quarta-feira, julho 27, 2011

A dois dias das férias, esperando que desta vez não morra ninguém

A contagem decrescente continua e já só faltam 2 dias para finalmente entrar em período de férias e para finalmente cumprir o projecto de longa data, sucessivamente adiado, de ir até Gibraltar, que é como que uma versão económica do Reino Unido para um grupo pelintra que gostava mesmo era de ir a Londres.

Aproveitando este regresso ao Sul da Península, vou poder finalmente cumprir uma aspiração que alimento há já algum tempo, mais concretamente desde que vi uma foto num livro de história na altura em que andava na Escola Primária: ir a Córdova! Prometo partilhar aqui as minhas impressões devidamente ilustradas com fotografias.

Por outro lado, este regresso à Andaluzia marca também o regresso à prática do campismo, repetindo a dupla estreia do ido ano de 2005 quando, pela primeira e única vez até hoje, acampei em Mérida e Granada. Dessa experiência ficou sobretudo a recordação do último dia no parque de campismo de Mérida, devido a um acontecimento algo... insólito.

Nessa manhã acordei com uma desagradável dor de cabeça, devida certamente ao volume do som daquela cervejaria que vendia uma bebida verdadeiramente diabólica chamada "Belzebu", mas que escorregava mesmo bem.

Os gritos que vinham do exterior da tenda também não ajudavam nada ao meu bem-estar, ainda para mais àquela hora da manhã, pelo que decidi sair, pronto a dirigir uns impropérios fulminantes e em bom português a quem quer que estivesse a perturbar o precioso sossego matinal.

Contudo, acabei por desistir quando me deparei com a presença de um carro da polícia e de uma ambulância junto à tenda da frente, ambulância para a qual dois tripulantes carregavam uma maca com aquilo que era indubitavelmente um corpo tapado com um lençol, isto enquanto uma senhora, que presumi ser esposa do recém-falecido, estava em pranto, sentada numa cadeira e amparada por algumas pessoas.

A dor de cabeça e o sossego matinal pareceram-me subitamente irrelevantes...

segunda-feira, julho 25, 2011

Vamos nessa / Hábitos de leitura

O Eduardo, ali d'O Andarilho, propôs-me este desafio relativo a hábitos de leitura, que tem vindo a ser reencaminhado através de blogues, e que no final deve ser proposto a outros colegas da blogosfera. Ora então cá vai disto.

1. - Existe um livro que relerias várias vezes?

Qualquer um da obra de João Aguiar. Bom, se calhar nem todos mas a maior parte.

2. - Existe algum livro que começaste a ler, paraste, recomeçaste, tentaste, tentaste e não conseguiste ler até ao fim?

Assim de repente, ocorre-me Os Versículos Satânicos de Salman Rushdie. Um dia destes tento novamente.

3. - Se escolheres um livro para ler no resto da vida, qual seria?

O resto da vida com um livro apenas? Impensável!

4. - Que livro gostarias de ter lido mas que, por algum motivo, não leste?

"Ceux de 14" de Maurice Genevoix. Não consigo encontrar apesar de já ter corrido uns quantos alfarrabistas...

5. - Que livro leste, cuja cena final jamais conseguiste esquecer?

"A Oeste nada de novo". Fiquei uns quantos segundos parado a olhar para o livro após o ter fechado.

6. - Tinhas o hábito de ler quando eras criança? Se lias, qual era o tipo de leitura?

Se bem me lembro, algures pelo 5º ou 6º ano, cheguei a ser alvo de chacota por ter preferido ir para a biblioteca em vez de ter ficado com o pessoal no pátio a jogar ao eixo. Ainda na primária, devorei todos os livros dos Cinco, vários de Júlio Verne, todos os livros sobre história que conseguia apanhar, mais tarde li todos os livros da colecção Uma Aventura que tinham sido lançados até à altura em que achei que já não eram interessantes. Já agora, há que dar o honroso destaque aos livros de BD que também tiveram uma quota parte importantíssima nos meus hábitos de leitura infanto-juvenis. Não me esqueço que foi graças a um livro da Disney que aprendi uma receita infalível para curar os soluços. (Entretanto terá sido por essa altura que também tive acesso, sem querer, a revistas profusamente ilustradas com senhoras desnudadas mas creio que não será de bom tom referir isso aqui até porque há alunos meus que lêem este blogue.)

7. - Qual o livro que achaste chato, mas ainda assim leste até ao fim? Porquê?

Não me lembro do título, nem do autor, mas o livro continua a fitar-me de forma intimidatória a partir da 2ª prateleira a contar do cimo, da estante da esquerda da minha mini-biblioteca. Porquê? Era mau demais e apeteceu-me deitar-lhe o fogo e só não o fiz porque isso resultaria no prejuízo dos 3 euros que me custou o livro, mais o preço das acendalhas. Ah, e porque danificar um livro é um crime lesa-cultura. Sobretudo por isso. Obviamente.

8. - Indica alguns dos teus livros preferidos.

"Uma deusa na bruma", "A hora de Sertório" e "O Priorado do Cifrão" (O Dan Brown leva aqui das boas!) de João Aguiar, "The Shinning" e "Os Tommyknockers" de Stephen King, "A Oeste Nada de Novo" de Erich Maria Remarche, "Toxina" de Robin Cook (numa altura em que se fala tanto da e-coli, é de leitura obrigatória!), etc, etc...

