terça-feira, março 29, 2011

Ainda sobre a mudança para a Hora de Verão

Definitivamente, a mudança de hora deixa-me mal disposto e não consigo perceber se isso é fisiológico ou se é pela irritação amarga de perder uma hora de fim-de-semana. Claro que em Outubro "recuperamos" essa hora mas fico sempre com as mesma sensação incómoda de que algo não está bem. É um pouco como aquela sensação de, durante uma viagem, termos a sensação de que nos esquecemos de algo mas não sabemos o quê.

Mas porque é que temos de mudar de hora duas vezes por ano? Justifica-se? Na génese desta medida (apenas político-económica e nada tem a ver com ciclos astronómicos) esteve a ideia de poupar energia ajustando os horários à duração da luz solar. Aliás, já tivemos a oportunidade de constatar até que ponto as perspectivas económicas em relação à mudança de hora são capazes de chegar, quando, por uma questão de unificação horária com a Europa Central, o Governo decidiu manter a hora de Verão o ano inteiro, isto quando a hora "natural" de Portugal, é a hora de Inverno. Não tenho bem a certeza mas creio que houve muito boa gente que chegou a ir para as aulas e para o trabalho ainda em pijama, dado ter de sair de casa ainda com noite cerrada.

Portugal, aliás, aderiu à mudança de hora em 1916, em plena I Guerra Mundial, sendo esta questão gerida actualmente pela UE. No entanto, de acordo com com Bruxelas (citando o Courrier Internacional), obtém-se uma poupança energética de 0,1 a 0,5% nos países do Sul da Europa, algo que seria largamente suplantado pela implementação de boas práticas de conservação energética, poupando-se assim perturbações no bio-ritmo da população.

O blogue Persuacção criou uma página que é uma referência sobre a mudança de hora e que vale a pena visitar, apresentando e fundamentando ao mesmo tempo a ideia de que esta medida pouca ou nenhuma vantagem traz. Adicionalmente propõe uma petição solicitando o fim da mudança horária em Portugal.

E desse lado? A mudança de hora não vos afecta?



segunda-feira, março 28, 2011

O projecto de Paulo Futre para o Sporting, por Rui Unas (vídeo)

Como Rui Unas consegue ser ainda mais genial que o próprio Paulo Futre, na apresentação do projecto para o Sporting.

sexta-feira, março 25, 2011

A situação política e económica em Portugal vista por um estrangeiro

Ultimamente tenho-me tornado cada vez mais um visitante assíduo da Al Jazeera on-line, acompanhando a par e passo os relatos acerca do que vai acontecendo nos países do Norte de África e do Médio Oriente, e posso dizer que estou extremamente impressionado com a qualidade do serviço informativo prestado por esta estação televisiva.

Nos últimos dias, a Al Jazeera tem acompanhado também a situação político-económica em Portugal através dos seus correspondentes europeus. Entre as várias peças acerca do nosso cantinho à beira-mar plantado, descobri esta crónica, da autoria de Barnaby Phillips (correspondente europeu no Reino Unido), que relata a sua viagem de ontem a Lisboa e na qual faz o retrato de um país desiludido, ansioso e receoso à beira do colapso. Tomei a liberdade de a traduzir pois vale a pena ler.


Apanhei um táxi do aeroporto para o meu hotel no centro de Lisboa e pedi recibo ao condutor.

Ele era um homem amigável e tínhamos tido uma conversa interessante. "Quanto quer que lhe ponha no recibo?" perguntou-me, com um sorriso e um piscar de olho.

Depois da fria e respeitável Londres, foi o recordar de que me encontrar num lugar -como dizê-lo?- talvez mais mediterrânico (com o devido pedido de desculpas se ofendi alguém).

De facto, Lisboa é uma das minhas cidades favoritas. Adoro os bairros antigos agarrados às encostas das colinas, a arquitectura e os pequenos eléctricos que andam para cima e para baixo nas ruas com calçada.

