quinta-feira, janeiro 26, 2012

Os radares que perseguem os veículos automóveis e não só...

Não se assustem! É apenas mais um sketch do incorrigível Rémi Gaillard, no qual o humorista se disfarça de radar de controlo de velocidade, controlando tudo o que se move. Para não variar, o sketch termina com a sua detenção. A ver e... gargalhar!

terça-feira, janeiro 24, 2012

Como identificar um maçom. O vídeo indispensável para os dias que correm!

Nos tempos que correm, muito se tem falado da maçonaria e da promiscuidade entre esta e a política. Ora, se em geral a opinião pública desconhece o que diabos é um maçom, esta tem por outro lado a certeza de que se trata de um indivíduo pernicioso, com um gosto por vestuário extremamente duvidoso, e que até pode ser portador de perigosíssimas doenças contagiosas.

Não sabendo quem são, quantos são nem onde estão, e sabendo que todos os dias nos podemos cruzar com um maçom na rua, ou até mesmo no elevador, importará pois esclarecer o cidadão comum sobre qual a melhor forma de identificar um maçom. Os sinais são inconfundíveis e foram recriados com extremo rigor pelos Monty Python neste sugestivo sketch que vale a pena visionar com atenção.


Perante isto, posso afirmar com todo o rigor de que estou certo de que aquele indivíduo, completamente desnudado e extremamente calmo, com quem nos cruzámos numa rua de uma aldeia, numa amena noite de 2005, era sem dúvida um maçom!

E eis que começa um novo e mui aliciante desafio...


"Sem memória, o mais inteligente dos homens nada é porque com nada se identifica."
João Bénard da Costa - 10-6-2008

De há uns anos a esta parte, mais precisamente desde 1998, tenho-me envolvido de forma crescente nas "guerras" em prol da defesa e divulgação do património histórico da Beira Interior. Fi-lo na forma de sites, um dos quais, actualmente em stand by, acabou por me valer o convite para a participação como orador em jornadas de arqueologia, e ainda na forma de projectos de investigação, um dos quais redundou na realização de uma exposição temporária que visitou sucessivamente a aldeia que foi objecto do projecto, a sede de freguesia e, finalmente, a sede do concelho.

A partir de ontem, é com imenso orgulho que me vejo perante um novo desafio, tendo sido escolhido para desempenhar o cargo de Presidente da Sociedade Trebaruna - Amigos do Museu do Museu Arqueológico do Fundão. Esta Sociedade, fundada em 2010, tem como missão coadjuvar o M.A.F. nas suas actividades, tendo no entanto a autonomia necessária para ter a sua própria agenda de actividades, no sentido de envolver a população do concelho do Fundão nas causas da cultura e do património histórico. Trata-se ao fim e ao cabo de uma plataforma que deverá ser capaz de despertar consciências para a importância do conhecimento e da preservação do património. O simples facto de suceder no cargo a um "monstro" da cultura como é o Mapone, um homem que merece desde há muito a minha admiração, ajuda a elevar ainda mais a responsabilidade inerente a este cargo.

Por outro lado, enche-me a satisfação o facto de poder contar com uma equipa formada por pessoas que têm tanto de admirável como de voluntarioso, em quem sei que posso confiar a 100%. À Leonor, ao Bruno, ao João, ao Fernando, à Ana, ao Mário e à Berta renovo os meus agradecimentos por terem aceitado acompanhar-me neste projecto. Não menos satisfeito fico por poder colaborar de perto com a equipa do M.A.F. que, pelo trabalho que têm desenvolvido, são sem dúvida um motivo de orgulho para o concelho do Fundão.

Agora é tempo de deitar mãos à obra!

Sociedade Trebaruna no Facebook: www.facebook.com/strebaruna

quinta-feira, janeiro 19, 2012

Um conto sobre plágio (vídeo)

Com base no "Um Conto de Natal" de Charles Dickens, a Biblioteca da Universidade de Bergen, na Noruega, produziu este vídeo onde, de forma divertida, aborda a questão do plágio e as consequências deste.