9. - Que livro estás a ler?

Estou entre livros. Reli "Contos do Alhambra" de W. Irving e agora vou ao "Dragão de Fumo" de João Aguiar.

10. - Indica dez amigos para responder a este inquérito.

As próximas vítimas são: a Ana Andrade, a Tituxa, o Roque, a Sãozinha, a Paulinha, a Cathy (toma lá que já almoçaste!), o Paulo Moura, o Orca, a Maria, o Luís e o Daniel!



quinta-feira, julho 21, 2011

A voz do povo em forssa!

Retomamos as nossas publicações regulares com um simpático apontamento fotográfico, registando a incontida expressão, de autor desconhecido, de apoio a uma equipa de futebol.

Quando ao fervor clubístico se adicionam umas boas pitadas de desconhecimento de ortografia (quiçá devido a confusão gerada pelo novo Acordo Ortográfico) e umas pinceladas de tinta vermelha, o resultado é este. Vox populi em "forssa"!


Um muito obrigado à Vera por ter enviado este apontamento por e-mail ;)


sexta-feira, julho 08, 2011

Multimedia numa aula. Quando o virtual se mistura com o real

Actualmente, o uso de recursos didácticos audiovisuais ganhou uma preponderância tremenda no ensino. Quem é que enquanto transmissor de conhecimentos, seja professor ou formador, nunca usou um projector multimédia (não, não se diz "retroprojector" nem "vídeoprojector") numa aula, para projectar por exemplo uma apresentação PowerPoint?

Matthew Weathers, professor de "Natureza da Matemática" na Universidade de Biola, na Califórnia, foi um pouco mais longe na exploração deste recurso, criando situações onde o real e o virtual se confundem, através de vídeos que criou com a ajuda de um colega e onde ele próprio é protagonista.

Vale a pena ver o resultado. Já agora, o que é que vocês acham? Um vídeo destes é realmente educativo?

segunda-feira, julho 04, 2011

Começar o Domingo com 43km em cima de um selim

Readquiri recentemente o "bichinho" do ciclismo, isto após vários anos sem praticar a modalidade e já longe dos tempos áureos onde cheguei, por exemplo, a tentar um trajecto Fundão-Torre. Infelizmente, nessa ocasião fui forçado a desistir nas Penhas da Saúde por falência anímica do camarada que me acompanhava, não conseguindo chegar por isso à Torre. O regresso não foi ainda assim menos interessante, sobretudo a partir do momento em que os travões da bicicleta estoiraram. A viagem saldou-se pelo prejuízo de um par de sapatilhas, usadas como travões de improviso na descida da Serra da Estrela, e que chegaram ao Fundão sem sola.

Agora, após 1 mês de prática, já consigo ir um pouco mais além da volta ao quarteirão, como o constatei ontem ao fazer um circuito de cerca de 43 km pela Cova da Beira, passando pelas belas localidades de Valverde, Fatela, Capinha e Peroviseu.


O passeio até começou de forma bastante interessante quando, ao chegar ao centro da aldeia de Valverde, me deparei com pessoas alinhadas nos dois lados da rua principal, e que com a minha aproximação começaram a animar-se e a dizer coisas como "Olha! Olha!", "Vem aí um!". Foi quando percebi que estava a decorrer uma prova de ciclismo e que o seu percurso por ali passava. Não me intimidei e continuei em frente, até para usufruir um pouco deste súbito protagonismo.

O pior foi quando mais à frente as pessoas formavam um cordão no meio da rua, criando uma curva para uma rua secundária (o trajecto passava por ali), mas barrando-me o caminho. Felizmente, uma travagem em derrapagem e um sonoro "Com licença!" estão para uma multidão como o cajado do Moisés está para o Mar Vermelho e, com a colaboração especial de duas senhoras que redescobriram a agilidade de há uns anos atrás, pude continuar em frente. Apesar de tudo ainda ouvi alguém gritar "Então, pá? Já vais desistir?".

Por momentos, cheguei a recear que me acontecesse isto:


Um dos aspectos mais agradáveis desta volta foi a ausência de circulação automóvel, tanto na N345 como, embora menos, na N346, o que veio dar ainda mais encanto à paisagem.


Para trás ficou a Serra da Gardunha...


...enquanto para a frente se estendia uma enorme linha pouco sinuosa em direcção à Capinha.


À entrada da Capinha, vestígios de um inglês técnico peculiar que o Sol se vai encarregando de corrigir: Freguesia da Capinha, Freguesia "Wirelless".


Passagem pelo simpático centro da localidade:


... e um desvio até à Barragem da Capinha, um local interessante para passar um dia.


Voltando para trás, passa-se por Peroviseu e a Serra da Gardunha começa outra vez a ficar mais perto.

Já no Fundão, uma estreia absoluta. A minha primeira passagem pelo "Corredor Verde" paralelo à N18 ao longo da Zona Industrial. A ideia de ter um corredor verde é boa mas... foi mal explorada. Criar 600m de um circuito de lazer a cerca de 4km do centro da cidade não é muito convidativo (ainda menos quando alguém se lembra de aí colocar sinalização indicativa de zona de caça associativa). Porque não tentar expandi-lo, esticando-o até mais próximo do centro?

Agora, se me dão licença, é hora de ir fazer mais alguns quilómetros.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...