terça-feira, outubro 06, 2015

Caminho Inca, Parte 3 - O Vale Sagrado dos Incas

Ainda com alguns dias pela frente antes de começarmos o Caminho Inca, não podíamos desperdiçar a oportunidade de visitar alguns dos locais mais importantes da região de Cusco. Por isso, tanto em visitas guiadas como de forma autónoma (usando o peculiar sistema de transportes públicos da região) percorremos o planalto de Chinchero e o mítico Vale Sagrado dos Incas, onde a Via Láctea se confunde com o rio Urubamba. O que encontrámos mudou a nossa maneira de ver o Peru e os Incas.

Logo pela manhã, entrámos no autocarro que haveria de nos levar até ao Vale Sagrado. Para facilitar as coisas em termos de transporte, optámos por uma visita guiada, inscrevendo-nos numa das agências existentes perto da Plaza de Armas. O percurso iria levar-nos sucessivamente às comunidades de Pisac, Urubamba, Ollantaytambo e Chinchero, com uma primeira e breve paragem na pequena comunidade de Corao, uma povoação muito modesta, onde a maior parte das casas é construída em tijolo de adobe.


Corao, tijolos de adobe a secar ao Sol. Com tanta matéria prima à volta, construir casas fica bem em conta. 



Uma das ruas de Corao, com os inevitáveis camelídeos para turista ver e uma pequena loja.


O Vale Sagrado é o nome pelo qual é conhecida uma secção do vale pelo qual corre o rio Urubamba (ou também Vilcanota, entre outros nomes), sendo actualmente considerado o coração do Império Inca. Ao longo do Vale Sagrado, encontram-se numerosas ruínas incas o que é compreensível dado que este vale era um autêntico celeiro do império. Para uma sociedade eminentemente agrícola como era a Inca, é fácil hoje em dia compreender a importância que este vale terá então tido, sobretudo quando após vários quilómetros numa sinuosa estrada que corre entre altas montanhas, nos deparamos com este vale largo, cheio de terrenos de cultivo a perder de vista.

Para os Incas, que construíram várias cidades ao longo do vale, para além de outras estruturas, este vale terá tido um significado ainda mais profundo. De facto, os Incas acreditavam convictamente que o que viam no céu, nas grandes manchas escuras entre aglomerados de estrelas e nas próprias constelações, tinha reflexo na sua realidade imediata. Os lamas, pumas, raposas, serpentes e outros animais que viam no céu eram a fonte dos animais que caminhavam à sua volta. Sendo assim, o alinhamento quase perfeito do vale com o ramo da Via Láctea motivou a crença de que o rio Urubamba era o prolongamento ou o reflexo do grande Rio Celestial que viam no céu.

Pisac, a cidade da Perdiz


Pisac, nas margens do rio Urubamba

A actual comunidade de Pisac ou, melhor dizendo, a "vila colonial de Pisac", foi fundada pelos espanhóis no quadro da "relocalização dos índios", política levada a cabo para reorganizar o território e deslocar os indígenas para locais mais facilmente acessíveis e controláveis. A antiga cidade Inca situa-se no monte imediatamente acima da actual vila, sendo os seus socalcos agrícolas bem visíveis à distância.

Há várias teses quanto à origem do nome "Pisac" sendo que se acredita que o nome venha do quechua "P'isaq" que é o nome de uma ave semelhante a uma perdiz, havendo até que defenda que a zona urbana junto ao templo do Sol é na verdade um geoglifo que representa essa ave.


Pisac, com as suas diferentes zonas. Os socalcos dominam a paisagem enquanto as áreas edificadas se situam nos dois extremos da fotografia. Acima das construções da esquerda, sobre a pequena elevação que aí se vê, situava-se o Intihuatana, o Templo do Sol.


Aspecto do sector urbano mais a Norte (direita da foto anterior) denominado Qallaqasa. No limite dos socalcos percebe-se a muralha que delimitava a cidade.


