sexta-feira, maio 30, 2008

Serviço Público

quinta-feira, maio 29, 2008

Os motoristas da Covilhã contra-atacam

Ainda a carrinha guardense referida na última posta não tinha sido rebocada para fora da mui nobre instituição bancária, quando fomos bombardeados com missivas plenas de indignação por parte de diversos motoristas da também ela altaneira urbe da Covilhã.


O conteúdo acaba por ser comum em todas: um certo sentimento de indignação por um certo desprezo que ressentiram no último post, relativamente a uma suposta glorificação de capacidades de ordenamento do parque automóvel que seria um exclusivo dos guardenses.


Pois bem, os covilhanenses alegam que são capazes de estacionar os seus veículos tão bem ou melhor ainda do que os guardenses. Pela análise dos instantâneos que se seguem só podemos afirmar: C'um katano!!! E não é que são mesmo?!


Faculdade de Medicina - Um verdadeiro estacionamento cirúrgico



Parece-me que esta é numa ruela que parte daquele cruzamento onde se decide se queremos ir para a Garagem S.João, Pelourinho ou para o binómio UBI-Chemistry

Solução para os problemas de estacionamento

Se cada vez mais é complicado estacionar, com cada vez mais veículos nas estradas e a praga dos parquímetros cada vez mais disseminada, os cidadãos comuns veêm-se forçados a procurar soluções originais para o parqueamento da sua viatura, até porque o "gasoil" está a um preço que não dá azo a muitas voltas em busca de um lugar livre.

Na altaneira cidade da Guarda, contudo, a solução para o problema parece ter sido encontrada. Esta foto que nos chegou por E-mail, remetida pelo nosso correspondente do katano na urbe, o caríssimo P.M., dá conta de uma nova abordagem de estacionamento que foi esta semana posta em prática. Não vale a pena alongarmo-nos, a imagem fala por si.


quarta-feira, maio 28, 2008

Efeméride que passou em claro

3 ANOS DO KATANO!

Pois é... Anda aqui uma pessoa a parabenizar os outros, até porque esta semana só consigo pensar em 3 ou 4 pessoas que não festejaram o seu aniversário, e deixa-se passar em claro uma efeméride obrigatória! Então não é que este blog cumpriu no passado dia 19 a bela idade de 3 anos? Quem diria!

Por isso, a todos aqueles que contribuíram para a divulgação deste blog, aos visitantes mais ou menos dóceis, a todos os que contribuiram para a angariação de dinheiro através dos anúncios, aos que comentaram e aos que leram, abanaram a cabeça e disseram "Valha-me Deus", aos que postaram e se recusaram a postar, em suma, a todos vocês que estão desse lado, o meu grande obrigado!! Continuem por cá que a Junta Directiva do Katano agradece!

32600 hits since 2005 and counting

Ajudem esta causa


A TMN lançou uma iniciativa na qual concorrem estudantes e instituições ligadas ao ensino superior, que promovem e trabalham em acções de solidariedade, voluntariado e responsabilidade social. A causa mais votada pelos cibernautas receberá um prémio de 2.500 Euros.

Por ligação afectiva indirecta, votei no projecto Bússola que realiza acções em S. Tomé e Príncipe e Guiné Bissau. Votar não custa, basta ir ao site http://www.causassuperiorestmn.com/canalup/ , clicar em "Causas Candidatas", escolher a causa e subscrevê-la, seja o Bússola ou noutra causa, pois o prémio terá sempre um destino nobre.

terça-feira, maio 27, 2008

Parabenização

Esta posta serve de meio de parabenização ao fotógrafo oficial do Blog do Katano, residente e recém (re)admitido, pelo seu aniversário que tem por hábito ser celebrado no 26º dia do mês corrente.

Sendo assim:
PARABÉNS XAMANE!!

segunda-feira, maio 26, 2008

Combustíveis mais baratos on-line

Um grupo de jovens criou um site onde procura manter os preços actualizados dos combustíveis, sendo assim possível procurar os locais onde o combustível é mais barato. Este já passou a figurar na minha lista de favoritos.

www.maisgasolina.com

Ainda assim, nada melhor do que usar transportes públicos, andar a pé ou de bicicleta.

Bilhetes de avião em papel terminam a 1 de Junho

"A partir do próximo dia 1 de Junho acabam os bilhetes de avião em papel. A partir dessa data as companhias aéreas pertencentes à Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), como a TAP, passam a utilizar unicamente o chamado bilhete electrónico e a poupar 2.200 milhões de euros por ano."


