sábado, dezembro 29, 2012

O caso do envelope perdido

Anteontem, ao sair do escritório a horas pouco recomendáveis, dirigi-me ao carro para voltar para casa. Era o único veículo que por ali se encontrava estacionado àquela hora e, na rua, não se via vivalma. Também, -pudera!- com o frio que se fazia sentir, qualquer pessoa no seu perfeito juízo não se atreveria a sair de casa!

Ao chegar junto do carro reparei num envelope caído no chão junto ao carro. Peguei nele e verifiquei que estava fechado embora fosse possível perceber que continha alguma coisa. Ao abri-lo deparei-me com isto:



O primeiro pensamento foi logo "Eishhh que a alguém deve estar neste momento mais ralado que queijo parmesão antes de saltar para cima de uma bolonhesa!" No entanto, logo as preocupações se dissiparam quando, ao retirar aquilo que parecia ser um maço de notas de 100 euros, constatei que na verdade alguém colocara um guardanapo com uma decoração mitológica dentro do envelope.


Ele há com cada brincalhão!...



sexta-feira, dezembro 28, 2012

Castelo Novo no calendário da revista da National Geographic Portugal deste mês!

A edição de Janeiro da National Geographic Portugal inclui um calendário de 2013 que, desta feita, é dedicado às Aldeias Históricas de Portugal. Se só por si já é um excelente motivo de interesse por vários factores, mais será ainda, pelo menos para nós, pelo facto de a fotografia dedicada à Aldeia Histórica de Castelo Novo ter sido originalmente publicada no Blog do Katano pelo nosso mestre fotógrafo Pedro Brito (Xamane para os amigos menos próximos).

Trata-se de uma fotografia simplesmente fantástica que retrata a notável aldeia histórica do Concelho do Fundão sob um nevão em 2009, registada graças à perspicácia (e total desrespeito pela temperatura capaz de soltar o ultracongelado que há em nós, digo eu) do Pedro, no regresso de uma jornada laboral em Castelo Branco.



Esta foto foi também incluída no "I Catálogo de Bens Culturais da Beira Interior", publicado também em 2009 pela Sociedade dos Amigos do Museu de Castelo Branco, dando corpo à associação de cerca de 50 pessoas dos 11 municípios do distrito.

Vale bem a pena ir até à banca mais próxima, comprar esta edição da NG, que inclusive assinala neste número o seu 125º aniversário! Já agora, quem já tiver adquirido a revista, informe-nos por favor sobre qual foi o mês atribuído esta fotografia uma vez que o autor se encontra temporariamente emigrado e, como ainda não recebemos a revista, estamos já algo enfadados derivado da recepção de constantes solicitações com os dizeres "Então? Já sabes que mês me foi atribuído? Já?" ou "Então? Qual é o mês?" ou ainda "Olha, acho que deixei o ferro de engomar ligado".

PARABÉNS CAMARADA!!

segunda-feira, dezembro 24, 2012

Postal oficial de boas festas do Blog do Katano

Agora que temos a certeza de ter sobrevivido ao Fim do Mundo pela 6ª ou 7ª vez (pelas nossas contas), aqui fica o postal oficial de Boas Festas do Blog do Katano, para a época 2012/2013, aproveitando ao mesmo tempo a ocasião para desejar a todos os nossos amigos, familiares, amigos familiares, familiares amigos, rostos familiares, rostos familiares amigáveis, visitantes sem rosto, visitantes sem rosto amigáveis, visitantes pouco familiarizados e demais não tão apreciadores do Blog do Katano quanto isso, uma boas festas e um ano de 2013 recheado de coisas boas. 

NDR: Este desejo relativo a 2013 é válido até ao próximo Orçamento Rectificativo.


Espelho do rio Dão

O dia de ontem ficou marcado por mais um espectacular almoço-convívio entre a Junta Directiva do Blog do Katano e o Comité da Taska Force. O local escolhido foi o restaurante "Cota Máxima", em Santa Comba Dão, e foi bastante agradável pôr a conversa em dia na margem do rio Dão, envolvidos por uma belíssima paisagem. Aqui fica um "cheirinho":




domingo, dezembro 23, 2012

68 anos depois, o pombo-correio entregou a mensagem!