A antiga cidade Inca, que se estima ter tido cerca de 600 habitantes, estava dividida 4 zonas edificadas distintas, para além da zona agrícola e da zona funerária. Essas 4 zonas edificadas dividem-se entre áreas de habitação, áreas de culto, armazéns e até áreas militares. Sobre a necrópole importa dizer que, para os enterramentos, foram aproveitadas as cavidades naturais de uma encosta abrupta junto à cidade, tendo até agora sido contabilizados mais de 1.500 túmulos. Nada de mais se pensarmos que a cidade foi fundada no século XV e perdurou até meados dos século XVI.



Vista da zona funerária, para a qual foram aproveitadas e alargadas as cavidades naturais aí existentes.

Como sempre acontece nas construções incas, os edifícios mais importantes tinham uma construção mais cuidada e impressionante, com pedras de maiores dimensões e sem ligante entre si, ao passo que as áreas residenciais do povo tinham uma construção mais rudimentar, em pedra pequena e barro. As paredes eram depois revestidas com adobe ou argila e caiadas de branco, podendo ter partes pintadas em vermelho ou amarelo vivo e até representações de animais.



Aspecto da Qallaqasa com construção mais rudimentar das casas.


Sector Este da cidade, avistando-se algumas construções que terão servido principalmente como armazéns. Os celeiros eram sempre construídos em locais mais expostos. Sabem porquê? Mais abaixo explico.

Terminada a visita às ruínas, fomos até à vila actual de Pisac para apreciar a mestria do trabalho de joalharia em prata, uma das artes herdadas dos povos pré-hispânicos que aqui se mantém bem viva. A prata desta região é trabalhada com um grau de pureza acima da média, fazendo dela uma referência a nível mundial. Os visitantes podem assistir aos trabalhos e depois visitar as exposições para eventuais compras, sendo seguidos -de bem perto!- por um dos vários funcionários que mantêm sempre os olhos bem abertos, não vá um dos potenciais clientes levar uma das peças e esquecer-se inadvertidamente de pagar.


Os táxis do Vale Sagrado e os deliciosos porquinhos-da-Índia

Depois de uma rápida passagem pelo famoso mercado tradicional de Pisac, voltámos ao autocarro para seguir rumo à cidade de Urubamba, onde nos aguardava o nosso almoço. No caminho deparámos-nos com os moto-táxis, pequenos veículos de transporte de passageiros que por aqui são extremamente populares. Há-os até que têm uma pequena caixa aberta à rectaguarda, sendo possível vê-los a transportar mercadorias e bagagens.



Um dos moto-táxis do Vale Sagrado, com um certo toque tunning.

No caminho, sobretudo ao passar pela comunidade de Lamay, vêem-se várias "Cuyerias", nada mais nada menos que restaurantes onde se serve um prato nacional peruano: o Cuy, isto é, o porquinho-da-Índia. Embora a ideia de comer um animal de estimação nos pareça estranha, no Peru é um dos pratos mais populares, sendo os Cuy criados como coelhos. O nosso guia, percebendo o espanto perante esta iguaria, perguntou a certa altura se tínhamos algum destes bichos como animal de estimação. Tendo recebido uma resposta afirmativa por parte de uma das senhoras presentes, retorquiu: -"Nesse caso, aconselho-a vivamente a sacrificar e comer o animal. Vai- ver que é delicioso!". A gargalhada geral que se seguiu contrastou com o ar desconcertado da senhora. Este foi um prato do qual nos abstivemos durante toda a nossa estadia no Peru.


À frente de uma das "Cuyerias" de Lamay, um homem tenta aliciar potenciais apreciadores de gastronomia peruana segurando uma espetada de... porquinhos-da-Índia. 