Cada vez mais o suporte de papel continua o seu processo de passagem a obsoleto e, com isso, dá-se mais um passo em direcção à preservação da mancha florestal global.

Relâmpago do katano


No âmbito do projecto de exposição, fomos este fim-de-semana recolher dados à aldeia e, entre a recolha de esboços e fotografias dos alçados do edifício do posto escolar e uma breve entrevista a um habitante local que rendeu um belo saco de cerejas, descobrimos esta imagem.

Um pinheiro infeliz, escolhido como pára-raios durante as últimas trovoadas, tem inscrito um sulco de alto a baixo, revelando os canais de seiva que a descarga usou como condutor para chegar ao solo. Deve ter sido realmente um estrondo do katano...

domingo, maio 18, 2008

2ª Oportunidade

Hoje, a caminho da minha visita dominical ao Solar dos Caetano, deparei-me com uma rôla caída na estrada em plena faixa de rodagem. Se há coisas às quais não consigo ficar indiferente, ver um animal ferido ou em perigo é uma delas e, como tal, fiz questão de a recolher.

A ave encontrava-se num estado de fraqueza tal que não reagiu quando a apanhei. Apresentava indícios de ter sofrido uma forte pancada no lado esquerdo, com o olho fechado em meio a um inchaço enorme. Aparentemente as asas, patas e quilha encontravam-se inteiras mas quanto ao crânio nenhuma certeza.

Depois de ter conseguido dar-lhe água, acabou por animar e a meio da tarde começou já a comer. O inchaço diminuiu embora ficando com um enorme olho roxo.

Parece-me que esta ave vai ter uma 2ª oportunidade e isso é algo que já fez valer todo o meu dia.

A iluminação segundo Sócrates

Segundo Sua Excelência o Primeiro-Ministro, Sr Eng José Sócrates, um fumador que seja apanhado a prevaricar, isto é, a empestar a atmosfera comum com o produto do seu vício em local devidamente proibido por lei como tal, incorrendo em contra-ordenação passível de coima, não terá de pagar a referida coima se pedir desculpa e deixar de fumar no próprio momento.

Sendo assim, e seguindo o exemplo do nosso iluminado executivo, será que eu não me poderia esquecer de pagar o meu IRS? A seguir, juro que pediria desculpa e prometeria nunca mais voltar a pagar...

sexta-feira, maio 16, 2008

Pequena massagem ao ego

As fotos do dia.

Vilarinho das Furnas, Gerês.
Aldeia submersa desde 1971 pelas águas da albufeira da barragem que, para além das pedras, lhe tomou também o nome.






Serra da Estrela, algures entre as pistas de esqui e a Lagoa Comprida.






Alto da Maúnça, Açor.





Outra de Vilarinho das Furnas



Foi um dia agradável...

quinta-feira, maio 15, 2008

Singelo e imenso




Hoje foi-me confiado, de forma inesperada, o relógio que pertenceu ao meu avô paterno e confesso que demorei algum tempo a assimilar o acontecimento.

Este relógio é uma das minhas recordações de infância, como algo precioso e quase sagrado que o meu avô guardava na gaveta de um móvel da sala, juntamente com outros objectos de valor.

Para mim, com o deslumbramento próprio de um miúdo, este relógio era valioso como se fosse um tesouro e, ainda tenho recordações da primeira vez que a minha avó mo mostrou. Segurei-o com todo o cuidado, como se tivesse medo que ele pudesse simplesmente dissolver-se nas minhas mãos.

Depois disso, ocasionalmente, eu gostava de abrir a gaveta e pegar no relógio apenas para olhar para ele. Curiosamente, guardá-lo de volta na gaveta era sempre um momento de alívio.

Hoje, ao pegar nele, senti ainda uma réstia desse fascínio e quando girei a pequena roda para lhe dar corda, fi-lo sem grande esperança que ainda funcionasse. Para minha surpresa, os segundos voltaram a ser contados e foi como se cada "tic-tac" trouxesse de volta aquelas recordações que há muito haviam sido arrumadas também elas numa gaveta onde eu as espreitava ocasionalmente.

Desorientação

"Pode fazer o favor de me dizer em que andar é que eu estou?"

Foi deste modo que um morador do meu prédio, por sinal uma figura bastante conhecida no meio social cá do burgo, me solicitou ajuda na madrugada de ontem para tentar encontrar o seu apartamento (por sinal, 2 pisos abaixo do meu).

