 1927. Esta moeda veio-me parar às mãos por volta de 1988 e foi-me oferecida por um colega, entretanto falecido, como reconhecimento por o ter deixado copiar num teste de uma disciplina da qual não me recordo.



5 MILS - Palestina, 1927
Moeda cunhada pela administração britânica do território da Palestina

Metal: Cuproníquel (liga comum de 75% Cobre e 25% de níquel)

Diâmetro: 2 cm (0,7 cm de diametro do orificio)

Anverso: Valor facial de 5 Mils, com legenda com caracteres europeus, hebraicos e árabes

Reverso: Inscrição "Palestina 1927", com data em numeração árabe e hebraica, e "Palestina" escrito com caracteres europeus, hebraicos e árabes

Contexto histórico: Embora actualmente o território da Palestina seja aquele considerado como o correspondente ao Estado da Palestina (Faixa de Gaza e Cisjordânia), históricamente o território da Palestina corresponde ao agregado do Estado de Israel com o do Estado da Palestina.

Tendo sido um território sucessivamente ocupado por potências estrangeiras (Egipto, Assíria, Babilónia, Pérsia, Macedónia, Roma/Bizâncio, Árabes...) desde a Antiguidade, o termo Palestina tem a sua origem no povo Filisteu (Pelashet) sendo conhecido como Pelashtim (Terra dos Filisteus).

Sendo parte do Império Otomano de 1517 até 1918, o território da Palestina cai em poder do Reino Unido no final de I Guerra Mundial, na sequência da Declaração de Balfour na qual se promete uma nação para o povo judaico (ao mesmo tempo que apelam ao nacionalismo árabe para o estabelecimento de um estado árabe independente na mesma região de modo a fragilizar o Império Otomano, aliado da Alemanha), ficando sob administração civil britânica a partir de 1920. Esta dualidade de compromisso irá gerar um dos mais graves conflitos actuais no Médio Oriente.

A administração britânica cessará em 1948 coincidindo com a proclamação do Estado de Israel ao qual se opuseram os vizinhos novos países árabes pois Israel propõe-se a ocupar zonas para além do território estabelecido pela ONU.

Uma coligação militar árabe entra então em acção para salvaguardar os interesses da maioria árabe na região, os palestinos, iniciando o conflito israelo-árabe que se arrasta até hoje.



1 comentário:

Caetano disse...

Aviso da administração:

Foi recusado um comentário de fonte anónima por idiotice crónica nociva.

Mais se avisa que, todos os próximos comentários digno de uma notável ameba anónima, não serão publicados.

Agradecidos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...