Em 1982 no Reino Unido, um casal fez uma fantástica descoberta quando desimpedia uma lareira na sua casa que fora selada havia já muitos anos e cuja chaminé fora entretanto ocupada por pássaros, que ali nidificaram ano após ano.

No decurso da limpeza da lareira, David Martin começou a remover restos de ninhos que iam caíndo da chaminé. Foi nesse momento que caíram alguns ossos de uma ave um pouco maior, primeiro um osso do peito, depois o crânio e em seguida uma perna com uma anilha identificadora, facto que os fez perceber que se tratava dos restos de um pombo-correio.




A maior surpresa aconteceria contudo quando a outra perna caiu, já que nela ainda estava amarrado um pequeno cilindro vermelho em alumínio, recipiente que fazia daquele um pombo-correio muito especial: tratava-se de um pombo-correio que estivera ao serviço das forças aliadas durante a 2ª Guerra Mundial! Mas a surpresa não se ficava por aí já que, dentro do cilindro, encontrava-se ainda uma mensagem misteriosa.

A mensagem fora escrita usando um código secreto, desconhecendo-se portanto o seu conteúdo e a quem se destinava. Apenas era possível ler que esta mensagem era um duplicado, de uma outra que fora enviada por outro pombo, e que fora escrita por um misterioso sargento "W. Stot". A grafia de sargento ("sjt") indicava que era alguém do Exército.




Só há dois anos atrás surgiu algum interesse institucional nesta mensagem, neste caso, por parte do museu de Bletchley Park, a antiga sede dos serviços de inteligência destinados a decifrar códigos inimigos (cliquem aqui para ler o artigo sobre Alan Turing!). O facto de esta mensagem estar codificada, algo muito incomum, levou a supor que contivesse informação importante o que levou ao envolvimento do GCHQ, uma das 3 actuais agências de serviços de informação (as outras são o MI5 e o MI6). Não conseguindo decifrar a mensagem por desconhecer o código usado, o GCHQ (ndr: com esta segunda referência, já deve haver alguém da agência a ler o Blog do Katano), lançou um pedido de ajuda público.

A resposta acabou por chegar do outro lado do Atlântico há poucos dias atrás, quando um historiador canadiano, chamado Gord Young, alegou ter conseguido decrifar a mensagem em apenas 17 minutos, recorrendo a um livro de códigos que havia pertencido ao seu avô, combatente na I Guerra Mundial.

Segundo o historiador, a mensagem enviada pelo sargento William Stot diz:

"Hit Jerry’s right or reserve battery here. / Troops, panzers, batteries, engineers, here. / Counter measures against panzers not working"

Ou seja, trata-se de informação sobre localização e descrição das forças alemãs no terreno, pedindo acção contra elas. A referência Jerry era uma referência depreciativa aos alemães, assim tratados pelos ingleses devido à semelhança entre os capacetes alemães da I Guerra Mundial  e os penicos ingleses  de então ("jerry"). 

Este sargento William Stot foi largado de paraquedas atrás das linhas alemãs durante o Dia D, tendo acabado por morrer no decurso dos combates dos dias seguintes. Crê-se portanto que, a ser efectivamente este o autor da mensagem, esta terá sido enviada no decurso da invasão.

Os especialistas do GCHQ mostraram-se contudo algo reticentes, desconfiando da tradução avançada por Young, acrescentando que muito provavelmente nunca se terá a certeza do que diz a misteriosa mensagem. Poderá efectivamente tratar-se de uma má leitura. A outra hipótese poderá apenas ser que os técnicos do GCHQ  não querem ficar mal vistos nesta história...





Fotos: GCHQ, The History Blog,

sexta-feira, dezembro 14, 2012

O papel higiénico, os tubos agradecidos e o entulho

As mensagens que encontramos nas paredes e portas das instalações sanitárias de uso público, podem ser de índole diversa e nem sempre muito claras no seu conteúdo. Se mensagens há que prometem serviços de ordem sexual com elevados padrões de qualidade, com indispensável indicação de número de telefone, outras que denunciam de forma depreciativa determinadas características de terceiros devidamente identificados, ainda outras que dão a conhecer faculdades bastante abonatórias de elementos de outro sexo, mas há também mensagens do foro institucional, que dão instruções ou fazem recomendações para o uso dos equipamentos sanitários disponíveis.

