quarta-feira, agosto 31, 2016

Caminhada nocturna à Penha da Serra da Gardunha

Sem a paisagem para nos distrair, as caminhadas nocturnas levam-nos a concentrar a nossa atenção em pormenores que geralmente passam despercebidos. Com a chuva de estrelas anual das Perseidas como pretexto, subimos a pé até ao sítio mágico da Penha da Serra da Gardunha, passeando por um Mundo que só ao abrigo da escuridão se revela.



Com o objectivo de assistir ao espectáculo das Perseidas com o mínimo de poluição luminosa, tornando ao mesmo tempo a noite mais interessante, pusemos as mochilas às costas e saímos rumo à Penha, o epicentro das crenças e religiosidade da Serra da Gardunha que à noite ganha um interesse redobrado. Pouco passava das 22h e optámos por sair do estradão, metendo-nos pelos trilhos existentes entre a Casa do Guarda e o Posto de Vigia.



Ao chegarmos ao Posto de Vigia, no monte Cavalinho, tivemos direito a uma experiência pouco habitual. As nossas luzes "no meio do nada" tinham alarmado o vigilante que se encontrava de serviço que, querendo jogar pelo seguro, chamara entretanto a GNR. O zelo justifica-se pois aquela tinha sido a semana mais grave em termos de incêndios. Aliás, o fumo sentia-se e via-se bem ao nosso redor.



Tivemos pois de esperar pela GNR para esclarecer tudo e só depois pudemos prosseguir rumo à Penha onde, dentro das condições de visibilidade permitidas pelo fumo, pudemos admirar finalmente a chuva de estrelas.




Criaturas a coberto da noite



Aos nossos pés, é possível encontrar inúmeras pequenas criaturas que habitam a Serra da Gardunha e que só a coberto da noite se atrevem a sair. É todo um Mundo novo, que contrasta com o que se vê durante o dia e que vale a pena apreciar.



A primeira criatura a ser avistada foi uma aranha. Já tínhamos percebido que havia aqui e ali um brilho que ao início pensámos ser o reflexo da luz das lanternas na mica resultante da degradação do granito ao longo do caminho. Só quando percebemos que aquele brilho azulado era bastante peculiar e nos aproximámos um pouco mais, é que percebemos que se tratava afinal do reflexo das nossas luzes sim mas nos olhos de aranhas que nos observavam atentamente.



Tratava-se da aranha-lobo raiada, uma aranha que não produz teia, promovendo ao invés disso emboscadas às suas presas. É um animal tímido que terá tendência para fugir quando ameaçada mas, se tiver de se defender, a sua mordida pode provocar dores fortes, inchaço e em alguns casos placas de pele necrosada na zona onde mordeu.



Em zonas rurais é um precioso auxiliar já que se alimenta de insectos nocivos às culturas agrícolas.



Aranha-lobo radiada


Também comum por esta altura do ano são os encontros com os grilos de sela, uma espécie que apenas existe na Península Ibérica. De grande tamanho e, neste caso, com uma bela cor verde raiada no dorso, o seu nome provém da pequena carapaça em forma de sela junto à cabeça.

Têm um canto muito mais discreto que os tradicionais grilos pretos mas compensam pela sua beleza. A espécie em questão será um Neocallicrania miegii.


Grilo de sela.

O habitante nocturno que desperta mais emoções é sem dúvida o escorpião ou, como tradicionalmente se chama por estas bandas, o lacrau. Em Portugal apenas temos esta espécie, o Buthus occitanus que, não sendo mortal, garante 24h muito complicadas devido à dor provocada pelo seu veneno.

O que nem toda a gente sabe é que o escorpião é um aracnídeo, uma espécie de primo relativamente próximo das nossas conhecidas aranhas. Alimenta-se de insectos, aranhas e até de outros escorpiões mas só entre Abril e Outubro, não se alimentando nos meses mais frios (clica aqui para ver o confronto entre um grilo de sela e um escorpião). Apesar dos muitos mitos que existem à sua volta, o escorpião não é um bicho agressivo, apenas picando quando é atacado. 


Escorpião no caminho


Para além da cauda segmentada que termina num agulhão que serve para injectar o veneno nas presas e das suas pinças dianteiras com que as segura, uma outra particularidade dos escorpiões é a distribuição dos seus olhos. Possui dois olhos maiores na zona superior da cabeça e dois conjuntos de 3 olhos na extremidade, junto à boca. A ironia é que apesar do número de olhos, os escorpiões têm uma visão muito fraca, servindo-se muito do sentido do tacto para compensar. Há também quem defenda que os escorpiões conseguem obter informação acerca daquilo que os rodeia com o corpo inteiro, tendo em conta a elevada sensibilidade a raios UV.  


