quarta-feira, outubro 14, 2015

Caminho Inca, Parte 4 - Do tesouro de Chinchero ao ouro branco de Maras

À medida que o dia do início da caminhada pelo trilho inca até Machu Picchu se aproximava, a ansiedade ia crescendo mas íamos aproveitando o tempo disponível da melhor forma. Depois da visita ao Vale Sagrado dos Incas no ter aberto o apetite, regressámos a Chinchero e descobrimos dois locais espectaculares que mudaram radicalmente a nossa visão do Império Inca.

Ainda entusiasmados com tudo o que tínhamos visto na recente visita ao Vale Sagrado, decidimos ir explorar o planalto de Chinchero com dois destinos bem definidos em mente: Moray e Maras. Logo pela manhãzinha, saímos de Cusco conduzidos pelos Sr. Jesus, uma pessoa extremamente simpática e com uma bagagem de conhecimento exemplar que não se cansou de partilhar connosco.

A saída de Cusco fez-se por uma zona mais pobre, que já conhecíamos do regresso da viagem pelo Vale Sagrado no dia anterior. As casas amontoadas, parecendo favelas, as ruas em terra batida e o muito lixo que se acumulava aqui e ali, formavam um cenário deprimente. Segundo a nossa guia, era uma consequência do súbito e incontrolado afluxo de pessoas que procuravam fugir, não só da pobreza da zona rural, como também da insegurança provocada pela organização terrorista Sendero Luminoso, que nas zonas mais remotas do Peru continua teimosamente a existir.


Ao cenário já por si caótico do bairro pobre junta-se o caótico trânsito peruano que pode ser descrito em duas palavras: tangentes e buzinadelas.


O colorido tesouro de Chinchero

A nossa primeira paragem foi em Chinchero. Ao contrário do dia anterior, onde pouco tínhamos visto, descobrimos desta feita algo que nos tinha então passado ao lado: a actividade têxtil tradicional que as artesãs desta comunidade mantêm bem viva na forma de associações locais. Logo à entrada de um dos vários centros de produção, fomos recebidos por um simpático grupo de alpacas, camelídeos muito parecidos com os lamas mas mais dóceis, mais pequenos e com uma lã muito mais suave e, por isso, muito apreciada. A diferença reflecte-se bem no preço das peças!


Um bicho com mais simpatia que bom gosto, a crer pelo penteado.

Fomos em seguida convidados a sentar sob um dos telheiros de colmo onde uma das senhoras nos serviu um chá de folha de coca acabado de fazer (e que até soube bem dado que estava assim para o frescote) e, enquanto bebericávamos esse chá, assistimos a uma pormenorizada explicação sobre o processo de fabrico artesanal dos tecidos andinos.

Sendo já claro que provinha de lamas, alpacas e ovelhas, ficámos a conhecer os processos de corte, lavagem, com "champô inca" que, segundo ela, -"Deixa a lã bem branquinha e mantém o cabelo das senhoras sempre preto." e, finalmente, a fiação. 

Já em fio, a lã pode ser tingida com várias cores, a maior parte de origem vegetal, havendo ainda outras de origem mineral e... até animal. A cor vermelha, por exemplo, é obtida a partir da cochonilha, o pequeno insecto parasita que não serve só para tingir tecidos. Também é usado como corante alimentar (quando encontrarem um tal de aditivo "E120" no rótulo de um alimento, já sabem do que se trata) e até como corante para cosmética, como aliás a Jessica fez questão de demonstrar, esmagando um pequeno grupo de cochonilhas e passando o resultado pelos lábios. -"Por aqui é um batom bem barato e fácil de obter. Dura 24 horas ou 100 beijos!", disse-nos, provocando uma risada geral.  


Para tingir a lã é necessário que esta ferva durante algum tempo numa infusão do corante que lhe dá o tom desejado. Após a secagem, a cor torna-se permanente, por muito que a lã seja lavada.


Concluído o processo, os fios são ordenados já tendo em mente o padrão de cores que se vai dar ao tecido, usando-se para isso duas estacas cravadas no chão. Daí sai directamente para o tear, um bem diferente daqueles a que estamos habituados, visto que uma das extremidades do tear é amarrada a um poste ou uma árvore enquanto a outra é amarrada à cintura da própria tecedeira. O resultado final é um tecido colorido com padrões diversos, cujo conhecimento é transmitido oralmente de geração em geração, simbolizando sempre algo relacionado com o universo andino, material ou não.



Preparação dos fios antes da passagem ao tear.



O tear típico, bem diferente dos nossos. os padrões são obtidos intercalado os fios do conjunto, conjugando devidamente a posição das ripas de madeira. Para evitar que os fios fiquem embaraçados, usa-se um osso pontiagudo, normalmente de lama. -"Este é de um turista que não nos quis comprar nada." atirou a Jessica com ar grave.



Na explicação pormenorizada dos padrões de uma peça que acabámos por comprar (nem poderia ser de outra forma, dado o amor que temos ao nosso esqueleto), descobrimos condores, lamas, garras de puma entre outros. 


