terça-feira, junho 15, 2010

Um alemão terá conseguido (finalmente) silenciar as vuvuzelas

Mais do que pela relva seca, mais do que pelos jornalistas aliviados do seu equipamento, mais do que pelas madeixas do Fábio Coentrão, este Campeonato do Mundo de Futebol será para sempre recordado pelo infame som das vuvuzelas.

Como se não bastasse o irritante "Puééééééé!" que emana dos televisores e se entranha no cérebro dos espectadores durante as transmissões televisivas dos jogos, um certa empresa petrolífera nacional decidiu rivalizar com uma sua congénere britânica, em termos de catástrofes poluentes, e começou a distribuir os ditos instrumentos de tortura nos seus postos de abastecimento.

Ora, quando parecia que nada poderia travar este vil tormento, um tão oportuno quanto genial cidadão de origem alemã de nome Clemence Schlieweis, irrompeu do anonimato para alegadamente, qual Prometeu dos tempos modernos, agraciar a humanidade com aquilo que se pode chamar de "Silenciador de Vuvuzelas" para as transmissões televisivas dos jogos.

Teoricamente, o princípio é simples: gerar um som de amplitude idêntica mas inverso ao das vuvuzelas e reproduzi-lo junto às colunas do televisor. O resultado é um jogo em tudo idêntico ao normal... mas sem aquele irritante som que coloca todos os outros como sons de fundo.

O único senão é que esta solução apenas se aplica às transmissões televisivas e não aos vizinhos e transeuntes que encontram no acto de bufar na vuvuzela uma aparente fonte de prazer. Nestes casos continua a ser mais eficaz o uso de sal ou chumbo em forma de projéctil.

A solução já está disponível na web ao preço módico de 3 euros. Será que vai ultrapassar o volume de negócios das vuvuzelas que, actualmente, constitui uma indústria de 6,45 milhões de dólares?

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...