Ollantaytambo, a cidade inca guardada por um deus



A invulgar povoação de Ollantaytambo, caso único no Peru

Ollantaytambo seria, tal como Pisac, um centro político, religioso e administrativo, como pequenas capitais regionais na órbita de Cusco. O seu nome ainda motiva muita discussão mas duas hipóteses têm neste momento mais força: a primeira que diz que o nome virá do termo aymara (uma língua pré-inca ainda hoje falada por alguns milhões de habitantes) "Ullantawi", significando "Observatório" ou Torre de Vigia. A segunda hipótese baseia-se no nome de um general Ollanta, sendo "Tambo" um termo quechua que significa "lugar de descanso".

Para lá da impressionante construção da parte mais alta da cidade, encavalitada numa elevação, há vários outros factores que fazem de Ollantaytambo um local singular.

Em primeiro lugar, constitui o caso único no Peru de uma povoação que mantém o traçado inca da sua planta e de boa parte das construções. As ruas rectilíneas desenham a planta ortogonal original da cidade, sendo bem visível o aparelho inca de construção nas bases dos muros. É uma autêntica aula viva de História e uma janela privilegiada para a paisagem humana de há quase 600 anos atrás.



Os socalcos agrícolas


Vista da parte mais alta de Ollantaytambo, onde se situava o templo do Sol.

Em Ollantaytambo, cidade que terá tido aproximadamente 1.000 habitantes durante o império Inca, há dois antigos espaços sagrados que se destacam. O primeiro é o Templo da Água, uma fonte ceremonial dentro de um espaço fechado onde decorriam os rituais relacionados com este culto. Tem a interessante particularidade de, no solstício de Inverno (21 de Junho), os raios de Sol incidirem directamente sobre a fonte, tendo provavelmente sido palco de cerimónias religiosas associadas ao calendário Inca.



A fonte ceremonial no Templo da Água. A 21 de Junho, os raios de Sol incidem directamente sobre a bica desta fonte.

Outro local fascinante é o do observatório solar ali mesmo ao lado. Os Incas, tinham a agricultura como base da sua economia pelo que era fundamental regular a sementeira e colheita das mais de 2.000 espécies de batata e 200 espécies de milho de que dispunham, entre outros tipos de cultura (incluindo a sagrada coca). Para regular o calendário agrícola, os Incas apoiavam o seu conhecimento do clima e do tempo na observação astronómica, o que resultava na construção de observatórios. Embora com uma evidente conotação religiosa, os Incas desenvolveram os seus conhecimentos e domínio dos fenómenos astronómicos de forma notável.

Em Ollantaytambo, o observatório solar permitia, através da evolução da projecção das sombras de 3 grupos de saliências ao longo do ano, determinar a ocorrência dos solstícios de Inverno e Verão, conforme as sombras estivessem projectadas sobre os degraus da base ou sobre os entalhes da parede rochosa. 

O observatório solar junto ao templo da Água, um dos vários observatórios que existiam na cidade.

Subimos então por uma bem íngreme escadaria, ao longo dos vários socalcos, e foi curioso ver que alguns ainda hoje são cultivados, como não podia deixar de ser com "papas", isto é, batatas. Ao chegar ao topo, continuámos por um estreito caminho empedrado, em direcção ao templo do Sol e demais estruturas circundantes.



Plantação de "papas" num dos socalcos de Ollantaytambo. 


Chegados à antecâmara, detivemos-nos a apreciar a vista privilegiada para o actual núcleo da povoação e para a montanha para lá dele. Chamou-nos a atenção a forma como os edifícios pareciam desafiar a gravidade, colados que estavam ao flanco da montanha, mas o melhor foi quando o nosso guia nos chamou a atenção para a gigantesca formação rochosa que se encontrava entre as construções, olhando-nos de soslaio. Tratava-se de Tunupa, o deus Inca que fecundava a terra e a água, com o fogo celeste e as suas lágrimas, sendo também capaz de soltar o fogo que mora nas profundezas terrestres. Está ali, diz-se, enviado pelo criador de tudo, o deus Wiracocha.   