Moray, um sofisticado laboratório de investigação agrícola


Pouco depois de termos saído de Chinchero com destino a Moray, trocámos a estrada de alcatrão por uma de terra batida que percorre o planalto à vista dos montes nevados envolventes. O sítio de Moray não se avista senão de perto, dado que foi construído aproveitando algumas depressões naturais do terreno. Isso faz com que o impacto visual do sítio seja bastante forte, mesmo que saibamos o que vamos ali ver. A dimensão e organização dos vários socalcos em círculos concêntricos, num total de quatro grupos, um maior e três mais pequenos, é impressionante!

Mas pare que servia afinal este local? A hipótese mais comummente aceite é que se tratava de um laboratório agrícola, destinado a testar a adaptabilidade das várias espécies cultivadas a diferentes climas e altitudes, permitindo seleccionar as melhores sementes para as diferentes zonas do Vale Sagrado. Esta tese apoia-se em parte na diferença de temperatura que é possível registar entre socalcos do mesmo grupo.

Nestes socalcos foi construído um elaborado sistema de irrigação, cujos canais chegavam a todas as plataformas de cultivo, sem excepção.


O impacto visual do sítio é tremendo! Ampliando a foto (com um clique) é possível ver algumas pessoas junto aos socalcos, o que dá uma noção da escala.


Quanto à drenagem, o próprio solo já por si era bastante poroso, o que facilitava o processo. Ainda assim, os Incas aplicaram aqui o sistema habitual de construção dos socalcos com camadas de diferentes tipos de solos. As primeiras camadas eram de materiais que facilitavam a drenagem (pedra e areão) e sobre estas era colocado o solo fértil para cultivo.



Outra perspectiva do maior grupo de socalcos, com vista das montanhas para lá do Vale Sagrado.


O ouro branco de Maras

Deixando Moray para trás, seguimos viagem rumo a Maras, para visitar um local cuja importância sobreviveu ao passar dos séculos sendo ainda hoje fundamental para a economia local. Trata-se das Salinas de Maras, um local de extracção de sal por evaporação da água, a mais de 3.000 m de altitude!



Depois de passarmos pela pequena comunidade de Maras, chegámos à vista das Salinas por uma estrada estreita e com dois sentidos de circulação, sem qualquer barreira de protecção que nos separasse da ravina, o que fez com que alguns dos passageiros soltassem algumas expressões de inquietação quando o Sr Jesus tinha de conduzir mais próximo da berma.

As Salinas de Maras, com o Vale Sagrado em segundo plano

As Salinas de Maras funcionam ininterruptamente há já alguns séculos. Presume-se que o sal já seria aqui explorado antes da chegada dos Incas, que continuaram a actividade mas aperfeiçoando o processo, implementando um sistema de pequenos tanques escalonados. A exploração é sazonal, fazendo-se somente na época seca, de Maio a Novembro. Durante a estação das chuvas, o caudal da água destrói muitos dos tanques, obrigando à sua reconstrução antes do retomar dos trabalhos na época seguinte. 

É interessante constatar que todo este conjunto é alimentado por um pequeno curso de água que brota na zona mais alta do vale e que depois percorre o intrincado sistema de canaletas entre os tanques de extracção de sal, sendo redireccionado conforme as necessidades. A salinidade desta água resulta do contacto de um lençol freático com um depósito salino subterrâneo, gerado pelo aprisionamento de grandes quantidades de água do mar durante o processo de formação das montanhas, há cerca de 110 milhões de anos atrás. 


A nascente do curso de água que alimenta as Salinas de Maras. Na foto percebe-se bem seu o teor de sal, que quase provoca hipertensão só de olharmos para ela.

Às famílias de Maras cabe ainda hoje a responsabilidade de explorar o sal deste local, o que não quer dizer que um forasteiro não possa também aqui trabalhar. Para tal, tem de pedir autorização à comunidade local que depois decide sobre a concessão ou não de um tanque que esteja livre.

A beleza deste local, com os tons brancos e rosados (resultantes dos vários minerais que a água transporta) que contrastam com o ocre predominante no meio envolvente, é quase hipnótica.



Um trabalhador transporta o sal para o topo do vale.



Momento de pausa, tanto no pequeno abrigo como ao longe, entre montes de sal.



Os canais de circulação de água entre os tanques são aqui bem visíveis.


A postos para o Trilho!

Com as visitas ao Vale Sagrado e aos arredores de Cusco, rapidamente chegámos ao dia da véspera da nossa partida. Como combinado, ao fim da tarde fomos até à sede da agência que tínhamos contratado para nos acompanhar ao longo do trilho, para o briefing prévio.

Tratou-se do primeiro contacto com o grupo e com um dos guias, que nos deu as informações essenciais sobre o percurso e sobre como iriam decorrer as etapas. O primeiro contacto com aqueles que viriam a ser os nossos companheiros permitiu-nos perceber que ali tínhamos todos algo em comum: estávamos ansiosos pelo início da caminhada!



A seguir:


O início do trilho!

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...