segunda-feira, setembro 02, 2013

Recriação histórica do Cerco de Almeida 2013

Como acontece todos os anos, o som dos mosquetes e canhões voltou a fazer-se ouvir nas muralhas de Almeida, com a recriação dos encarniçados combates de que esta vila foi palco há cerca de 200 anos atrás, durante a 3ª invasão francesa. Participaram nesta recriação mais de 200 figurantes (estimativa com o grau de precisão próprio do "olhómetro"), oriundos não só de Portugal como também de França, Reino Unido e Espanha. Sem ter tido oportunidade de assistir às recriações de Sexta e Sábado, decidimos não perder a de Domingo de manhã e, bem cedo, fomos até Almeida.

Com início previsto para as 10h da manhã, a recriação acabou por se atrasar e ainda bem. Assim, pudemos assistir a tudo desde o início. Durante mais de uma hora, os combates desenrolaram-se sobre as muralhas, terminando com a vitória das tropas francesas sobre as anglo-lusas e com a posterior evocação da memória das vítimas dos combates de 1810, que terão provocado 700 a 1.000 mortos.


A cavalaria prepara-se para o combate


No acampamento francês, também a infantaria se vai preparando


O desfilar das tropas, rumo ao campo de batalha



 O balcão do antigo quartel encheu-se de espectadores.


As tropas britânicas assumem as suas posições no terreno.


Tem finalmente início o ataque das tropas francesas


A cadência de tiro é dificultada pela complexidade da preparação dos mosquetes


A pouco e pouco, as tropas napoleónicas progridem no terreno com o apoio da artilharia


A resistência dos portugueses é tenaz


Os franceses tentam assaltar as posições aliadas


Dois batedores tentando perceber o posicionamento francês no terreno. Detectados, serão pouco depois obrigados a fugir.


Mais uma violenta carga da infantaria francesa sobre as posições anglo-lusas


A artilharia francesa continua a bombardear as posições aliadas


Uma carga de cavalaria britânica tenta neutralizar a artilharia francesa


A situação fica de tal maneira escaldante que até surgem pequenos focos de incêndio no terreno 


Uma vez que os mosquetes se revelam pouco eficazes nessa tarefa, outro tipo de soldado é chamado a intervir para extinguir o fogo.





Os últimos momentos da resistência anglo-lusa

A carga final das tropas francesas sobre o último reduto anglo-luso

Embora extremamente interessante, esta reconstituição pecou por vezes por falta de coordenação entre os intervenientes e por alguns momentos de "acalmia", embora compreensíveis dada a heterogeneidade dos participantes e o calor que se fazia sentir. Ainda assim, gostei mais da recriação a que assisti há 3 anos atrás (clicar aqui para o artigo e aqui para o vídeo), que também terá beneficiado da progressiva mudança de cenário.

Independentemente do seu nível de perfeição, este tipo de recriações são de extrema importância para a preservação da memória daquela época tumultuosa da História de Portugal e há inevitavelmente que dar os parabéns a quem anualmente leva a cabo esta iniciativa. O enquadramento paisagístico, esse sim, é inevitavelmente perfeito e merece só por si uma viagem a Almeida.

Para finalizar, convém ter em conta que esta reconstituição foi meramente simbólica. Aquilo que aconteceu naquela tarde de Verão de 1810 foi bem diferente do que foi retratado sobre as muralhas da Estrela da Pedra.


O que realmente aconteceu no cerco de Almeida

Perante a nova invasão francesa, o comandante das tropas anglo-lusas, o Duque de Wellington, definiu uma estratégia de recuo progressivo, desde a fronteira com Espanha até às Linhas de Torres, aplicando uma política de terra queimada de forma a criar atrito no exército francês, tanto em termos materiais como humanos. A espectacular fortaleza de Almeida tinha um papel bastante importante nessa estratégia. 

Tendo sido devidamente abastecida e guarnecida, esperava-se que Almeida resistisse durante alguns meses, obrigando os franceses a retardar a sua marcha ou, na pior das hipóteses, a empenhar ali parte das suas tropas. Infelizmente, nos primeiros dias do certo, um tiro de canhão extremamente feliz acertou em cheio no pátio do castelo medieval, que estava a ser usado como paiol de munições. O resultado foi uma explosão catastrófica que arrasou não só o castelo mas também a maior parte da vila. A fortaleza, tornada indefensável, foi obrigada a render-se, passados que estavam apenas alguns dias de resistência.

O relato de um oficial francês sobre esse momento diz bem da violência da explosão:

"A terra tremeu e vimos um imenso tornado de fogo e fumo erguer-se no centro da Praça. Foi como a erupção de um vulcão - uma visão que não consigo esquecer após 26 anos. Enormes blocos de pedra precipitaram-se nas nossas trincheiras, matando e ferindo vários dos nossos homens. Canhões de calibre pesado ergueram-se dos muros e precipitaram-se longe destes. Quando o fumo se dissipou, grande parte de Almeida havia desaparecido e o resto era apenas um amontoado de destroços".


As ruínas do que foi outrora o castelo medieval de Almeida, nivelado pela terrível explosão de 1810.

O que resta do fosso dá ainda uma ideia do quão monumental seria o castelo


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...