Ora, é precisamente nesta última categoria que se enquadra o aviso que ilustra este artigo. Pelos vistos (apesar das adulterações manuscritas na forma de sinais de pontuação), há aqui um apelo para a não colocação de papéis no interior da sanita. Até aqui tudo bem. O resto da mensagem é que é pouco clara, pelo menos para mim que não consegui perceber a relação entre canalizações gratas e a produção de entulho... 


quarta-feira, dezembro 12, 2012

Google Zeitgeist - Os termos mais pesquisados em 2012

Como sempre acontece, a Google divulgou os termos mais pesquisados em 2012 pelos cibernautas, num universo de mais de um bilião de referências, dividindo a informação por países e por categorias. 

As pesquisas mundias parecem decisivamente influenciadas pelos EUA, uma hegemonia apenas quebrada pela "intromissão" de algumas referências brasileiras e uma ou outra britânica, tendo valido neste caso a exposição inadvertida das maminhas da Kate Middleton, destronando sem apelo nem agravo os afamados glúteos da sua própria irmã. Deu-me um certo gozo traquina colocar a palavra "maminhas" a negrito mas, por outro lado, eu também precisava de arranjar aqui uma forma de captar a atenção dos leitores, levando-os a ler o resto do artigo.

TOP PESQUISAS NO MUNDO
Pesquisas gerais: Whitney Houston, Gangnam Style, Furacão Sandy
Imagens: One Direction (uma boys band irlandesa), Selena Gomez, iPhone5
Atletas: Jeremy Lin, Michael Phelps, Peyton Manning
Acontecimentos: Furacão Sandy, Fotografias da Kate Middleton (topless, pois claro!), Olimpíadas 2012
Pessoas: Whitney Houston, Kate Middleton, Amanda Todd
Filmes: Os Jogos da Fome, Skyfall, Prometheus
Programas TV: BBB12 (Big Brother Brasil 12), Avenida Brasil, Here Comes Honey Boo Boo
Artistas: Whitney Houston, Michael Clarke Duncan, One Direction
Electrónica de consumo: iPad3, Samsung Galaxy S3, iPad Mini
Linhas aéreas: Southwest Airlines, United Airlines, American Airlines


E Portugal?

A realidade portuguesa contudo, é bem diferente, havendo uma clara primazia dos assuntos "domésticos" em relação às "americanices", o que não é necessariamente um bom sinal, sobretudo se atentarmos à natureza de alguns dos termos pesquisadas. Um bom exemplo disso é mesmo o dos programas de TV em que a "Casa dos Segredos" surge em primeiro lugar, à frente de "A tua cara não me é estranha" e da novela Gabriela, programa que, pelo que foi possível perceber, tem feito muito sucesso, presumo eu pelo rigor da caracterização social e económica da época que retrata. 

Aliás, "Casa dos segredos" é mesmo o 2º termo mais pesquisado do ano em Portugal, logo atrás de "Euro 2012" e à frente de "Pingo Doce", facto que, sendo um indicador importante das preocupações dos cibernautas lusos, me deixa a mim um pouco preocupado. Imaginem o diálogo entre os membros de um casal heterossexual de classe média, no qual a mulher foi recentemente despedida da fábrica de têxteis onde trabalhava há 20 anos e o homem vive dias inquietantes no escritório desde que o patrão o começou a tratar de forma estranhamente delicada de há uns tempos a esta parte, após terem circulado rumores de insolvência.

Mulher - "Se calhar deveríamos começar a pesquisar ofertas de emprego na net porque não tarda nada vais para o olho da rua e o meu subsídio de desemprego também não vai durar para sempre. Em alternativa poderíamos informar-nos acerca dos incentivos para a criação do próprio emprego. Eu já ando de há uns tempos para cá a pensar em montar o meu próprio negócio, até porque sou jeitosa para a doçaria.".

Homem - "Agora não. Estou a efectuar uma pesquisa com o intuito de aceder ao sítio do programa televisivo da Casa dos Segredos na Internet, para ver aquela parte, que eu perdi ontem, na qual o Cláudio e a Jessica discutiram devido à atitude da Jessica em abraçar o Fábio e ainda para visionar as imagens a verde de edredões a abanar.". 

