sexta-feira, outubro 24, 2008

O dia em que ganhei a lotaria em Espanha - Conclusão

Ver também: Parte 1 - Parte 2
Resumo

Depois de ter recebido um e-mail anunciando que havia ganho um prémio de lotaria no valor de 610.000 euros, percebi que se tratava de uma típica Fraude de Lotaria / Lottery Scam. Fingi-me interessado e solicitei mais informação ao burlão.

Após ter reteirado que se tratava de um assunto sério, o indivíduo solicitou-me vários dados pessoais ao mesmo tempo que pediu o máximo de sigilo. Enviei os dados pedidos tendo o cuidado de enviar, evidentemente, dados falsos.


Novo e-mail

Finalmente eu estava perto de receber os 610.000 euros. O e-mail que recebi em seguida foi bem claro: o Banco "La Caixa" já havia confirmado que o dinheiro seria depositado na minha conta (com NIB do Millennium BCP, embora sendo uma conta do BPI) nas próximas 24h.

Para confirmar e cumprir as formalidades burocráticas (algo chamado EVC e um seguro), eu teria simplesmente de enviar 270 euros, via Western Union, para o endereço que desde a 2ª mensagem se encontrava no rodapé, embora o nome do destinatário fosse agora outro. Seria finalmente o nome do burlão ou simplesmente outra camuflagem? Seja como for, é este o objectivo primordial da burla. Procura-se aliciar as pessoas com um prémio fabuloso, ainda por cima numa altura de crise, levando-as a pagar essas "taxas" burocráticas, não obtendo depois nem os 610.000 euros, nem os 270 euros.

Para reforçar a credibilidade da mensagem, esta era acompanhada de um certificado que, no meio de frases sem sentido e siglas incompreensíveis, continha uma frase forte "Este certificado é garantia irrevogável de pagamento de prémio".





Obviamente que a minha resposta foi a mais esperada, tendo perguntado se não seria possível deduzir os 270 euros do prémio. Na volta recebi mais um e-mail, desta vez quase telegráfico, dizendo que eu teria de enviar o dinheiro até ao início desta semana e que não era possível deduzi-lo do meu prémio.


Contactos com a polícia

Já com bastante material e referências em mãos, entrei em contacto via e-mail com a Guarda Civil espanhola, reencaminhando as mensagens que havia recebido para o Grupo de Delitos Telemáticos.

Ao mesmo tempo, entrei em contacto telefónico com a Polícia Judiciária que me aconselhou a dirigir-me ao posto local da GNR para apresentar os meus dados. Aí, encontrei-me com os elementos do Núcleo de Investigação Criminal, a quem entreguei o dossier completo, com cópia de todos os e-mails e uma carta descrevendo o caso. Foi-me então garantido que o caso seria levado à reunião bi-mensal entre a GNR e a Guardia Civil.

É óbvio que não espero que estas acções levem à detenção do ou dos supostos burlões. Contudo espero pelo menos que este caso sirva no mínimo para acções de divulgação ou, na pior das hipóteses, caso alguém seja efectivamente burlado por estas pessoas, que ajude as investigações.

Quanto a mim, continuei algum tempo a divertir-me com o burlão, acabando por me fazer passar por um fanático religioso ao concluir que, como eu não tinha conseguido obter os 270 euros, interpretava isso como um sinal de Deus e que não era suposto eu ter o dinheiro.

Acabei por pedir que o mesmo fosse dado a obras de caridade e despedi-me pedindo desculpa por todo o incómodo.

No último contacto, o Sr C.B, a.k.a. P.V., acabou por ser extremamente cordial, agradecendo o meu gesto e desejando-me a melhor sorte.

Quem disse que os burlões não têm ética?

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...