Depois de o orientar, lá chamei o elevador para o levar onde queria. Contudo, parece-me que o regresso ainda demorou algumas horas... Malvado, maldito álcool...

sábado, maio 10, 2008

Raciocínio

Fiquei ontem surpreendido com o poder de raciocínio de uma concorrente de um popular concurso televisivo de cultura geral ao qual se concorre geralmente com a ânsia de ir buscar 500 euros.

A questão que valia se não estou em erro 750 euros, inquiria sobre qual de 4 cidades tinha sido destruída no ano de 79 pelo vulcão Vesúvio, sendo que as possibilidades de resposta eram: Roma, Atenas, Pompeia e Esparta.

Adoptando um ar de elevada concentração, a concorrente começou a desfiar verbalmente uma intrincada linha de raciocínio:

"Ora bem... Vesúvio é Itália. Como tal, Atenas é grega, Esparta também, por isso não são hipóteses. Agora Roma e Pompeia... Bom... Eu já estive em Roma e já estive nas ruínas de Pompeia e realmente aquilo é impressionante. Ainda se vêem corpos dos romanos. Sei que aquilo foi destruído por um vulcão mas não sei se foi o Vesúvio."

O desfiar iria continuar por mais algum tempo até a concorrente optar mesmo por Pompeia.

Contudo o padrão dessa edição do concurso iria ser depois estabelecido por uma concorrente que ficou com grandes dificuldades ao ter que decidir se na Lua havia os corpos tinham um peso menor que na Terra ou se havia ausência total de peso. Com profunda sapiência argumentou que, como não havia atmosfera, não havia gravidade.

segunda-feira, maio 05, 2008

Contradições na cerimónia do matrimónio

No passado sábado estive no casamento de um simpático casal de ex-alunos e foi, digamos assim, um casamento que seguiu os procedimentos clássicos - recepção, cerimónia, copo-de-água, pelo menos até onde me foi possível assistir visto que, algures entre o primeiro e o segundo prato, tive de sair para atender a outros compromissos, todos eles em Coimbra curiosamente.

O facto de nada ser novidade para mim num casamento, visto que já assisti a uns quantos, permitiu-me adoptar uma postura mais observadora em relação a todo o conjunto de pequenos rituais que acontecem durante a celebração de um casamento.

Começo desde já por manifestar a minha indignação pela ausência de um momento alto da vertente religiosa da celebração. Sim, sim! Essa mesmo! A parte onde o padre perguntava se havia por ali alguém com intenções de objectar à realização da cerimónia por motivos que não eram do conhecimento público.

Se é certo que já nos habituamos a isso, recordo um certo casamento onde um grupo de várias pessoas se preparava para pigarrear no preciso momento em que o padre colocasse essa questão. Os ares de confusa desilusão que tomaram conta dos olhos dos membros desse grupo foram marcantes pela sua pungência. Aliás, eu só voltei a ver uma expressão assim, há bem pouco tempo, nos olhos de um amigo meu a quem informei que o Luís Filipe ia ser titular na equipa do Benfica no jogo dessa tarde.

Há, no entanto, dois momentos intrigantes que persistem inexoravelmente em todos os casamentos: o momento em que se atira arroz e o momento repetitivo em que os convidados exigem que os noivos primeiro, e os familiares e padrinhos depois, se beijem perante toda a gente.

Eu pergunto: faz sentido continuar a atirar arroz, tendo em conta o preço a que ele está? É certo que o cereal em causa serve de barómetro ao nível económico-social dos convidados bastando ver se aquilo que está a ser atirado é arroz carolino, arroz agulha ou simplesmente trinca de arroz. Posso desde já adiantar que já estive num casamento onde se atirou Uncle Ben's. Por outro lado também estive noutro onde o arroz era muito semelhante a areão.

Seja como for, faz-me confusão ver desperdiçar alimento suficiente para abastecer por largo período de tempo um pequeno país do Terceiro Mundo. Votos de abundância? Para isso pode-se passar um cheque no valor do investimento que se fez em arroz já que pelo menos assim não se estraga nada. Será mesmo um acto simbólico?

Tenho para mim que quem atira arroz é porque tem contas a ajustar com um dos noivos (os dois?) ou, pelo menos, com alguém que esteja ali por perto. Acredito que frases como "Não acredito que te casaste primeiro que eu!" ou "Sacana! Ficaste-me com ele/ela!" ou "Isto é por aquela sova que me deste em 1982" possam passar pela cabeça dos convivas. É que uma coisa seria atirar arroz em trajectória parabólica com um extremo bastante elevado no eixo das ordenadas. Outra completamente diferente é atirar arroz agulha, em trajectória tangente às cabeças dos convidados, em direcção aos olhos dos noivos.

