segunda-feira, janeiro 30, 2017

Pela Serra da Estrela com neve. Muita neve!

Com tudo a postos para participar numa caminhada organizada que iria percorrer o maciço central da Serra da Estrela, a notícia do adiamento devido ao agravamento das condições climatéricas foi uma tremenda desilusão. A Estrela é um território do qual conheço muito pouco para além dos circuitos turísticos habituais e estava em pulgas para ir caminhar por aqueles fraguedos, ainda por cima com neve.

Apesar das circunstâncias, o apelo da caminhada acabou por ser mais forte e, contando com a companhia do Nuno que partilhava da mesma motivação, rumámos a Manteigas bem cedinho para percorrer o vale glaciar e para assim "matar o vício".

O objectivo estava definido: subir o curso do Zêzere, pela GR-33, até perto ao Covão da Ametade e daí subir à Nave de Santo António, local onde faríamos uma pausa para descanso e almoço, reavaliando a situação para decidir se o regresso a Manteigas se faria pelo mesmo caminho ou pela crista da vertente direita do vale glaciar.

O Zêzere, sensivelmente a meio do vale glaciar.

A subida do vale glaciar não foi difícil, exceptuando a secção superior onde foi preciso vencer as barreiras que os arbustos tombados, esmagados pelo peso da neve, iam criando. Não tardou muito para que chegássemos à estrada, junto ao Covão da Ametade, e, a partir daí, ao limite da Nave de Santo António.

Após a primeira secção florestal do trilho, uma pausa para avaliar a distância percorrida desde Manteigas, no extremo do vale


A segunda secção do trilho na floresta, com as árvores a parecer dançarem sob a luz


O limiar da nave de Santo António

Entrando na Nave de Santo António, a camada de neve cada vez mais espessa reservava-nos algumas armadilhas que descobrimos da pior maneira. Por exemplo, a dada altura, a minha perna direita afundou-se na neve até à altura da virilha e -pior!- descobri que por baixo daquela neve toda havia um curso de água bem gelada. Depois da sensação de mil agulhas a espetarem-se-me no pé, depressa deixei de o sentir.

Felizmente, o pequeno refúgio da Nave de Santo António estava já perto e abrigámos-nos no seu interior, para recuperamos energias e para tentarmos tratar do problema dos pés molhados. Afinal, faltava ainda percorrer cerca de 13km e caminhar na neve com calçado encharcado não é nada agradável. A coisa remediou-se com um par extra de meias que viajava na mochila e uns sacos de plástico para congelação (irónico, eu sei) a servir de barreira entre as meias e as botas. Ainda assim, demorou algum tempo até voltarmos a sentir os pés.


O Covão da Ametade, junto à nascente do Zêzere, visto ao longe

Faltava agora percorrer a crista do vale glaciar, naquela que seria a secção mais difícil da caminhada devido à espessa camada de neve que cobria o caminho. Tratava-se de neve arrastada e acumulada pelo vento, portanto muito macia e formando uma espécie de ondas, com uma espessura à altura da nossa cintura que dificultava -e de que maneira!- a nossa progressão, até porque também não tínhamos raquetes de neve.

A solução passou por nos desviarmos do percurso previsto sempre que necessário, subindo na encosta para zonas de menor acumulação de neve, e regressar (por vezes em modo "sku") ao caminho só quando este já parecia transitável. Foram uns bem longos e extenuantes 3,5km! 

O Nuno, com os pés, canelas e joelhos bem fresquinhos, a mostrar como se abre caminho através da neve com muita determinação.

A partir da proximidade da Lagoa Seca, finalmente a uma cota mais baixa, as condições do terreno melhoraram significativamente. Tínhamos contudo gasto muita energia e tempo na luta contra a neve e ainda havia muito para percorrer. Aconteceu entretanto uma situação caricata quando, antes da Lagoa Seca, encontrámos uma placa que indicava a distância até Manteigas e, quilómetro e meio à frente, outra placa indicava que a distância até essa vila tinha aumentado... quilómetro e meio. Felizmente tínhamos a certeza do nosso rumo.


Um último olhar para trás, para a depressão da Nave de Santo António

Foi pois já sem luz que chegámos a Manteigas, com uma frescura física e uma desenvoltura de movimentos dignas de nos garantir um lugar de figurantes na série The Walking Dead. Apesar do cansaço, ficou uma sensação gratificante pelo nossa capacidade de superação, num percurso que, no meu rol de caminhadas de maior dificuldade, entrou directamente para o top-3, a par desta e desta.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...