Sou fascinado pela história e pelas ligações coloniais com Angola e Moçambique. As pessoas são gentis e generosas, a comida é óptima.

Mas não há lugar para equívocos em relação ao estado de humor, desta vez; uma mistura de ressentimento fervilhante em relação aos políticos portugueses e uma cruel resignação perante o facto de o pior estar ainda por vir.

Já senti este estado de alma antes; lembra-me a Grécia durante os primeiros meses de 2010, à medida que o país caía na bancarrota.

Está presente o mesmo cinismo em relação aos que se encontram no poder, o mesmo sentimento de desamparo e frustração... (e, atrevo-me a dizê-lo, a mesma tendência criativa em relação a alguns aspectos de contabilidade).

Em alguns aspectos, Portugal encontra-se numa situação ainda pior.

Pelo menos a Grécia, sob a liderança do Primeiro Ministro George Papandreou, elegeu recentemente um governo com um mandato forte que lhe permitiu tomar acções firmes para salvar a economia.

Portugal está à deriva após a demissão do Primeiro Ministro José Sócrates.

As eleições podem estar a semanas de distância e podem ser inconclusivas.

É certo que a dívida e o défice de Portugal são menores do que os da Grécia.

Também é verdade que os bancos se encontram em melhor situação do que os da Irlanda ou da Espanha.

Contudo, os problemas económicos são aqui muito profundos; o mercado de trabalho é inflexível e há pouca inovação.

Hoje visitei uma uma empresa de Tecnologias de Informação, dirigida por um grupo de jovens empreendedores portugueses.

Todos eles eram extremamente brilhantes e a empresa está a portar-se bem.

Mas eles partilharam o seu desagrado e sentimento de alienação em relação os políticos do país e o seu sentimento de desespero ao verem cada vez mais colegas seus a procurar emigrar para o Norte da Europa e para os EUA.

Hoje, o metropolitano de Lisboa estava em greve. Ontem eram os ferries. Amanhã serão os comboios.

Será uma maré crescente de inquietação industrial à medida que as medidas de austeridade se tornam mais severas?

Talvez, embora Lisboa não tenha a tradição de protestos de rua dramáticos de Atenas.

Sendo assim, para onde vamos a partir daqui?

Os mercados financeiros claramente não acreditam que Portugal consiga o crescimento necessário para lhe permitir saldar as suas dívidas e há agora imensa especulação sobre o país vir a necessitar de um resgate na ordem dos 70 biliões de euros.

Isto irá levantar mais questões acerca do futuro das fracas economias periféricas da Zona Euro e reavivar os receios de contágio que possam afectar economias maiores como a da Espanha.

Infelizmente, a lição que se tira de Portugal, da Grécia e da Irlanda, é que optar pelo resgate não singnifica necessariamente o fim das aflições do país.

Pelo contrário, é apenas o início de um novo capítulo, num longo e doloroso processo de reforma.


domingo, março 20, 2011

Caminhada nocturna à Senhora da Penha, Serra da Gardunha - Super Lua 2011

[Texto por: Caetano; Fotografias por: Xamane (sem acento)]

Aproveitando as excelentes condições de luminosidade proporcionadas pelo fenómeno que se convencionou chamar de Super Moon (Super Lua para os menos chiques), na prática a coincidência da fase de Lua Cheia com o perigeu lunar (o ponto da órbita elíptica lunar mais próximo da Terra), resultando num aumento da área aparente da Lua em cerca de 10% - Este momento de ciência pura foi patrocinado pela Delta Cafés - e ainda num luar com uma intensidade mais elevada que o habitual, o núcleo duro do Blog do Katano empreendeu no passado Sábado uma caminhada nocturna pelo maciço central da Serra da Gardunha.

Ressalva-se no entanto que quem se tiver munido, à laia de precaução, de protector solar e óculos escuros temendo um luar sem precendentes, terá decerto ficado defraudado pois aquilo a que se assistiu foi como que um espectacular luar de Agosto. Ainda assim, as excelentes condições de luminosidade permitiram fazer todo o percurso, que teve troços de caminho, de trilhos e de corta-mato, sem recurso a lanternas.