Relativamente ao pedido insistente e repetitivo de que os noivos se beijem em público é também uma situação que não compreendo. Há aqui nitidamente uma expressão oportunista de voyeurismo que aproveita um dos poucos momentos em que é socialmente aceite. Mas para ver o quê? Estamos a falar de uma plateia que certamente assiste à TVI depois das 18h e como tal já viu tudo o que há para ver em termos de pouca-vergonha. Aliás, basta dirigirmo-nos a um qualquer relvado próximo para ter grandes possibilidades de assistir a um casal em plena prática daquilo que parece uma amálgama dinâmica e desconexa de membros e traseiros da qual saem ocasionais salpicos de saliva.

Radical seria sim gritar-se "Não beijem! Não beijem!". Aí ver-se ia algo realmente inédito e, pelo menos em certas ocasiões, tendo em conta que se está em plena refeição, seria uma benção. A ideia final será sempre "Já os vi fazer melhor!". Mas pronto, há que não perder esta oportunidade de se ser voyeur, expressar a esperança inconsciente de se poder ver algo realmente muito maroto e ainda ter uma sala inteira a aplaudir o que nos faz perceber que não estamos sós no Mundo no que às depravações diz respeito.

Pulamordedeus! A coisa podia ser tão mais simples: "Aceitas? - Aceito!", "Aceitas?-Aceito!", "Então vamos à bucha!"

Política de Privacidade do Blog do Katano

Por questões de clarificação da posição deste blog relativamente à privacidade dos dados aqui recolhidos e por compromissos com a empresa que fornece o serviço de publicidade, apresentamos a nossa política de privacidade.

1 – Disposições Gerais

No Blog do Katano, reconhecemos a importância da privacidade. De seguida deixamos-lhe o tipo de informação pessoal que é recebida e recolhida quando visita ou comenta no Blog do Katano, e como essa informação é guardada. Nunca venderemos a sua informação para terceiros, sejam eles particulares ou empresas.

Salvo raras excepções, os comentários, trackbacks, e pingbacks, passam a fazer parte deste site permanentemente, e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.

2 – Privacidade

Se apenas ler e navegar neste site a sua identidade não é publicamente revelada.

Para deixar um comentário é necessário um nome e endereço de e-mail. O nome pode não ser verdadeiro, e o endereço de e-mail não será publicamente revelado.

Este site recolhe informação a seu respeito, mas que não o identifica pessoalmente, como por exemplo o seu browser, língua, e de onde veio, bem como a data, hora, e duração de cada visita. O objectivo na recolha desta informação é para melhor compreender a sua utilização do nosso site.

Tanto os comentários, como os trackbacks e pingbacks revelam o seu endereço de IP. Este endereço pode, conjuntamente com outros elementos, ser usado para o identificar.

Os endereços de e-mail, ou qualquer outra informação recolhida nos comentários nunca será vendida ou alugada a outros, ou revelada publicamente por nós, salvo se assim formos obrigados por lei, para nos defendermos, ou se formos obrigados por qualquer autoridade competente.

Como os comentários são geridos por uma empresa a que somos completamente alheios, não garantimos a protecção da informação atrás referida que fique guardada em comentário.


3 – Cookies

Para sua conveniência, ao deixar um comentário, é depositado um cookie no seu computador. Este cookie pode ser eliminado se limpar os cookies e os ficheiros temporários de Internet.

Você detém o poder de desligar os seus cookies, nas opções do seu browser, ou efectuando alterações nas ferramentas de programas antivírus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com este blog ou outros sites, podendo afectar ou não permitir que faça logins em programas, sites ou fóruns, por exemplo.


4 – Anúncios

Este site recorre a empresas exteriores para efeitos de fornecimento de publicidade, por adesão ao programa Google AdSense. Estes fornecedores de publicidade podem recolher e usar informações suas (mas não incluindo nome, endereço de e-mail, morada, ou número de telefone), neste e noutros sites, para lhe apresentar anúncios a produtos ou serviços do seu interesse. Se desejar mais informação acerca desta prática, ou se não desejar ver os seus hábitos de navegação usados desta forma, por favor visite o site www.networkadvertising.org.

O Google, como fornecedor de terceiros, utiliza cookies para a exibição de anúncios.