(Sim, confesso, fui obrigado a pesquisar no Google por "Casa dos Segredos" para compor este diálogo mas foi bom porque assim fiquei também a saber que a Mara perguntou à Alexandra se esta já alguma vez se tinha sentido atraída pelo Cláudio!)

Salienta-se, para finalizar, o verdadeiro trio apocalíptico que compõe os políticos mais pesquisados no Google: Cavaco, Relvas e Gaspar. Não há duvida que estes políticos entraram em definitivo no coração dos portugueses, no caso de Relvas provavelmente também no pacemaker.


TOP PESQUISAS EM PORTUGAL
Pesquisas gerais: Euro 2012, Casa dos Segredos, Pingo Doce
Pessoas: Luciana Abreu, Adele, Rita Pereira
Canções: Somebody that I used to kown, Gangnam Style, Vem ver os aviões
Programas TV: Casa dos Segredos, A tua cara não me é estranha, Gabriela
Filmes: Ted, Madagascar 3, Os Vingadores
Livros: Um homem com sorte, D. Maria II, As 50 sombras de Grey
Atletas: Cristiano Ronaldo, Messi, Neymar
Clubes: Benfica, Sporting Porto
Atletas olímpicos nacionais: Gustavo Lima, João Monteiro, Telma Monteiro
Como...?: Como emagrecer, Como perder a barriga, Como ganhar dinheiro
Destinos de viagem: Madeira, Cabo Verde, Algarve
Comida/Bebida: Bolo de chocolate, Bolo de iogurte, petiscos 
Marcas de roupa: Zara, Bershka, La Redoute
Políticos: Cavaco Silva, Miguel Relvas, Vitor Gaspar
Aplicações: Facebook, Youtube, Dropbox




quarta-feira, dezembro 05, 2012

Dos disparos da PSP sobre as claques na Nigéria aos misteriosos eventos em Braga, pelo Correio da Manhã

O tablóide diário Correio da Manhã é bem conhecido entre nós pela sua linha editorial de "se não tem sangue, sexo ou qualquer outro tipo de ilícito ou deboche, não é notícia". Para o comum dos mortais, melhor dizendo, para o comum dos mortais que não vive com entusiasmo estas especificidades da vida social, o Correio da Manhã é visto como se se tratasse da versão vampiresca do próprio Guttenberg, alimentando-se do lado mais sinistro do ser humano. 

Fiquem sabendo senhores que, independentemente das suas especificidades, a actividade jornalistíca é extremamente desgastante e, para os colaboradores do Correio da Manhã que se vêem obrigados a perseguir meliantes de índole diversa por caminhos sinistros, fugir às balas, rastejar na lama, circular pelo mundo da prostituição e proxenetismo sem ter a sua intimidade violada e ainda ter forças para chegar à redacção e compor uma edição, mais ainda. Chega-se à última página já em estado de esgotamento.

Isto tudo para dizer que, na edição da passada Segunda-feira, que eu folheei com deleite enquanto esperava que o meu cabeleireiro/barbeiro acabasse de cortar o cabelo a um senhor careca, me deparei com o bloco de notícias da última página no estado que mostro na foto abaixo.

Se nas primeiras duas notícias tudo parece normal, já que o PSD é por estes dias pouco popular e as criaturas que pululam pelo nosso futebol são realmente dignas de um país de 3º Mundo, já a última é desconcertante, levando a supor que o seu autor já se encontrava portanto no tal estado de esgotamento de que falei lá atrás.

Ficamos portanto a saber que, no dia anterior, aconteceram em Braga determinadas situações que, provavelmente, terão envolvido pessoas. 

Ah! Já agora, o número sorteado do Joker foi o 4 937 692. Porque, afinal, este ainda é um blogue de serviço público e isso é válido até num artigo dedicado ao Correio da Manhã.



terça-feira, dezembro 04, 2012

O Fundão voltou a encorrer os espanhóis!

Na passada noite de 30 de Novembro para 1 Dezembro, a população do Fundão cumpriu novamente a tradição de sair em arruada pela zona antiga da cidade para "encorrer os espanhóis". Seguindo atrás da Banda Filarmónica de Peroviseu e cantando o Hino da Restauração, os participantes percorrem o mesmo percurso, ano após ano.