A caminhada começou e terminou junto à casa do guarda de Alcongosta (terra que todos os anos é palco da Festa da Cereja), tendo começado às 18h30 e terminado por volta das 22h30.

Apresentamos em seguido o resumo fotográfico possível desta autêntica expedição científico-gastronómico-astronómica ao maciço central da Serra da Gardunha:



OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Momento de pose para a fotografia. Junto ao ninja contratado por motivos de segurança, uma participante iludida pela paragem celebra julgando que já se havia chegado ao destino. À direita do transportador da reserva moral da expedição (leia-se, uma garrafinha de Moscatel de Setúbal do bom), um outro elemento impacienta-se e reclama que pretende estar de regresso a tempo de ver a bola.


OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Com a promessa de que, por este percurso se poupariam 15 minutos de caminhada, nem sequer se pensou duas vezes. Afinal, caminhada que é caminhada tem de ter corta-mato!


OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E eis que subitamente, o disco lunar se ergue altivo e reluzente acima da linha do horizonte, num momento que causou bastante emoção junto dos caminheiros, que não contiveram efusivas manifestações verbais, sendo a mais vibrante: "Olha a Lua...! Ainda falta muito?"


OLYMPUS DIGITAL CAMERA

... a Lua e 3 indivíduos, sendo que um deles é um ninja.
Ao longe, avista-se a nobre povoação de Peroviseu.



OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já na vertente Sul da Gardunha, alguém exclama "Olha! Daqui vê-se Monsanto!"
ao que outra pessoa retorquiu "Ainda falta muito?"



OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já era noite cerrada quando se iniciou a subida pelo pequeno trilho até à Penha, que parecia ela própria admirar a Lua. Esta visão foi suficiente para que alguém perguntasse "Já chegámos? Não? Ainda falta muito?".


OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Finalmente na Penha, o alegre grupo faz pose à entrada da "gruta", um abrigo natural que chegou a funcionar como capela, sacralizando aquilo que terá sido o Castro da Senhora da Penha, uma povoação do III milénio a.C. . Dado o vento que aqui se fazia sentir, foi decidido por unanimidade escolher o local como zona de abrigo para a ceia light para reposição das energias do grupo...

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

...que aqui celebra o momento em que, por artes mágicas, uma garrafinha de Moscatel de Setúbal (do bom) e vários copinhos surgem do interior de uma mochila.


OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Para Oeste, a aldeia de Castelejo e o horizonte delimitado pelos mui típicos geradores eólicos.



OLYMPUS DIGITAL CAMERA
A Super Moon (Super-Lua para os menos chiques) espreitando entre o arvoredo

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Uma imagem que diz bem das condições de luz proporcionadas pelo luar. Ao fundo, avista-se a Covilhã e, mais acima junto à margem da foto, as Penhas da Saúde.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Para SE, é possível avistar Monsanto e as serranias de Penha Garcia povoação que, segundo a SIC, foi doada por D. Dinis aos templários em 1510!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Para Sul, sobre uma das "bancadas" do anfiteatro natural da Gardunha, avista-se Castelo Branco cidade que em breve ficará à distância de cerca de 4 euros do Fundão (mais gasóleo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Outra perspectiva da mesma encosta, avistando-se ainda à esquerda Castelo Branco. Não sei se já referi o facto mas a cidade ficará em breve à distância de cerca de 4 euros do Fundão (mais gasóleo).


OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Uma perspectiva sobre a aldeia histórica de Castelo Novo...

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mais um retrato da Super Moon (Super-Lua para os menos chiques) entre aquilo que a Gardunha tem, os blocos de granito, e aquilo que se espera há muitos anos que tenha em abundância, o arvoredo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Perspectiva sobre a aldeia histórica de Castelo Novo

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Sim, sim. É Castelo Novo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Já no regresso, tempo ainda para admirar o pontilhado que se espraia pela Cova da Beira, tendo em primeiro plano o centro do Universo: o Fundão, e mais ao fundo no sopé da Serra da Estrela, a Covilhã

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Sim, mais do mesmo.