Os dois conjuntos de olhos do Buthus occitanus. (clicar na foto para ampliar)


Escorpião sob luz ultra-violeta, encontrado ontem perto do Alto da Gardunha. Transportava literalmente às costas um grilo acabado de capturar (clicar para ampliar).

sexta-feira, agosto 26, 2016

Relâmpagos sobre a Cova da Beira

O final do dia de hoje deixou no ar a ameaça de uma tempestade que se veio a confirmar após o cair da noite. Indiferente ao vento e às grossas gotas de chuva que de vez em quando caíam em grandes descargas, decidi fazer equipa com a natureza e, enquanto ela disparava o flash, eu "batia as chapas", sempre tendo Aldeia de Joanes como pano de fundo. O resultado foi bastante interessante.

O limite da tempestade que viajava para Oeste ao final da tarde . Lá ao fundo, avista-se a Serra da Estrela.



O primeiro relâmpago registado, ainda durante o dia.


Durante uma trovoada podem ocorrer vários tipos de relâmpagos, que não são mais do que descargas eléctricas entre zonas de potencial oposto (positivo e negativo). Não tendo um material condutor para circular como acontece nas nossas instalações eléctricas, a electricidade vai procurar o seu caminho entre essas zonas de diferente potencial, cujo processo de formação ainda não é bem claro. Sabe-se apenas que as cargas eléctricas acumuladas ionizam o ar, gerando canais de gás ionizado que são usados como meio condutor.

Podem ocorrer descargas horizontais ou verticais, tal como essas descargas podem acontecer apenas nas nuvens ou entre estas e o solo (nos dois sentidos). Por sorte, consegui registar alguns exemplos:



Descarga horizontal intra-nuvem.



Descargas ramificadas descendentes ligam a nuvem ao solo, gerando uma descarga súbita e muito forte (duas visíveis na imagem). 



Descargas verticais e horizontais.



Relâmpagos horizontais entre nuvens.



Com um relâmpago a acontecer mesmo por cima, na Aldeia de Joanes fez-se dia por uma fracção de segundo por volta das 23h00!

É fácil calcular a distância a que os relâmpagos ocorrem. Sabendo que a velocidade do som no ar é de cerca de 340 metros por segundo, basta contar os segundos decorridos entre o relâmpago e a chegada do som do trovão, que não é mais que a onda de choque causada pela súbita dilatação do ar devido à temperatura. Multiplicando os segundos por 340, teremos a distância aproximada a que o relâmpago aconteceu. 

É um bom exercício para fazer sobretudo se forem como eu e não resistirem a ir para a janela ou para a varanda assistir a este fantástico espectáculo.


Actualização:

Com o evoluir da noite, tivemos direito a uma nova série de relâmpagos por cima da nossa cabeça e a Noroeste:

Múltiplos relâmpagos para lá do vale do Zêzere, com a aldeia de Telhado à esquerda



Os vizinhos do lado com iluminação extra.

quarta-feira, agosto 03, 2016

Resgate de uma ave vítima de armadilha

Ao fazer uma caminhada, encontrei uma pequena ave caída no chão, batendo desesperadamente as asas sem conseguir voar. Quando a apanhei, o motivo ficou claro: a ave fora vítima de uma armadilha e tinha as asas coladas!



Chamariz ou milheirinha, bastante debilitada


Tratava-se de uma pequena milheirinha ou chamariz, por sinal um macho, uma ave granívora muito comum no nosso território. De alguma forma, tinha conseguido escapar de uma armadilha de cola mas as penas das asas tinham ficado coladas, impossibilitando-a de voar. No momento em que a encontrei, tentava encontrar refúgio numa zona de erva mais alta, com um cão a rondá-la com curiosidade (ou seria fome?).

O uso de cola para captura de aves é uma prática ilegal mas muito comum, cujo objectivo é a captura dos pequenos pássaros tanto para coleccionismo como para venda ou consumo. A técnica consiste em cobrir um pequeno pau ou um ramo com uma substância adesiva e esperar que as aves pousem, já que estas irão ficar coladas e impossibilitadas de fugir.

Depois de recolhida sem grande dificuldade trouxe-a para casa e o primeiro desafio passou por remover a cola. Para a limpeza das penas usámos óleo vegetal -sim, o vulgar óleo alimentar!- e cotonetes, aproveitando o facto de aquela cola ser solúvel nesse material. 

Como a ave estava enfraquecida, teve de passar por um período de convalescença para ser hidratada e alimentada, nas melhores condições possíveis. Dois dias depois já dava sinais de grande energia e as asas e cauda pareciam de novo em boas condições, pelo que decidimos libertá-la.

Levámos-la para um local ermo com muitas árvores, junto a um ribeiro, e abrimos a porta da gaiola. Pareceu hesitar, confusa por aquela mudança drástica de cenário mas, fazendo pontaria à abertura, saiu como uma flecha rumo às árvores.

Que tenha mais sorte no futuro.



A agitação no momento da abertura da porta...




... antes de sair disparada. Conseguem vê-la na fotografia?


PS - Em breve voltarei ao local onde encontrei a ave para procurar as armadilhas e reunir eventuais dados para uma denúncia ao SEPNA. Esta prática das armadilhas de cola é ainda bastante corrente e constitui uma ameaça ao equilíbrio dos ecossistemas que é necessário erradicar.


Agradecimentos ao Gonçalo Elias do portal Aves de Portugal, pela ajuda na identificação da ave.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...