A concentração para a arruada faz-se pouco antes da meia-noite diante da Câmara Municipal do Fundão, ao redor do pelourinho. A temperatura que se faz normalmente sentir desaconselha a impaciência e os mais madrugadores têm normalmente de se abrigar na "Nanda" ou no "Verdinho" para um retemperador café ou uma encorajadora jeropiga.

O Pelourinho do Fundão bem guardado. Uma reconstrução do século XX do original demolido no século XIX, do qual apenas se guardou a parte terminal.

Com o bater das 12 badaladas que se despedem Novembro e acolhem o dia da Restauração, devidamente acompanhadas pelo contar em uníssono pelos presentes, acende-se a iluminação de Natal do Fundão (de há uns anos a esta parte reduzida à Praça do Município por força das circunstâncias económicas) e a banda começa a tocar o Hino da Restauração:

Portugueses celebremos
O dia da Redenção
Em que valentes guerreiros
Nos deram livre a Nação.

A Fé dos Campos de Ourique
Coragem deu e valor
Aos famosos de Quarenta
Que lutaram com ardor.

P'rá frente! P'rá frente!
Repetir saberemos 
As proezas portuguesas.

Avante! Avante!
É voz que soará triunfal.
Vá avante mocidade de Portugal!
Vá avante mocidade de Portugal!


Nem todos conhecem a letra mas, com alguma boa vontade e umas cábulas estrategicamente distribuídas, lá se forma um coro satisfatório que parte rumo às emblemáticas ruas antigas do Fundão. 

A iluminação natalícia da Câmara Municipal do Fundão

O pelourinho decorado a preceito


Pelo caminho, há quem se atreva a assistir à janela ao passar da comitiva. Com os devidos agasalhos, claro!

O percurso termina no ponto de partida. Nesta altura percebe-se, pela dimensão mais reduzida da comitiva que a determinação em "encorrer os espanhóis" por parte de alguns participantes foi vencida pelo frio. Os "sobreviventes" voltam a concentrar-se entre o pelourinho e a Câmara Municipal para, desta vez, ser tocado e cantado o Hino Nacional.

O regresso à Praça do Município I

O regresso à Praça do Município II

Nova concentração entre o pelourinho e a Câmara Municipal

Uma cidadã fundanense anónima fazendo questão de registar o momento para a posteridade...

Tudo a postos para cantar o Hino Nacional!

A arruada deste ano contou com a simpática presença de uma grupo de jovens espanhóis que, apesar da temática da arruada, não se coibiram de participar e de gritar um impertinente "Viva España!" no final. No fundo eles próprios gostariam por esta altura de poder "encorrer" alguns dos seus conterrâneos. 

Finalmente canta-se o Hino. O coro é algo desafinado mas o que conta é a alma com que se canta. Alguns monárquicos, uns mais a sério do que outros, com bandeira e tudo, fazem questão de aproveitar a ocasião para lembrar que ainda há quem sonhe com o regresso da Monarquia. Politiquices à parte, que a meu ver nada trariam de novo ao cidadão comum, há que saudar o fair play de quem, sendo monárquico, não se abstém de entoar a Portuguesa, o Hino "republicano" que substituiu o Hino da Carta em 1911.

A Portuguesa, versão 2012


Até Martim Calvo o "povoador" de meia espada parece espantado com tamanho fragor!


Qual é afinal a origem desta tradição?

A origem desta arruada perde-se na memória. Se perguntarmos a qualquer fundanense com mais idade, a resposta será invariavelmente "já o meu pai ou avô não se lembrava de quando começou". É possível que esta tradição remonte mesmo à época da Restauração, dados os antecedentes da união ibérica de 1580 a 1640.

Então, com a sorte do Reino a decidir-se no confronto entre os espanhóis e os leais a D.António,  prior do Crato, o Fundão aderiu à causa deste último que se mostrou simpático para as pretensões da povoação em separar-se do concelho da Covilhã e ser elevada a vila, formando com isso o seu próprio concelho. Aliás, o Fundão não esperou e, unilateralmente, declarou-se como vila!

Ora a 22 de Novembro de 1580, a pretexto da visita de um meirinho da Inquisição, vindo de Lisboa, que chamando um outro meirinho da Covilhã, quis prender os cristãos-novos do Fundão, a população sublevou-se sob o comando do Capitão Estêvão de Sampaio, vereador do Fundão na Covilhã, expulsando violentamente os meirinhos, em defesa dos "seus" cristãos-novos e aproveitando também para vincar ali a sua posição de autonomia. Foi Sol de pouca dura. Tanto o Santo Ofício como as próprias autoridades da Covilhã abateram-se mais tarde com mão de ferro sobre o Fundão, resultando em processos que duraram cerca de 2 anos.