Um vídeo para ver, rir e... reflectir!


quarta-feira, janeiro 18, 2012

Plágios e plagiadores, a praga persistente

Se há coisa que me altera o sistema, mais ainda do que uma lata de feijão preto cujo prazo de validade expirou juntamente com o último Tiranossarus Rex, isso é sem dúvida... O PLÁGIO!
Ao longo dos últimos anos (agora que penso nisso, praticamente desde 1999), descobri várias vezes que textos ou fotografias da minha autoria (até sites!) haviam sido plagiados das mais variadas formas e por pessoas e entidades dos mais diversos quadrantes. Vejam alguns exemplos:

Os jornais!

Por exemplo, recordo-me de um artigo dedicado à Torre de Centum Cellas, publicado pelo jornal guardense Terras da Beira em Abril do ano 2000 e que era cópia do meu trabalho num site dedicado exclusivamente a esse mesmo monumento, que eu havia criado em 1998/99. Infelizmente só descobri isso alguns anos depois na versão antiga do site do jornal mas ainda assim enviei um e-mail, dirigido à redacção do jornal e ao seu director, manifestando a minha indignação. Sem resposta fiquei.

Por essa altura, também o jornal O Interior decidiu usar uma foto da minha autoria para ilustrar o artigo da semana numa rubrica dedicada ao património arqueológico. No artigo, dedicado à calçada romana do Tintinolho, acharam por bem copiar uma foto que eu publicara num portal que mantive durante muitos anos sobre arqueologia, o ArqueoBeira, e que hoje se encontra "em hibernação", dando-se ao luxo de recortar uma banda da foto de modo a excluir o logótipo de referência ao portal.

O design de um site!

Este portal arqueológico foi aliás bem fértil em plágios. Recordo-me de ter encontrado um site, dedicado creio eu à povoação de Loriga (ou algo parecido), que era cópia chapada do design que eu fizera para o ArqueoBeira. Ao consultar o código desse site, descobri que o autor do plágio nem sequer se dera ao trabalho de retirar algumas tags de código html que eu personalizara. Guardara as páginas do meu site e alterara visualmente o conteúdo. Ironicamente, o "artista" tinha disponbilizado um inquérito a perguntar às pessoas o que achavam do novo design do site. Fiquei fulo e enviei ao autor daquela brincadeira de mau gosto um e-mail de protesto, no qual usei várias vezes a palavra "processo". Desfez-se em mil desculpas e o site retornou ao design anterior em menos de 24h.

O ex-ministro!

Em 2005 ter um blogue de campanha era sinónimo de espírito inovador e não, como agora, uma obrigação. Nuno Morais Sarmento, ministro nos XV e XVI Governos Constitucionais, não fez por menos e criou um blogue chamado "Força Interior" para dele fazer um diário da sua campanha pelo Distrito de Castelo Branco, aquando das eleições legislativas de 2005.

A "postas" tantas, publicou um artigo intitulado "Regresso ao Fundão" no qual lamentava que uma gripe tenha afectado o seu programa e impedido de ir, entre outras localidades, à Aldeia de Joanes. Sempre partilhando os endereços dos sites das instituições que foi citando ao longo desse artigo, terminou o mesmo com a frase: "Deixo na fotografia deste post a imagem da Igreja de Aldeia de Joanes", um registo do que perdi,...". O artigo em questão era ilustrado com uma fotografia que eu tirara e colocara no meu portal no ano 2000, tendo-se abstido de fazer qualquer alusão ao mesmo. (Cliquem aqui para saber mais).
Voltando à actualidade, siga o plágio!
Há alguns dias atrás, fui alertado pelo Márcio para um e-mail que anda a circular sobre como evitar as portagens na A23 e que ele fez o favor de me reenviar. Ao abrir o anexo desse e-mail fiquei estupefacto ao verificar que alguém pura e simplesmente copiara INTEGRALMENTE os dois artigos que aqui publiquei sobre como evitar portagens na A23 entre Torres Novas e Castelo Branco e entre Guarda e Castelo Branco e colara tudo num documento de texto, tendo depois guardado o resultado em PDF, portanto um ficheiro cujo propósito é evitar a alteração do seu conteúdo, e tendo ainda o supremo desplante de assinar o seu nome em rodapé em todas as páginas.