O cookie DoubleClick DART é usado pelo Google nos anúncios exibidos em websites de editores que exibem anúncios do AdSense para conteúdo. Quando os utilizadores visitam o website de um editor do AdSense e visualizam ou clicam num anúncio, um cookie pode ser inserido no navegador desses utilizadores. Os dados recolhidos desses cookies serão usados para ajudar os editores do AdSense a exibir e gerir melhor os anúncios nos sites onde são exibidos e em toda a web.

Com o cookie DART, o Google pode exibir anúncios com base nas visitas feitas a este e a outros sites na Internet.

Os utilizadores podem desactivar o cookie DART visitando a Política de privacidade da rede de conteúdo e dos anúncios do Google.

sábado, maio 03, 2008

Caminhada na Gardunha

A Gardunha exerce um fascínio muito particular, difícil de descrever. Cheia de contrastes, cheia de recantos ainda por descobrir, é capaz de oferecer cenários belíssimos e diversificados a quem se aventurar pelos seus trilhos que nos levam das suas cercanias xistosas até ao seu coração de granito. Transpondo as palavras que José Luciano Ruiz, poeta espanhol: "É uma rocha egoísta pois não te dá nada, tira-te tudo. Alimenta-se do assombro da gente".

Sendo assim, e porque a minha minhotinha mais-que-tudo também partilha do gosto pelas caminhadas e exploração, o 25 de Abril foi dedicado à Gardunha numa caminhada que teve uma extensão de pouco mais de 20km e que terminou já em noite cerrada.

Partindo de Alcongosta, centro de produção da "cereja do Fundão", subimos pela calçada antiga (a que muitos chamam romana) que ligava primitivamente Fundão a Alpedrinha e Castelo Novo, flectindo depois no sentido da encosta do maciço central da Gardunha, passando sobre Alpedrinha, a "Sintra da Beira". Junto a uma velha casa em ruínas (200 ou 300 anos?) parámos para apreciar a paisagem e retemperar energias.

Em seguida, passando por várias quintas abandonadas, começámos a descida para o anfiteatro natural que é a confluência de linhas de água que formam o vale onde se situa Castelo Novo, uma das aldeias históricas de Portugal. Pelo caminho, encontrámos um simpático pastor (sim, aqui também ainda há pastores) que nos acompanhou durante parte do percurso, brindando-nos com relatos de como era a região há uns anos atrás e descrevendo o seu modo de vida actual. Deixando o nosso efémero companheiro para trás, não sem antes prometer que, caso voltássemos a passar por ali um dia, o visitaríamos, continuámos a descida para Castelo Novo onde chegámos atravessando um troço "remendado" da calçada e uma pequena ponte de betão.Após uma pausa para o lanche à sombra da Igreja e com vista para o castelo, não pudemos deixar de estranhar as obras de "requalificação" que estão a ser feitas na antiga fortaleza. Realmente há uma certa tendência para misturar metal e pedra mas o "mono" ferrugento que agora guarda a entrada do castelo parece um tanto ou quanto despropositado.

Continuámos até à praça da Antiga Casa da Câmara e da Cadeia, onde enchemos o cantil e bebemos a maravilhosa água do Chafariz de D. João V. Após uma pausa retemperadora, contemplando o desfilar de visitantes e as pessoas que chegam ao chafariz com o porta malas do carro cheio de garrafões de plástico prontos a serem enchidos da água que nos saciou a sede, percorremos a aldeia embora o tempo disponível não fosse muito.

Iniciada a subida para a elevação oposta à por onde tínhamos chegado, passando junto à fábrica das Água do Alardo, o caminho revelou-se sinuoso. Uma placa sinalizadora indicando que se está a chegar a Castelo Novo não engana. Aquele caminho de terra batida foi em tempos uma estrada importante.

Decidimos então fazer um corta-mato atacando uma subida mais íngreme, chegando a outra quinta abandonada para depois vencermos os antigos socalcos de cultivo bordejados por duas linhas de água. Extremamente difícil mas precioso na poupança de tempo. Pouco depois, chegávamos à Casa do Guarda onde reabastecemos o cantil e mais uma vez matámos a sede, isto com uma fantástica vista sobre Castelo Novo e as planuras que se estendem até Penha Garcia, passando pelo inselbergue onde se localiza Monsanto. Apertando o passo, atacámos a última subida antes da crista da Gardunha, chegando à Penha, um local de mitos e lendas, uns mais fantasiosos que outros, onde os vestígios de um castro se misturam com as ruínas de uma capela medieval, tudo isto apimentado com as histórias sobre avistamentos de OVNIS, visões quiçá potenciadas pelo saturação do sangue com certos derivados de produtos naturais.