OLYMPUS DIGITAL CAMERA
No regresso, um dos membros da expedição descobre um casaco que bem poderia pertencer a um indivíduo abduzido por um dos OVNIs que dizem sobrevoar a Gardunha em determinados horários. Na verdade, tratava-se apenas do resultado da distração de um dos participantes da caminhada durante o percurso da subida.

quarta-feira, março 16, 2011

Dois cães comem num restaurante (Vídeo)

Quantos de vocês não conhecem pessoas para as quais este vídeo conseguiria ser uma excelente lição de boas maneiras? ;)


Este vídeo foi uma excelente sugestão da Marlene da Cal, a quem agradeço.

segunda-feira, março 14, 2011

Golfe, o desporto nacional, a seguir ao futebol e à sueca

Provando que realmente se preocupa com a saúde e o bem estar dos portugueses, o Governo prepara-se para baixar a taxa de IVA associada ao golfe de 23% para 6%, tendo ao que parece já enviado uma carta registada e com aviso de recepção a Angela Merkel, solicitando a devida autorização. Esta medida já está a ser bastante saudada pela esmagadora maioria dos cidadãos da classe média-a-caminho-da-baixa-não-tarda-nada.

Isto vem de certa forma acalmar a preocupação dos cidadãos após a recente subida da taxa de IVA nos ginásios para 23% e após os rumores crescentes de que o Governo poderia deixar de comparticipar tratamentos relacionados com obesidade.

Um grupo de beneficiários do Rendimento Social de Inserção, ex-estivadores desempregados, não consegue esconder a sua felicidade após as notícias de que o Governo se prepara para baixar o IVA do golfe, modalidade da qual são profundos adeptos e praticantes de longa data. Joaquim, mais à esquerda na foto, confessou-nos ser um adepto de Tiger Woods. "O Tiger é o maior! Acerta nos buracos todos!"

Actualmente, o golfe é uma modalidade com grande popularidade em Portugal, sendo o desporto mais praticado pelos portugueses, logo a seguir ao futebol, à sueca e ao dominó. Fonte oficial de uma claque de um clube de futebol nacional manifestou já o seu "profundo regozijo por uma medida que vai tornar ainda mais popular este saudável desporto".

sexta-feira, março 11, 2011

Geração à Rasca: Manifesto acerca da nossa fraca responsabilidade democrática e dos protestos mal dirigidos


Este texto resultou de uma diálogo no Facebook acerca do protesto marcado para amanhã, intitulado "Da Geração à Rasca" e surgindo numa sequência de comentários que se dividem acerca da utilidade das marchas de protesto marcadas para amanhã. Haverá razão para protestar? É legítimo protestar?

Efectivamente não estamos numa ditadura mas, por outro lado, vivemos num sistema que nos permite fazer ouvir a nossa voz quando sentimos que estamos a ser injustiçados.

Infelizmente, este país é mesmo de brandos costumes. O povo definitivamente carece de participação cívica e é desastrado nas formas que encontra para manifestar o seu desagrado perante o sistema instituído. É o tipo de povo que fica em casa ou vai para o shopping em dia de eleições mas depois acha que está tudo mal e "isto já só lá vai com outro Salazar". É o tipo de povo que se manifesta de forma pateta votando em Salazar como "maior português de todos os tempos" ou em sátiras de música de intervenção em programas televisivos à laia de protesto.

Uma das principais falhas da Democracia portuguesa é o facto da população, tantos anos depois e passado o deslumbramento inicial pós-25 de Abril, não ter conseguido perceber e assumir a sua responsabilidade cívica. Falta de maturidade democrática? Provavelmente. Falta de responsabilidade? Principalmente! Isso começa quando se ouve dizer "Sou apenas um. O meu voto não faz diferença." e, quando damos por ela, mais de metade dos eleitores decidiram que o seu voto não era importante. Na prática, não há diferença entre quem se assume desiludido com o sistema político e os seus intervenientes e, por isso, não vai votar, e quem decide ficar na esplanada mais próxima a bebericar umas imperiais com os amigos, lendo o jornal desportivo do dia. Quantos dos que amanhã vão sair à rua se deram ao trabalho de ir votar nos últimos 4 ou 5 actos eleitorais? Na impossibilidade de o saber, que cada um responda a si próprio e à sua consciência.