Não é que este caso me afecte tanto como os anteriores, uma vez que o meu objectivo sempre foi o de fazer com que estas informações alcançassem o maior número possível de pessoas, de modo a lutar contra esta injusta imposição governamental mas, ver outra pessoa colher os louros por algo que não fez, é algo que me custa a digerir.

Poderão dizer que, ao serem copiadas, algumas das imagens mantiveram o nome deste blog. É verdade. Infelizmente, ao serem comprimidas durante o guardar do ficheiro, estas referências ficaram extremamente difíceis de ler e só alguém com a acuidade visual própria de um híbrido resultante do cruzamento entre uma ave de rapina e um piloto de aviação de combate as conseguirá detectar facilmente.

O que salta à vista é o nome do autor da infâmia: o Sr. João Mirrado. Não sei se o seu objectivo foi propriamente o de obter o reconhecimento pelo artigo ou se simplesmente foi o de ser elogiado pelo trabalho de paginação (que diga-se a verdade podia estar bem melhor). Também não consegui obter deste senhor qualquer resposta já que, tendo encontrado um suspeito no Facebook, enviei-lhe uma mensagem que ficou sem resposta. Quem cala consente ou não sabe o que é aquele número vermelho que está ali no canto superior esquerdo do Facebook?

Sobre este caso, faço minhas as palavras do Xamane, o nosso esmerado fotógrafo residente, que ao receber este e-mail respondeu ao remetente da seguinte forma:

"Com certeza não sabes mas este texto e mapas foram copiados, letra por letra do blog do David (http://dokatano.blogspot.com/), basicamente este João Mirrado fez um plágio integral.
Foi ao blog, fez cópia, fez paginação no formato PDF e difundiu pela NET com o nome dele.

A intenção não aparenta ser outra senão a de ajudar a difundir informação útil, daí o David não se ter importado, mas não deixa de ser caricato de no meio de tanto altruísmo do João Mirrado, este ter sentido a necessidade de se creditar por algo que não fez. Enfim, intelectualmente desonesto.
"

Ainda há esperança para o Mundo!

Felizmente, há quem ainda conheça o conceito de ética e não abdica dele quando confrontado com a perspectiva da utilidade do produto de outrém e já muitas vezes recebi pedidos de utilização de materiais da minha autoria. Tomem-se como exemplo os artigos sobre as alternativas às portagens. A sua utilização foi cedida com muito gosto, mediante pedido prévio, ao Jornal do Alto Alentejo.

Outro caso interessante e, devo dizer, gratificante foi o que ocorreu ontem quando descobri no site Portugal Romano alguns textos integrais ou excertos de textos e fotografias da minha autoria sobre sítios arqueológicos. Enviei imediatamente um e-mail a reclamar da situação e, pouco depois, o administrador do site respondeu-me com um pedido de desculpa, esclarecendo ainda que, tratando-se de um site colaborativo, os textos eram enviados por terceiros, sendo por isso difícil verificar a autoria dos mesmos.