Com a derrota do prior do Crato na batalha de Alcântara, esfumou-se também o sonho de autonomia fundanense que terá sem dúvida ganho novo alento com a Restauração de 1640. Seria preciso esperar até 1747 para finalmente cumprir o sonho de criação do Concelho do Fundão mas, sem dúvida, o fim do reinado dos "Filipes" em Portugal terá sido efusivamente celebrado como um sinal de mudança e de esperança no futuro desta aldeia que sonhava ser vila. Terá começado por essa época a realização da arruada? É uma hipótese, que vale o que vale.

Já no século XX, no cumprimento da tradição, os espanhóis que a arruada queria encorrer passaram a ser escritos entre aspas. Espanhóis eram todos aqueles que o povo queria ver bem longe, não podendo no entanto manifestá-lo abertamente. Mais que uma celebração, tornou-se uma declaração política pública camuflada.

Hoje, mais que nunca, ocorre-me uma série de "espanhóis" que bem gostaria de ver longe do país. Também me ocorre que já seria tempo de se homenagear um tal de Estêvão Sampaio, herói do Fundão, que me parece ser uma figura muito mais relevante que Martim Calvo. Não concordam, fundanenses?

domingo, dezembro 02, 2012

Um colossal Boleto Edulis na Serra da Gardunha

Os boletos são cogumelos que se regem pelo superlativo. São bem conhecidos pelo seu elevado valor gastronómico (quem já os provou certamente concordará comigo), pelo seu alto valor de mercado (na ordem das dezenas de euro por quilograma) e também pelas suas impressionantes dimensões.

Vem este artigo a propósito de um conjunto de fotos, que o camarada José Silva, autor das mesmas, teve a gentileza de partilhar comigo, e que diz respeito ao achado de um boleto edulis na Serra da Gardunha que é um verdadeiro colosso!

Vejam só! 


Aspecto da parte inferior do chapéu e do pé.

A parte superior do chapéu

Uma moeda de 1 euro a servir de referência de escala

Qual terá sido o destino deste boleto? Uma outra foto enviada pelo José sugere uma possibilidade: uma deliciosa feijoada de boletos!


quarta-feira, novembro 28, 2012

Depois do iPad, iPad2 e iPad Mini virá o...iPad Mini Mega Micro Max?!

Depois do iPad veio o iPad 2. Depois do iPad 2 veio o iPad Mini. Há dias, Conan O'Brien decidiu antecipar os novos revolucionários lançamentos da Apple e apresentou toda uma nova gama de iPads.

Trata-se de uma excelente paródia às políticas de produto e de marketing da Apple, que vale a pena ver. Eu próprio confesso que, após visionar este vídeo, não consegui deixar de sentir um irracional apelo consumista em relação ao iPad Mini Mega Micro Max, quiçá até ligeiramente mais intenso do que aquele que sentia quando, nos idos anos de 1980, visionava as publicidades da época natalícia dos bonecos do GI-Joe e dos Transformers.


terça-feira, novembro 27, 2012

Ainda o festival "Míscaros" - Alcaide em destaque no Público


O recente festival Míscaros, na aldeia do Alcaide, é o tema de uma reportagem assinada por Alexandra Prado Coelho no suplemento Fugas, do Jornal Público, dividindo o protagonismo com a Serra de Sintra dentro da temática da micologia. 

Partindo do passeio micológico (no qual participámos - recordar aqui), a autora leva os leitores à descoberta, não só dos sabores dos cogumelos, mas também da própria aldeia do Alcaide.

No artigo dá-se também eco ao potencial dos cogumelos como factor de desenvolvimento económico, numa estratégia de divulgação dos produtos endógenos, corporizada na intenção de criar um centro de recolha e distribuição de cogumelos, um mercado que no concelho do Fundão pode valer cerca de 15 milhões de euros por ano, sendo que a maior parte desse valor fica em Espanha, segundo Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão.