Chegados junto do templo do Sol, pelo trilho que se vê à esquerda e que, pela reduzida largura e visão privilegiada para a zona baixa do vale, chegou a provocar alguma inquietação incómoda na zona baixa abdominal de alguns dos presentes,  deslumbrámos-nos com a vista. Do outro lado da povoação, empoleirados na montanha, avistam-se edifícios empoleirados na montanha e um deus que nos olha de volta. Os edifícios que se encontram à direita deste eram armazéns, onde os cereais colhidos nas zonas agrícolas eram armazenados. A localização, sempre em local destacado, não era inocente. Destinava-se a garantir a melhor ventilação possível dos preciosos grãos, para ajudar à sua conservação.

Pormenor da foto anterior com o rosto do deus barbado destacado digitalmente. O que é espantoso e que mostra que o rosto terá tido um significado de grande importância para os Incas, é que sobre a sua cabeça foi construído um edifício, como se de uma coroa se tratasse. Mais à esquerda, noutra saliência da montanha, encontrava-se (mais) um observatório solar. Numa excessiva coincidência, eram este observatório e a "coroa" de Tunupa, juntamente com o próprio templo do Sol de Ollantaytambo, as primeiras construções deste recanto do vale a iluminar-se na manhã do solstício de Inverno.


Os construtores que não precisavam de ajuda extra-terrestre

O pouco que resta do templo do Sol consegue deixar-nos tão intrigados como impressionados, deixando à imaginação como seria o edifício caso estivesse completo. Os muros das estruturas ao redor do templo foram todos construídos com o mesmo aparelho ciclópico que tínhamos visto em Saqsaywaman (ver aqui), embora sem a mesma dimensão colossal. Grande parte destes muros foram destruídos pelos espanhóis, tendo muita da pedra sido utilizada na construção da igreja da actual Ollantaytambo. 

Reparando mais uma vez nas protuberâncias que se viam em algumas das pedras dos muros, aproveitei a deixa para perguntar sobre qual seria o seu propósito. A resposta foi pronta -"Suspeita-se que tenham servido como pontos de amarração de cordas para transporte das pedras. Isso vê-se em algumas pedras, em várias das construções incas mas, depois de colocadas as pedras, essas protuberâncias eram removidas." (recordar aqui). Aproveitando a deixa, decidi que era hora de, finalmente, ficarmos a saber a verdade. Por isso, olhei o guia nos olhos e atirei a pergunta: -"Então não foram os aliens?", ao que o guia esboçou um sorriso e respondeu simplesmente -"Não, não foram os aliens.", motivando o riso dos que estavam presentes. Pareceu-me sincero.

Do templo propriamente dito sobra apenas uma parede, na qual ainda se conseguem perceber os pumas e as chamadas "cruzes andinas" escalonadas que aqui estavam esculpidas em relevo e que depois foram picadas pelos espanhóis, no quadro da purga da idolatria. A própria parede é constituída por 6 enormes blocos de granito vermelho, separados por pedras extremamente finas do mesmo material, todo este conjunto sobre um alicerce de pedras mais finas. Segundo o nosso guia -"Esta construção destinava-se absorver a energia libertada pelos sismos, tanto em oscilações horizontais como verticais. Reparem que inclusive as paredes tinham sempre alguns graus de inclinação. Estas construções eram totalmente resistentes a sismos.".

A parede do templo do Sol, com vestígios dos relevos dos pumas e cruzes andinas nas faces de pedras que pesam dezenas de toneladas.

Ao redor do templo, blocos espalhados e irregulares corroboram a tese de que o templo do Sol estava ainda em construção quando os espanhóis chegaram. -"Os trabalhos foram interrompidos mas isso acabou por ter um lado bom, ao permitir-nos perceber mais sobre a forma como decorriam os trabalhos de construção. Sabemos que os blocos eram extraídos das pedreiras e transportados até ao local de construção, onde eram talhados, polidos e encaixados uns nos outros. Sabemos, pelas ferramentas encontradas, que usavam ferramentas de cobre,  hematita ou obsidiana para os cortes e os mesmos materiais ou até rocha de dureza igual para polir."

