quarta-feira, agosto 31, 2016

Caminhada nocturna à Penha da Serra da Gardunha

Sem a paisagem para nos distrair, as caminhadas nocturnas levam-nos a concentrar a nossa atenção em pormenores que geralmente passam despercebidos. Com a chuva de estrelas anual das Perseidas como pretexto, subimos a pé até ao sítio mágico da Penha da Serra da Gardunha, passeando por um Mundo que só ao abrigo da escuridão se revela.



Com o objectivo de assistir ao espectáculo das Perseidas com o mínimo de poluição luminosa, tornando ao mesmo tempo a noite mais interessante, pusemos as mochilas às costas e saímos rumo à Penha, o epicentro das crenças e religiosidade da Serra da Gardunha que à noite ganha um interesse redobrado. Pouco passava das 22h e optámos por sair do estradão, metendo-nos pelos trilhos existentes entre a Casa do Guarda e o Posto de Vigia.



Ao chegarmos ao Posto de Vigia, no monte Cavalinho, tivemos direito a uma experiência pouco habitual. As nossas luzes "no meio do nada" tinham alarmado o vigilante que se encontrava de serviço que, querendo jogar pelo seguro, chamara entretanto a GNR. O zelo justifica-se pois aquela tinha sido a semana mais grave em termos de incêndios. Aliás, o fumo sentia-se e via-se bem ao nosso redor.



Tivemos pois de esperar pela GNR para esclarecer tudo e só depois pudemos prosseguir rumo à Penha onde, dentro das condições de visibilidade permitidas pelo fumo, pudemos admirar finalmente a chuva de estrelas.




Criaturas a coberto da noite



Aos nossos pés, é possível encontrar inúmeras pequenas criaturas que habitam a Serra da Gardunha e que só a coberto da noite se atrevem a sair. É todo um Mundo novo, que contrasta com o que se vê durante o dia e que vale a pena apreciar.



A primeira criatura a ser avistada foi uma aranha. Já tínhamos percebido que havia aqui e ali um brilho que ao início pensámos ser o reflexo da luz das lanternas na mica resultante da degradação do granito ao longo do caminho. Só quando percebemos que aquele brilho azulado era bastante peculiar e nos aproximámos um pouco mais, é que percebemos que se tratava afinal do reflexo das nossas luzes sim mas nos olhos de aranhas que nos observavam atentamente.



Tratava-se da aranha-lobo raiada, uma aranha que não produz teia, promovendo ao invés disso emboscadas às suas presas. É um animal tímido que terá tendência para fugir quando ameaçada mas, se tiver de se defender, a sua mordida pode provocar dores fortes, inchaço e em alguns casos placas de pele necrosada na zona onde mordeu.



Em zonas rurais é um precioso auxiliar já que se alimenta de insectos nocivos às culturas agrícolas.



Aranha-lobo radiada


Também comum por esta altura do ano são os encontros com os grilos de sela, uma espécie que apenas existe na Península Ibérica. De grande tamanho e, neste caso, com uma bela cor verde raiada no dorso, o seu nome provém da pequena carapaça em forma de sela junto à cabeça.

Têm um canto muito mais discreto que os tradicionais grilos pretos mas compensam pela sua beleza. A espécie em questão será um Neocallicrania miegii.


Grilo de sela.

O habitante nocturno que desperta mais emoções é sem dúvida o escorpião ou, como tradicionalmente se chama por estas bandas, o lacrau. Em Portugal apenas temos esta espécie, o Buthus occitanus que, não sendo mortal, garante 24h muito complicadas devido à dor provocada pelo seu veneno.

O que nem toda a gente sabe é que o escorpião é um aracnídeo, uma espécie de primo relativamente próximo das nossas conhecidas aranhas. Alimenta-se de insectos, aranhas e até de outros escorpiões mas só entre Abril e Outubro, não se alimentando nos meses mais frios (clica aqui para ver o confronto entre um grilo de sela e um escorpião). Apesar dos muitos mitos que existem à sua volta, o escorpião não é um bicho agressivo, apenas picando quando é atacado. 


Escorpião no caminho


Para além da cauda segmentada que termina num agulhão que serve para injectar o veneno nas presas e das suas pinças dianteiras com que as segura, uma outra particularidade dos escorpiões é a distribuição dos seus olhos. Possui dois olhos maiores na zona superior da cabeça e dois conjuntos de 3 olhos na extremidade, junto à boca. A ironia é que apesar do número de olhos, os escorpiões têm uma visão muito fraca, servindo-se muito do sentido do tacto para compensar. Há também quem defenda que os escorpiões conseguem obter informação acerca daquilo que os rodeia com o corpo inteiro, tendo em conta a elevada sensibilidade a raios UV.  


Os dois conjuntos de olhos do Buthus occitanus. (clicar na foto para ampliar)


Escorpião sob luz ultra-violeta, encontrado ontem perto do Alto da Gardunha. Transportava literalmente às costas um grilo acabado de capturar (clicar para ampliar).

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...