A criação deste centro seria sem dúvida uma mais valia para a região, dando não só mais visibilidade ao Concelho do Fundão como também contribuíndo para o seu estímulo económico. Haverá no entanto um trabalho mais alargado a fazer, a par da criação desse centro, que passa sem dúvida pela regulamentação da prática de recolha, de forma a evitar algumas autênticas barbaridades que se vão praticando, pelos muitos pinhais ao redor da Gardunha, por esta altura do ano.

Podem ler a reportagem na íntegra clicando aqui.

quinta-feira, novembro 22, 2012

Um poda que promete virar as árvores ao contrário


... ou pelo menos assim parece, dada a colocação do aviso com que esta manhã me deparei ao sair de casa.

quarta-feira, novembro 21, 2012

Do festival "Míscaros"... aos míscaros. Rescaldo fotográfico

O último fim-de-semana ficou marcado pela realização de mais um "Míscaros" - Festival do Cogumelo, no Alcaide, uma aldeia cheia de história cujas ruas se encheram de animação. Importa primeiro que tudo dizer que este festival foi sem dúvida o melhor até agora. Houve esmero na decoração e o número de "tasquinhas" pareceu ser maior que o habitual. 

Estivemos por lá no Sábado à noite e no Domingo e se o primeiro dia foi dedicado às tasquinhas, não é menos verdade que serviu também para rever muitos e bons amigos, tudo isto depois de uma bela jantarada de cogumelos. Aliás, isto de reencontrar amigos é tão viciante que, até na operação de fiscalização de trânsito automóvel na qual participámos com fôlego e entusiasmo no fecho da noite, deu para reencontrar um velho amigo do 8º ano!

O Alcaide enquadrado pelo Outono e coroado pela Serra da Gardunha

O Domingo começou bem cedo, com a participação no passeio micológico integrado no programa do festival. Novamente com a orientação do José Gravito Henriques, um homem que se gaba de ter já provado mais de 200 espécies diferentes de cogumelos. A adesão foi muito interessante, mais de 300 participantes segundo a organização (embora eu ache esse número algo exagerado). Independentemente do rigor dos número, havia gente a mais para um passeio micológico. Que tal fazerem-se não um mas dois passeios destes no fim-de-semana? Fica a sugestão.


"... não é grande coisa mas, à falta de melhor, também marcha!" foi a frase marcante de mais um excelente passeio micológico deste grande especialista, logo seguida a curta distância de "Há cogumelos que dão para os dois lados".

Fechada a manhã, e porque a fome já apertava, toca a ir para a fila do arroz de míscaros que mais uma vez foi servido pela Escola de Hotelaria e Turismo do Fundão, que também explorou este ano o restaurante da casa Cunha Leal. Só vos digo: estava daqui! (Sim, agora estou a segurar o lóbulo da minha orelha direita com o indicador e polegar da mão direita, efectuando ligeiros movimentos oscilatórios).

A "trupe" completa! Elementos da Junta Directiva do Blog do Katano lado a lado com a célula coimbrã do Clã Moura e o inimitável Quinaz. Pela foto é notório que há iluminados profissionais da fila do arroz de míscaros, que empregam recipientes capazes de armazenar arroz suficiente para alimentar um pequeno país do 3º Mundo durante uma semana, mais mês, menos mês, e os amadores da tigelinha. (Foto roubada à grande e à alemã do álbum de Paulo Moura)




O chefe Pedro Rito e Ricardo Moita distribuindo felicidade em forma de arroz de míscaros. (Continuo a segurar o lóbulo da minha orelha direita com o indicador e polegar da mão direita, efectuando ligeiros movimentos oscilatórios)

Depois de um belo almoço (sim, sim... orelha direita, mão direita,...) e de uma excelente sobremesa na Casa Cunha Leal, voltámos às ruas do Alcaide onde nos deparámos com um verdadeiro one man show: Pedrito New Wheel, provavelmente a figura mais emblemática desta edição do Míscaros ou, como diz a São Rosas, o verdadeiro homem dos 70 instrumentos. 




No rés-do-chão do solar de João Franco, antigo primeiro-ministro dos últimos fôlegos da monarquia lusa, ficaram instalados vários artesãos e, mais uma vez, ali estava o omnipresente Zé da Encarnação (nome de guerra de José Martins Mendes), último esparteiro de Alcongosta. Vale a pena visitar o blogue onde se apresentam as suas criações clicando aqui.