Subir os degraus escavados na rocha até à extremidade da Penha vale bem a pena! No topo, instalámo-nos para a última refeição do percurso reforçada com a reconfortante sensação de um café ainda quentinho. Em tom de brincadeira, lá se trauteou um trecho da música que servia de fundo a um inesquecível anúncio publicitário a uma marca de café. O Sol não esperava e era por isso necessário começar a descer enquanto houvesse alguma luz pelo que, com muita pena, lá tivemos de nos fazer ao caminho.


Chegámos finalmente a Alcongosta, após uma visão das luzes que povoam a Cova da Beira à noite e que se estendem do Fundão até à Covilhã, aninhada no sopé da Serra da Estrela.
Valeu a pena!

quinta-feira, maio 01, 2008

Tradições

Um dos meus planos para o mês de Agosto prevê a montagem de uma exposição que recrie toda a memória cultural e etnográfica de uma aldeia muito especial para mim. Tenho como objectivo fazer uma recolha de fotografias e testemunhos aos quais vou juntar toda a documentação que tenho em minha posse e que inclui toda a correspondência da escola local desde os anos 1930 até ao seu encerramento, para além da recriação virtual do primeiro posto escolar da aldeia.

Ainda estou na génese do trabalho e já é fascinante aquilo que começo a descobrir.

Tome-se o exemplo desta foto, tirada algures pelos anos 1950, que retrata uma tradição anual que marca de certa forma, à luz dos costumes de então, a passagem dos rapazes por uma importante fase de vida e que aqui são fotografados segurando pandeiretas com fitas. Alguém arrisca uma hipótese? Alguém tem conhecimento de tradições semelhantes?

Enigma - II

Conclusão do artigo de 24 de Abril último.

Esta carta encontrava-se no sótão de uma antiga casa senhorial em Vicdessos, província francesa de Ariége nos Pirinéus, dentro de uma de várias caixas de charutos, e foi-me apresentada em Agosto último. Por vários elementos encontrados juntamente com a carta dentro das caixas (artigos, recortes, notas manuscritas), é possível datá-la de princípios do Séc XX ou finais do Séc XIX. Para além da carta, dentro das várias caixas encontravam-se vários fósseis e vários instrumentos e lascas de sílex dos quais os meus anfitriões tiveram a amabilidade de me oferecer alguns.

Do texto da carta consegui obter a seguinte tradução:

"Zamerza, 28/11 (1909?)

Caro Senhor

Envio-lhe por este mesmo correio alguns fósseis de ostrea villei. O senhor doutor disse-me que o célebre Coquant (Henri Coquant, geólogo francês do Séc XIX, ndk) lhe tinha dado um nome que não foi mantido. Seja como for são raros e encontrei-os nos pântanos "romianos"(?) na parte superior, sob as rochas laminadas de calcário local.

Encontrei também muitas ostrea (...) na base deste mesmo local, no meio encontrei várias conchas de uma espécie de mexilhão (envio-os igualmente. Dei-me conta de que o Damien possui apenas um fóssil de (...). Na minha próxima visita (...) (à terra do destinatário) levar-lhe-ei algumas pedras.

Está satisfeito com o meu último envio de vermiculitas(?) com vestígios(?) de peixe?

Queira aceitar as minhas mais sinceras saudações.

Assinatura ilegível"



Ao que parece, alguém que viveu na casa ou o antepassado de alguém que aqui habitou, era um apaixonado por paleontologia e arqueologia, como o atesta o documento e os diversos fósseis e instrumentos. Do que me permiti trazer, fazem parte os seguintes exemplares:

Fósseis de ouriços do mar pentaradiados de proveniência desconhecida. Embora estes seres existam desde o Ordovício (488 milhões de anos atrás), estes exemplares em causa poderão datar do Jurássico (200 milhões de anos atrás) ou Cretáceo (cerca de 100 milhões de anos atrás).



Uma lâmina, uma ponta de seta e dois núcleos de sílex (pedaços de onde se extraíam fragmentos para criar instrumentos). Estes vestígios deverão ter cerca de 10.000 a 15.000 anos atrás. Deverão ter sido encontrados no norte de Àfrica (Tunísia) de acordo com outros vestígios da caixa devidamente identificados.

Agradecimentos a Elodie Amorim pela ajuda prestada na tradução do texto

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...