quarta-feira, janeiro 16, 2013

Águas Radium, as ruínas da "febre da radioactividade"

Junto à localidade de Quarta-feira, perto da estrada que liga Caria (Belmonte) à belíssima aldeia histórica de Sortelha, ergue-se um imponente edifício de granito hoje em ruínas mas que, no seu apogeu, foi um importante centro de turismo e termalismo: o Hotel Serra da Pena. Contudo, aquilo que no início constituiu a razão da sua instalação e do sucesso, acabou por ser também aquilo que levou ao seu encerramento: a radioactividade das águas do local. No último Domingo estivemos por lá e registámos algumas fotografias que aqui partilhamos com vocês.

As ruínas do hotel Fraga da Pena.

A carcaça de uma máquina a vapor dá um certo encanto ao local. Será da época do hotel ou terá sido para aqui trazida para servir de decoração à loja de velharias/antiguidades que chegou a funcionar no edifício onde antes era a recepção, já muito depois do hotel ter fechado?

A tradição oral diz que o hotel terá tido origem pela acção de um conde espanhol, um tal de Dom Rodrigo (assim ficou conhecido por estas paragens), que nestas águas terá encontrado a cura para a grave doença de pele de que padecia a sua filha. No entanto, outra versão é contada por Maria Adelaide Salvado num artigo intitulado "As nascentes termais do interior da Beira - o caso das Águas Radium". Segundo ela, a descoberta das propriedades curativas destas águas aconteceu quando um engenheiro de minas alemão, que por aqui vivia e prospectava ao serviço de um espanhol de nome Enrique Gonsalvez Fuentes, quiçá o tal "D.Rodrigo" que o povo recorda, descobriu que o consumo desta água aliviava as dores provocadas por uma úlcera gástrica de que padecia.

Estávamos então no início dos loucos anos 1920 e, por esta altura, os elementos radioactivos eram considerados benéficos para a saúde. Um pouco por toda a parte, as empresas que comercializavam água engarrafada, procuravam que as suas águas fossem classificadas como águas radioactivas já que essa referência trazia prestígio e, por consequência, mais procura. Esta corrida sôfrega ficou conhecida como "febre da radioactividade".

A zona da recepção, a meio caminho entre a estrada nacional e o hotel.

Situadas muito próximas das minas de urânio da aldeia de Quarta-feira, exploradas desde 1910, foi pois com naturalidade que, em 1920, foram descobertas as propriedades radioactivas destas águas que brotavam de 3 nascentes então denominadas, muito a propósito, em documentos técnicos como "nascentes Curie", em referência à cientista francesa responsável pela descoberta do rádio, o elemento químico radioactivo. Há inclusive quem acredite que a própria Marie Curie por aqui teria estado durante 4 meses, uma vez que das minas saía muito urânio para os laboratórios de Paris da empresa francesa que as explorava. Ora, era nestes mesmos laboratórios que a cientista, duas vezes Prémio Nobel, trabalhava.

O hotel e as termas terão sido construídas pouco depois, tendo em 1922 sido obtido o alvará para a exploração das nascentes. A água não era apenas usada para o termalismo. Era também engarrafada para venda, com bastante sucesso, com o nome de Águas Radium, tendo mesmo sido consideradas como uma das mais radioactivas do Mundo, num congresso em Lyon, no ano de 1927. 

O edifício principal.


Em segundo plano o edifício principal e, em primeiro plano, uma adição de trabalhos recentes.

Bastante procurado, o hotel chegou a ter 90 quartos e capacidade para 150 pessoas. As suas águas, cuja nascente do Chão da Pena chegou mesmo a ser chamada de Milagrosa, eram procuradas para o tratamento de doenças dermatológicas, reumatismo, gota, hipertensão, colite, edemas, problemas do sistema circulatório, problemas renais, perturbações nutricionais, problemas gastrointestinais, entre outros.

Entre todas as suas características químicas, destacava-se a presença de sais de rádio e de radão, o gás bem conhecido por estas paragens e que justifica até recomendações oficiais para o arejamento frequente das casas, de modo a evitar a sua acumulação no interior das habitações.



