segunda-feira, janeiro 14, 2013

A culpa é do cão do dono?

Numa altura em que novamente os ataques de cães de raças tidas como perigosas estão na ordem do dia, e como sempre acontece perante estas notícias, vem-me sempre à memória um episódio no qual me vi envolvido durante a minha meninice.

Tinha eu a saltitante idade de 11 anos quando, num infeliz final de dia, fui atacado por um cão que pertencia à família havia já vários anos. O Leão era um rafeiro de médio porte (que, à escala própria da minha idade de então, me parecia bastante grande) que nascera de uma cadela, a Farrusca, que havia sido recolhida, já adulta e em estado semi-selvagem, pelo meu homónimo tio-avô.

Vivi com os meus avós durante 4 anos, convivendo portanto com o Leão durante todo esse tempo. Ele era um cão algo temperamental mas sempre dócil com as crianças. Aliás, permitia até que eu e o meu primo Alexandre nos sentássemos no seu dorso, transportando-nos até se cansar. No entanto, vários cães menores da aldeia foram alvo da sua fúria, alguns de forma fatal. Várias foram as queixas e os pedidos para que o Leão fosse abatido. Houve até quem tentasse fazer justiça por suas próprias mãos, como já muito mais tarde acabariam por confessar. Por exemplo, furioso pela morte do seu cão de estimação, um habitante da aldeia viu um dia o Leão passar perto da sua casa. Chamou-o e atirou-lhe um pedaço de pão no qual havia vertido algumas gotas de veneno. O Leão aproximou-se da oferenda, cheirou-a e, com uma descarada impertinência, levantou a pata traseira e acrescentou os seus próprios fluidos ao já embebido pedaço de pão, partindo em seguida.

Naquele fatídico fim de tarde, algures em Setembro, penso eu, eu estava na brincadeira com o resto da miudagem, na costumeira algazarra irrequieta. O Leão aproximou-se e ficou estático junto a mim, enquanto as brincadeiras prosseguiam. De repente, sem pré-aviso, atirou-se rosnando à minha perna esquerda. Fechou a mandíbula junto ao meu joelho, sacudiu algumas vezes e, tão inesperadamente como atacou, largou-me e partiu.

A minha primeira preocupação foi pedir aos meus amigos que nada dissessem ao meu avô pois ele de imediato mandaria abater o Leão. Abalado, fui para casa com uma estranha falta de força na perna e entrei discretamente no meu quarto. Aí, subi a perna das calças para, ingenuamente, averiguar se o ataque tinha deixado algum hematoma. Para meu horror, à minha frente destapou-se um buraco enorme na perna, através do qual conseguia avistar uma importante parte do tecido muscular daquela zona, e mais além!

Claro que foi impossível continuar a ser discreto. Em aflição fui a correr avisar os meus pais que, de imediato me levaram ao Hospital do Fundão onde fui suturado com cerca de uma vintena de pontos.

Quanto ao Leão, que no regresso do hospital se dirigiu ao carro de rabo a abanar, acabou mesmo por ser abatido. Creio que parte da minha meninice morreu no dia em que mo comunicaram pois, a única coisa que consegui sentir para além da tristeza, foi um enorme sentimento de culpa, por ter contribuído para a morte de um amigo de muitas brincadeiras, isto apesar de durante muito tempo ter sofrido  de cinofobia e, ainda hoje, carregar as marcas físicas desse episódio.

É legítimo culpar um cão? Um cão não se rege por princípios de moralidade, não tem noção de certo e de errado. É por norma o reflexo da forma como os donos agem (e não agem) perante ele. O Leão era, na sua essência um cão de rua, o chefe da matilha e portanto territorial. Naquele dia, a algazarra de meia dúzia de miúdos no seu território não lhe caiu bem, ou talvez não tenha concordado com o facto de eu estar a brincar com outros que não ele. Agiu de acordo com os seus instintos. Não devia ter perdido a vida por isso.

Chegando ao caso do Zico...

Nos casos de ataques de  cães de que vou tendo conhecimento na comunicação social, fico sempre com a sensação de negligência por parte dos donos. Este caso do Zico é paradigmático: para além de todas as considerações sobre se o meio familiar era ou não disfuncional, o cão vivia confinado a um espaço reduzido. Por outro lado, as declarações de relativização da importância do cão ("Ele já era para ter sido abatido há um ano!" e "Não tínhamos condições para manter o cão!") realçam que o mesmo era tido como um objecto sem valor pela família.

Entretanto há também interrogações que ficam no ar: por que motivo tinha aquela família aquele tipo de cão, sobretudo quando eles próprios admitem que não tinham condições? Abater o dito vai impedir que esta família volte a ter um cão? Em que circunstâncias decorreu o ataque? Há muita coisa que ainda se desconhece sobre este episódio. Para já, e infelizmente, a única coisa que se pode fazer é lamentar a perda de uma vida.
É claro que dificilmente o cão escapará ao abate, até porque, dado o seu historial, não acredito que uma família queira adoptar este cão e deixá-lo aproximar-se de crianças.

Creio que já é altura de legislar de forma mais dura sobre esta matéria, agravando as sanções sobre a posse ilegal de cães de raças ditas perigosas e sobre os requisitos obrigatórios para poder ter um deles. Mal treinado, mal tratado, um cão pode tornar-se perigoso mas, tal como acontece em relação às armas, perigoso mesmo é o seu dono não conhecer a relação causa-efeito que existe entre o gatilho e o cano e ainda considerá-la apenas mais uma peça do mobiliário lá de casa, colocando em risco todos os que o rodeiam.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...