Pouco depois, todas as referências desses textos e fotografias estavam rectificadas, sobrando deste caso apenas a excelente impressão com que fiquei do administrador do site.
Epílogo
O plágio causa-me profunda confusão. Custa-me perceber o recurso a um acto parasitário que se torna redutor para quem o pratica, ainda para mais quando, hoje em dia, é tão fácil descobrir a real autoria dos conteúdos em causa. Ao fim e ao cabo, o plagiador é como aquela pequena carraça que descobriu num canídeo andarilho a reconfortante perspectiva de poder engordar sem muito esforço... indiferente ao risco persistente de poder ser vítima de desparasitação.
Infelizmente há e continuará a haver, para mal dos pecados de quem com o seu esforço cria conteúdos, toda uma legião de plagiadores para quem a ética e as mais elementares regras morais perdem importância perante a necessidade de protagonismo.
Diz a minha mui estimada Ana Andrade que "fazer plágio é admitir que os outros pensam melhor do que nós". Não me ocorre acrescentar mais nada.

Foto (Morais Sarmento): Política Pura e Dura

terça-feira, janeiro 10, 2012

Fenómenos paranormais da Serra da Estrela - O mistério da Amy

Quem na Serra da Estrela circular pela estrada vindo da Torre em direcção à Lagoa Comprida, já perto desta, avistará à sua direita um aglomerado de blocos graníticos no qual se destaca um graffitti que diz simplesmente "Amy vem", não suspeitando que este maciço rochoso é o centro fulcral de um mito serrano do âmbito do paranormal, digno de William Gaines, e que tem naquela Amy da frase a sua personagem principal.


Os dizeres apelam à vinda da Amy mas, se esta aparecer mesmo e não estiver ninguém no local, poderá ser induzida em erro e rumar a Vizela se se fiar nas restantes inscrições.



Existem várias versões acerca de quem será esta Amy de que falo. A história mais comum que é contada é que este será o nome com que foi baptizada uma figura que surgiu numa foto aqui tirada por um casal, e que no local não foi contudo avistada. Outros dizem que se trata de uma espécie de mensageiro interdimensional, que procura trazer uma mensagem a quem a quiser ouvir. O que é certo é que no local abundam as dedicatórias à misteriosa Amy, variando nas suas formas e dimensões.

O local da aparição. Por momentos, quando aqui passei pareceu-me avistar a Amy. Afinal era um arbusto ligeiramente queimado pelo gelo e com um ramo quebrado.



Entre rochas várias destaca-se esta constelação pétrea amarela com diversas mensagens, sendo a estrela central dedicada à própria Amy. Segundo esta, o autor deste aparato terá conseguido perceber a mensagem da Amy, acrescentando a referência a Jerusalém para além de um código insondável. Nas restantes estrelas é possível ler "Deuses do Sol, dai-me a vossa benção e luz", "Espíritos, desejo-vos a todos", "Extraterrestres, iluminai-me do céu", "Intraterrestres, contactai-me com a verdade" e, finalmente, "Terrestres, não vos compreendo".



Qualquer pessoa mal informada poderia pensar estar em presença de alguém que procura arranjar forma de conseguir iluminação através de energias alternativas e que, olhando à última mensagem, vem colocar o dedo na ferida relativamente à situação que qualquer pessoa consegue constatar no local: os telemóveis têm aqui pouca rede.



Outra sinalética que ali se encontra assinala a conclusão de um estudo, realizado entre 1990 e 2011, por alguém que apenas assina "MS" e que agradece aos mesmos seres referidos nas estrelas anteriores, alertando ainda para o perigo que é não respeitar aquelas rochas misteriosas. Fá-lo aliás de forma inusitada e até algo anacrónica pois tenho para mim que não é boa política escavacar uma rocha para colocar um pedido de que se respeitem as rochas do local.

Seja verdade ou seja mentira, sejam os avistamentos provocados pela altitude ou provocados pelo facto de ser um local propício a convívios bem regados e defumados ou, pelo contrário, seja realmente o local de um portal interdimensional, através do qual transita uma verdadeira panóplia de seres de outro Mundo, este sítio tem pelo menos o grande atractivo de proporcionar uma vista fenomenal sobre a bacia do Mondego a Norte da Estrela.



Aconselho pois a que se detenham neste sítio e que se maravilhem com o que daqui avistam. Quem sabe? Pode ser que tenham o prazer de conhecer a Amy.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...