Claro que não quero com isto dizer que quem não votou não tem legitimidade para protestar, pelo contrário. Não se pode amordaçar ou não alguém em função do seu nível de participação cívica pois, enquanto cidadãos e à luz da Constituição, todos somos iguais e temos os mesmos direitos. Fica contudo a ideia de que essas pessoas não fizeram tudo o que poderiam ter feito para tentar mudar as coisas, quando poderiam ter logo começado por usar o recurso mais elementar que a Democracia lhes permite. É a velha questão dicotómica dos direitos e dos deveres, sendo que os primeiros são sempre mais sedutores.

Quanto ao protesto em si, a única coisa que me ocorre dizer é que com os políticos que temos, é uma fortuna tremenda, especialmente para eles, que nesta altura apenas se esteja a pensar em fazer uma marcha de protesto, mesmo que esta esteja aquém do que poderia ser. Na Grécia, país recheado cidadãos algo temperamentais, foi aquilo que se sabe, enquanto que na Irlanda, país de outros valores, houve demissões ministeriais que levaram à convocação de eleições antecipadas. Já na Islândia, a coisa ficou mais séria e o anterior Primeiro-Ministro foi mesmo processado por conduta negligente que levou à crise em que o país mergulhou.

Da nossa classe política, estou farto de boys, tachos e tachistas, de políticos que nos mentem descaradamente, de hipocrisias e falsos altruísmos de quem apelida de país e de povo português o seu próprio bolso, movendo-se apenas em função dos seus próprios interesses. O pior? Não consigo ver diferença entre eles, salvo uma ou outra excepção e confesso que isso me assusta. Vejo Governantes que mentem à descarada ao povo português, que apelam ao sacrifício e não dão eles próprios o exemplo, muito pelo contrário, outros que finalmente se solidarizam com a população mas só após garantirem a reforma, deputados que não cumprem o trabalho para o qual foram eleitos,... a lista seria interminável!

Voltando ao Protesto da Geração à Rasca e lendo o manifesto que lhe serve de base de orientação, creio que se trata de um movimento com uma certa falta de substância e que fica aquém de tudo o que poderia ser. Não sendo concreto na sua orientação, vai inevitavelmente transformar-se numa amálgama sem ligação de reivindicações diversas, uns protestando contra a precariedade laboral, outros contra os impostos, outros contra a classe política e por aí fora. Creio que haverá até quem proteste contra o barulho que os vizinhos do lado fazem durante a madrugada. Protestar por protestar tira força ao movimento. É pena. A maior virtude que reconheço neste protesto é que poderá funcionar como despertador para a sociedade portuguesa e como catalisador da indignação dos cidadãos.

Se vou participar? Tenho toda a vontade do Mundo em fazê-lo mas fico ainda de pé atrás pelo que já referi atrás. Defendo que os incompetentes, os mentirosos e eticamente deficientes que perderam a confiança das pessoas que neles confiaram não merecem continuar no cargo que desempenham. Se não têm a hombridade de tomar por si a iniciativa, então cabe ao povo exigir a sua saída. Faça-se uma manifestação de protesto neste sentido e estarei lá certamente! Nesta? Provavelmente não. Quer se queira quer não, não se trata de uma Geração à Rasca. É sim UM PAÍS À RASCA.

quinta-feira, março 10, 2011

Como nos Censos 2011 se tenta manipular a realidade dos recibos verdes

Se por estes dias um indivíduo desconhecido vos tocar à campainha, é provável que não seja alguém a tentar impingir um aspirador super-poderoso, que também faz massagens, nem um indivíduo que procura espalhar a palavra do senhor, mas sim um agente de recenseamento dos Censos 2011 (Sim! Já passaram 10 anos).