Zé da Encarnação mostrando a versatilidade das suas criações



Um aspecto da Rua João Franco, com a torre sineira ao fundo. Esta torre tem a particularidade de, numa das suas fachadas, ter uma racha provocada pelo sismo "de Lisboa" de 1755, que aliás lhe derrubou também algumas das esferas que tinha nos cantos do seu topo.



Este ano houve esmero na decoração das ruas. Para além de cogumelos gigantes, foi distribuída sinalética pelas ruas que deu um toque de boa disposição ao Míscaros.



E o cheirinho? Divinal!

Motivados pelo passeio matinal e porque a "Mouraria" não é família de regressar a casa de mãos a abanar no que toca a cogumelos, fizemos à tarde o nosso próprio passeio micológico por alguns dos nossos locais favoritos. Não é que alguns dos "novatos" se revelaram verdadeiros perdigueiros micológicos? Seguem-se alguns dos instantâneos registados durante o passeio: 


Uma "horta" de Lactarius deliciosus (lactários, sanchas, raivacas,...) descoberta pelo Paulo que atribui à sua "obra-filha" a tarefa da recolha já que o orgulho lhe impede a mobilidade ao nível das cruzes, isto enquanto o Quinaz continua a fazer aquilo que fez melhor: descobrir Suillus bellini e uma panóplia de outros cogumelos que não servem para nada



E eis o primeiro míscaro amarelo (Tricholoma equestris) da temporada! Um bom petisco, é certo, mas a ser consumido com muita moderação, pelas razões que apresentámos em tempos aqui.


Mais uma descoberta do Paulo: uma colónia de Sparassis crispa que, pelo que dizem, vai muito bem com ovos mexidos. A experimentar no próximo fim-de-semana.


Uma excelente descoberta do sector feminino dos Moura: um Boletus badius! Inconfundível pelo "anel" amarelo no topo do pé e pelos tubos também amarelos que mudam para azul ao toque.


Mais à frente no caminho, um verdadeiro rio Amazonas interrompe o caminho. Na foto é possível ver 3 abordagens diferentes para resolver o problema da travessia: a Mariana, moça prevenida, justifica finalmente o porquê de ter trazido umas belas botas de borracha, o patriarca da Mouraria constrói uma ponte de pedra não licenciada e o Quinaz, munido de um cajado, resolve tentar uma abordagem bíblica, sem grande sucesso, diga-se.


Pinhais, rios e... pântanos, pois claro! Valeram a Mariana, mais uma vez a brilhar graças às suas botas de borracha, e a Luísa que provou ser uma verdadeira voz de comando!



No final, a inevitável repartição do espólio constituído por boletos, lactários, míscaros e suillus. Pelas informações que foram posteriormente recebidas, os lactários fizeram jus ao nome e proporcionaram um delicioso jantar em terras coimbrãs e, segundo consta, toda a "Mouraria" está viva e bem de saúde. 

Como é, família "Mouravilha"? É para repetir?

quarta-feira, novembro 14, 2012

A não perder: Míscaros - Festival do Cogumelo, no Alcaide

Tem início já depois de amanhã mais uma edição do Míscaros - Festival do Cogumelo, uma iniciativa que resulta de uma admirável agregação de esforços entre a população da aldeia do Alcaide, a Liga dos Amigos do Alcaide, Junta de Freguesia local e Município do Fundão, e na qual os cogumelos são os verdadeiros reis da festa.



Assim, ao longo de 3 dias, quem visitar o Alcaide poderá deliciar-se com mil e uma formas diferentes de cozinhar cogumelos mas não só. A aldeia vai encher-se de tasquinhas com uma infindável oferta de cores, aromas e sabores, estarão presentes grandes nomes da culinária e, como todos os anos acontece, será confeccionado e servido aos visitantes o tradicional arroz de míscaros, tudo isto sempre com muita música e animação pelas ruas. Uma tentação, sem dúvida! .



No Domingo a oferta incide sobre a questão da identificação e recolha de cogumelos, havendo também lugar para a apresentação de um novo projecto que promete dar que falar: a Cogus Box! 


Como sempre acontece, haverá autocarros a assegurar o transporte de visitantes entre o Alcaide e o Fundão.

Encontramo-nos por lá?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...