Elementos arquitectónicos peculiares.


Aspecto de uma das portas laterais do edifício principal.


Escadaria lateral de acesso ao edifício principal.

Zona de captação de águas e lamas radioactivas. A água escorria pelas caleiras do chão, depositando a lama que depois era recolhida e usada para os tratamentos.


O complexo era inicialmente explorado pelo já citado Enrique Gonsalvez Fuentes mas as instalações termais foram entretanto arrendadas até 1940 à Sociedade Águas Radium Lda, de capitais franceses. (In)felizmente, começaram a surgir alguns alertas durante a década de 1930, acerca das possíveis consequências nefastas da radioactividade para a saúde. Contudo, o golpe fatal aconteceria durante a II Guerra Mundial, quando o Mundo tomou conhecimento, graças aos estudos no campo da energia atómica, das terríveis consequências que a radioactividade poderia ter para a saúde.

O Hotel numa altura em que ainda operava

Hotel Serra da Pena, finais dos anos 1940

O complexo foi entretanto vendido no seu todo a investidores ingleses mas, pouco depois, a frequência das termas começou gradualmente a decrescer, até ao seu definitivo encerramento em 1945, mantendo-se apenas o hotel em funcionamento. Este viria a falir no início dos anos 1950, sendo abandonado, enquanto, ali ao lado, a exploração mineira continuaria até 1961, acabando também por encerrar.


As clarabóias colocadas no solo do terraço, sobre os espaços de banho, fabricadas pela empresa londrina Haywards Ltd, uma empresa de painéis de vidro com raízes num loja de corte de vidro fundada em 1783 por um senhor chamado Samuel Hayward que teve, nada mais, nada menos que 26 filhos. A empresa acabou por encerrar nos anos 1970.


A zona de banhos... radioactivos, pois claro.


Os vestígios ainda existentes dão bem uma ideia do luxo que terá caracterizado o hotel Serra da Pena, neste caso no vestíbulo à entrada daquilo que era provavelmente a sala de jantar


Detalhe dos pavimentos do mesmo vestíbulo.


Mais tarde leiloado em Lisboa, o complexo foi adquirido por um investidor da região, que na altura tinha intenção de aqui instalar um hotel de luxo. No entanto, acabaria por vender o conjunto ao seu irmão que idealizou um projecto algo megalómano de construção de um  hotel, com piscinas, campos de golfe e termas. Contudo, exceptuando algumas intervenções menores no local, os trabalhos nunca chegaram verdadeiramente a arrancar e o futuro destas ruínas permanece incerto.

O edifício principal no qual apenas restam as paredes.


Outro aspecto do interior do corpo mais alto do edifício principal.





O único e imperturbável morador do local reside na cave, no antigo espaço de captação das águas


Sinalética rodoviária, junto à estrada.


O local tem feito nos últimos anos parte do imaginário das gentes desta região, havendo muita gente que recorda as suas brincadeiras nas ruínas do hotel e os mais idosos não esquecem os tempos em que inúmeras pessoas afluíam ao local para descansar ou usufruir das propriedades "curativas" do local. O espaço está arruinado e muitos são os grafitis por ali existentes, muitos hoje em local de acesso impossível mas é possível ainda sentir o luxo e a vida que noutros tempos aqui tiveram palco. É um local que vale a pena visitar... mas com cuidado. Já agora, levem a vossa própria água para o caso de terem sede.

Fontes (citadas com a devida vénia e agradecimento e cuja consulta se aconselha para mais informações / fotos): Restos de Colecção, Aerograma

Foto Água Radium: Restos de Colecção
Fotos antigas cedidas por Luís Ribeiro

Agradecimentos: À Ana, à Inês e ao Pipinho (Filipe Quinaz para os amigos) que fizeram deste um excelente dia, ao Jorge Portugal pelas dicas e ao Luís Ribeiro pela cedência das fotografias.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...