Como país de proa no uso das novas tecnologias que somos, é possível pela primeira vez responder ao inquérito via Internet neste site, sendo os dados de login fornecidos pelo agente recenseador. Será decerto um método mais confortável para responder ao inquérito em papel, sobretudo se, como sucedeu a uma ilustre "membra" deste Blog, estiverem perante um agente recenseador que transporta mais dúvidas que inquéritos e que, para além disso, tem todo o aspecto de ser um fanático por Isaac Newton, fazendo das folhas que transporta as maçãs com que procura demonstrar a Lei da Gravidade.

Outra novidade desta edição para ser o propósito do inquérito que, até aqui se destinava a obter dados estatísticos que permitissem caracterizar a população residente em Portugal. Desta vez, parece haver alguma vontade, ainda que tímida, em transformar as características da população residente em Portugal, como podemos ver na pergunta 32 do questionário individual:


O que acham desta subtil transformação de trabalhadores a recibos verdes, sujeitos a horários e chefias (como os formadores, por exemplo), em trabalhadores por conta de outrem? Será implicância minha?

segunda-feira, março 07, 2011

Encontrar os combustíveis mais baratos em Espanha

Numa altura em que os combustíveis estão já a atingir preços tais que já começa a ser encarada como sendo de bom gosto a oferta de garrafinhas de gasóleo bem decoradas, como prendas de aniversário ou de Natal, é bom recordar que existem na Internet sítios de referência para encontrar os preços de combustível mais baratos próximos de nós, como oportunamente aqui publicámos em 5 de Janeiro último (Clicar aqui).

Por sugestão oportuna do Paulo Martins (obrigado, Paulo!), e já que compensa -e muito!- ir ao país vizinho abastecer, apresentamos um site onde é possível localizar os postos de abastecimento de combustível espanhóis, assim como procurar quais os que oferecem melhores preços.


Trata-se do "Geoportal", um site da responsabilidade do "Ministerio de Indústria, Turismo y Comercio" de Espanha disponível em várias línguas, entre elas o português, que permite fazer pesquisa através de um mapa ou por pesquisa através de parâmetros personalizáveis.

É de facto um site fundamental para quem mora perto das zonas fronteiriças ou para quem planeie fazer uma viagem até Espanha e que apenas tem como falha grave o facto de não apresentar a localização dos pontos de venda e os preços dos belos caramelos Solano ou do Torrão de Alicante.

Sobre as difíceis relações entre o meu bisavô e o Estado Novo.

Decididamente, os meus antepassados tinham uma relação difícil com os actores políticos seus contemporâneos. Depois de já anteriormente aqui ter partilhado o episódio em que um meu bisavô paterno quase foi linchado na revolução republicana de 5 de Outubro de 1910, conto agora a história de um meu outro bisavô, de seu nome Manuel Andrade, que também teve alguns, passe o eufemismo, "atritos" com o poder político, este já instituído, chegando a ser preso por isso.

Estava-se então em período áureo do Estado Novo e na pequena aldeia de Vale da Figueira, aldeia perdida nas faldas da Serra da Maúnça, a população debatia-se com a dificuldade em encontrar um terreno disponível e favorável para cumprir uma aspiração de longa data: a construção de uma capela que servisse as necessidades espirituais e religiosas dos habitantes.

Num interessante gesto de altruísmo, o meu bisavô decidiu doar parte de uma sua propriedade, situada numa posição cimeira da povoção, para aí se implantar a capela. O pior foi quando, após a construção do referido templo, o padre que aí pregava assumiu que todo o terreno passara a ser propriedade da Igreja, pela simples razão de nele se situar a dita capela.