A questão impõe-se: de onde vieram afinal estas pedras do templo do Sol? -"Pelo tipo de rocha, granito vermelho, sabemos que terão vindo de uma pedreira que fica a 7km daqui. A rocha era grosseiramente cortada e, através de uma rampa cujos vestígios ainda existem, vinham até ao fundo do vale. Aí o rio seria certamente usado como via de transporte, sempre na época seca, com o caudal mais baixo, para permitir uma viagem menos atribulada. Para depois subir até aqui, usavam outra rampa que ainda é visível.". 

Como alguns pareciam estar cépticos, abriu um livro e mostrou uma fotografia onde se via uma pedra de algumas toneladas a ser puxada com cordas por várias pessoas em trajes tradicionais andinos. -"Um arqueólogo fez uma reconstituição para tentar perceber como eram transportadas as pedras. Pelos vistos, correu bem.". Nada descabido até porque num império com 10 a 12 milhões de habitantes e onde um imposto era pago em trabalho, era usual ter milhares de homens a trabalhar nos projectos mais importantes.


Blocos semi-trabalhados junto ao templo do Sol que contribuem para ilibar os seres extra-terrestres da responsabilidade das construções do império Inca.

Para terminar acrescentou um último pormenor: -"Vejam aqui (apontando para uma pequena pedra cilíndrica sob uma grande pedra que estava deslocada sobre o muro) este elemento. É uma pedra ainda fora do seu sítio com um cilindro que ficou esquecido por baixo dela. Servia para ajudar a mover as pedras para a sua posição final.". 

Após esta lição sobre construção inca, tirámos mais algumas fotos à paisagem e descemos novamente por entre os socalcos. Estava na hora de continuar a nossa viagem, deixando o Vale Sagrado para subir até ao planalto de Chinchero, onde nos esperava uma grande festa. 



Degrau a degrau, de regresso ao autocarro. Em sentido contrário ouvia-se apenas a respiração ofegante de quem chegava.



A caminho de Chinchero, uma vista privilegiada para a cidade de Urubamba.


Chinchero, uma festa à nossa espera


Às portas de Chinchero, pensámos ter um comité de recepção à nossa espera. Afinal não.


Ao chegarmos a Chinchero fomos surpreendidos pela agitação da festa popular que aí decorria. Subindo a custo porque, como percebemos depois, estávamos a quase 3.800m de altitude e era necessário controlar bem a respiração e dosear o esforço, caminhámos até ao largo da igreja.

Aí o colorido das bandeiras, a música, as diversões e locais de venda de alimentos (a Ana ainda provou a maçaroca de milho branco cozido) e bebidas criavam um ambiente extremamente cativante. Por todo o lado se viam os trajes tradicionais de Chinchero, onde se destacam o preto e o vermelho. Percebemos também que os trajes são aqui considerados verdadeiramente como trajes de festa e não apenas para vestir como relíquias em grupos de folclore. Ao longe, um grupo sentado ao longo de um muro partilhava uma grande garrafa de cerveja, bebendo em sequência do gargalo. Um ritual habitual, segundo o nosso guia. 

Devido à festa não foi possível visitar grande coisa em Chinchero. Ficam as fotos do colorido da festa:


A igreja de Chinchero, construída sobre um antigo templo Inca. Ainda se vê um dos muros com nichos trapezoidais de construção inca.



Uma habitante local passeando orgulhosamente o seu traje de Chinchero, diante de um muro Inca com indícios de restauro.




O bailarico ao som da banda.


Terminada a visita a Chinchero, já com o deus Inti a descer cada vez mais no horizonte, regressámos a Cusco. A Chinchero haveríamos de voltar outra vez, não para ver monumentos mas para aprender mais sobre um dos mais belos tesouros dos Andes. Isso e também para descobrirmos um local que prova o quanto os Incas estavam à frente dos europeus em termos agrícolas.


A seguir:

O tesouro de Chinchero, um centro de investigação Inca de fazer inveja e o branco que cobre um vale e que não é de neve. 

O último capítulo antes da partida para Machu Picchu




Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...