Após várias disputas, o meu bisavô decidiu por iniciativa própria construir um muro que separasse o local de implantação da capela do resto da sua propriedade. Não foi preciso mais para que fosse denunciado pelo padre como sendo alegadamente comunista, mesmo que o meu antepassado não fizesse a mínima ideia sobre o que era isso dos comunistas, e fosse preso e metido nos calabouços em Castelo Branco, sem acusação formada e sem qualquer explicação para si ou para os familiares, como aliás era tradição naquela época.

Felizmente, na altura as instituições tinham, apesar de se viver em ditadura, uma estrutura orgânica e um funcionamento algo semelhante ao actual e, após vários meses de solicitações por parte dos familiares, o meu bisavô foi finalmente libertado a troco de 2 ou 3 cabritos oferecidos a um elemento bem colocado nas autoridades locais.

Fica por saber se lhe chegaram a explicar o que era isso dos comunistas. Quanto ao muro, esse ficou onde estava.


sábado, março 05, 2011

A solidariedade masculina no ambiente do WC (Vídeo)

Um clássico que constitui a prova de que, para lá da porta das instalações sanitárias de uso masculino, se pratica um ambiente de elevadíssima solidariedade.

sexta-feira, março 04, 2011

Sabiam que a Voyager 1 entrou na Heliopausa?


De acordo com uma pequena notícia na edição de Fevereiro da Sciences & Avenir, a sonda Voyager 1, lançada há 33 anos atrás, terá entrado na Heliopausa (não confundir com fenómenos fisiológicos próprios do ser humano), a zona limiar do Sistema Solar na qual o efeito do vento solar deixa de se fazer sentir, prevendo-se que lá para 2014, tenha finalmente cruzado esta fronteira. A uma razoável distância de 17.400 milhões de Kms de distância do Sol, viajando a uma velocidade de cerca de 61.452 Km/h, a sonda Voyager 1 é actualmente o objecto de fabrico humano mais distante do planeta Terra, tanto que os sinais de rádio enviados pela sonda demoram cerca de 16h a chegar à terra, e isto tendo em conta que as ondas de rádio viajam à velocidade da luz.

A Voyager 1 é uma de várias sondas enviadas para explorar o espaço exterior, a par das sondas Pioneer 10 e 11 (lançadas em 1972 e 73 respectivamente), e da Voyager 2, (lançada com a Voyager 1 em 1977).

Para além de toda a parafernália de sensores e instrumentos científicos, as sondas transportam também informações acerca da raça humana, para o caso de algum dia serem encontradas por uma raça extra-terrestre mais avançada. Ao fim e ao cabo, são uma espécie de prospecto turístico muito particular para alienígenas, se bem que há quiçá um certo excesso de informação.

O que causará mais estranheza é a forma como a raça humana é apresentada. Por exemplo, na placa de alumínio anodizado que viaja na Pioneer 10, o homem e a mulher são apresentados como duas criaturas completamente desnudadas, em pose convidativa a dizer olá (isto em vez de usarem uma bela de uma vestimenta própria de um Domingo-de-ir-à-missa) e, como se pode ver em rodapé, a dar informações sobre a localização do planeta Terra no Sistema Solar que, um pouco mais acima, é situado relativamente a alguns pulsares cuja frequência única é também mencionada

Sinceramente, não sei se será boa estratégia de relações púbicas... - perdão!- públicas darmo-nos a conhecer em poses mais libertinas, tal como dar a conhecer a referência à nossa localização ou contactos, embora esta estratégia não seja actualmente nada de extraordinário. É prática corrente, por exemplo, nos anúncios classificados de convívio do Correio da Manhã. Mas preocupa-me o que poderão pensar os alienígenas desta peregrina ideia de incluirmos uma foto nossa exibindo ostensivamente as nossas partes pudendas num cartão de visita...

Se a isso juntarmos os gráfismos que, no “Golden Disc” das Voyager explicam como se processa a reprodução humana, começamos aqui a ver um padrão preocupante... Depois admirem-se que haja relatos de abduções de seres humanos por alienígenas, para encontros imediatos de elevada proximidade, como aliás tem sucessivamente denunciado o profeta extraterrestre de Arganil.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...